Movimento Varejo

10 lições de Luíza Trajano para ter sucesso nos negócios

A empreendedora participou da live “Sucesso tem receita?”, organizado pelo SPC Brasil em comemoração ao Mês das Mulheres, e deu dicas para os pequenos negócios sobreviverem à crise da Covid-19

Foto: Divulgação

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) realizou, nesta quarta-feira (24), a live “Sucesso tem receita?”, em comemoração ao Mês das Mulheres. Promovido em parceria com a inciativa Juntas pelo Brasil – Mulheres em Foco, o evento contou com a participação da empresária Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza (Magalu) e fundadora do Grupo Mulheres do Brasil, que conta com 80 mil membros e tem a missão de estimular a participação feminina na construção de um país melhor.

A live foi transmitida pelo Youtube e conduzida do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Júnior. Também estiveram presentes as presidentes das Federações das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL) de Maranhão, Maria do Socorro; e de Mato Grosso do Sul, Inês Santiago. Participou ainda do evento virtual a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Jovem de Belo Horizonte (MG), Raquel Ferreira.

Perdeu a live? Clique aqui e assista.

Sucesso tem receita?
Luíza Trajano é a única executiva brasileira na lista global do World Retail Congress (WRC). Nos últimos três anos, é considerada a líder de negócios com melhor reputação no Brasil. A empresária transformou o Magazine Luiza em um dos maiores varejos do Brasil, sem falar que é uma das responsáveis para a empresa ter conquistado o título “Melhores empresas para se trabalhar”. O Magalu figura no ranking há 23 anos.

Com tanta experiência e sucesso, a empreendedora tem muitas lições para compartilhar com os micro e pequenos negócios. Separamos 10 lições que a Luíza Trajano deu durante a live “Sucesso tem receita?”, e que podem fazer a diferença na sua empresa. Confira:

1) Gestão humanizada
“Nós não somos máquinas, o lado profissional e o pessoal se mesclam, e temos que respeitar isso. Não dá para exigir que a funcionária que está com o filho doente ou passando por uma separação, coloque isso de lado ao chegar no trabalho. Desde os anos 90, temos uma gestão humanizada e orgânica, e dá muito certo”, conta Luíza Helena Trajano, que complementa: “hoje, precisamos estar com a equipe na cabeça, no coração e no bolso”.

2) Entrar na Era Digital
“O digital não é uma plataforma. O digital não é um site. O digital não é um aplicativo. O digital é uma cultura”, da qual o seu negócio tem que fazer parte, ensina a empresária. “Esta já não é mais uma escolha, o negócio precisa estar no digital”, conclui.

Na pandemia, as lojas virtuais e as redes sociais têm sido a salvação de muitos negócios, e o e-commerce só tende a crescer. “Esta é uma evolução sem volta, e está mais do que na hora dos pequenos negócios criarem suas lojas virtuais. É claro que a loja física vai continuar, mas com um papel diferente e outro formato”, afirma a presidente do Conselho de Administração do Magalu.

3) Equipe diversificada
Contratar profissionais com perfis diferentes, agregando entre si várias formações, raças, crenças, culturas e extratos sociais, é essencial para ter uma equipe criativa e, consequentemente, uma empresa inovadora.

4) Valores têm mais importância do que o faturamento
As empresas devem ter uma cultura interna de proteção à mulher e combate à violência doméstica, bem como de defesa do desenvolvimento social. Segundo Luíza Trajano, a empresa precisa mostrar que se importa com o colaborador, e isso se reverte em crescimento para o empreendimento, uma vez que o funcionário que se sente valorizado está sempre motivado para produzir e vestir a camisa do negócio.

O Magalu criou uma linha de denúncia anônima, por meio da qual recebe os casos de violência contra suas funcionárias. A partir daí, intervém junto à profissional, a fim de preservar a sua vida e de seus filhos. “Isso é importante para que o agressor saiba que a mulher não está sozinha, que ela tem com quem contar”, diz Luíza Trajano.

Sobre a desigualdade social, Luíza Helena diz que esta “é uma responsabilidade de todos, sem falar que os negócios também são afetados pelos problemas sociais. Então, é muito mais do que ter empatia pelos nossos irmãos que não tem onde morar dignamente ou o que comer”.

5) Estar sempre em movimento
“Todo dia eu busco aprender algo diferente. É importante estar sempre aberto ao novo”, ensina a varejista. “A empresa precisa sempre mudar de ciclo. Não pode esperar vir um problema para mudar, é preciso estar sempre em movimento”, completa.

6) Tenha propósito
A empresa precisa ter uma espinha dorsal e foco no propósito. “Sem a espinha dorsal, não dá para andar mais, e o mesmo acontece com a empresa sem propósito”, avalia a empresária.

7) Não tenha medo de errar
“Eu não tenho medo de errar e nem tenho compromisso em fazer tudo certinho. Se errei, redireciono rápido. Se acertei, eu multiplico”, ressalta Trajano. Para a Luíza Helena, o empreendedor não deve esperar ser perfeito para entrar em ação. Deve colocar a mão na massa, ir treinando e não desistir. “Não tenha medo, a gente aprende é fazendo. Faça acontecer!”, afirma.

8) Ouça a sua equipe
A gestão da empresa não se faz apenas com softwares de inteligência, é preciso capital humano e atitudes simples. Muitas vezes, o empregado sabe muito mais do negócio do que o dono imagina, por isso, é preciso sempre ouvir o que o colaborador tem a dizer. E mais que isso, é preciso estimulá-lo a participar e trazer novas ideias. “Sempre pergunte para a equipe três coisas: primeiro, o que a empresa faz e precisa continuar fazendo; segundo, o que a empresa não faz e precisa fazer; e terceiro, o que a empresa faz e deve parar de fazer. Com estas respostas, você já tem um planejamento na mão”, conta a presidente do Conselho de Administração do Magalu.

9) Premie o seu colaborador pelo bom desempenho
“Se o seu funcionário tem mais de 100% de produtividade e resultado, dê um prêmio a ele. Pode ser um reconhecimento no mural, um carro de som falando sobre seu trabalho ou até mesmo um presente. O importante é demonstrar que valoriza o esforço dele”, afirma.

10) Invista em multicanais
“É preciso estar onde e como o cliente quiser. Então, às vezes o cliente vê o produto na internet, mas vai até a loja física para tocar no produto. Pode até decidir comprar o produto no nosso site ou aplicativo, depois de ter visitado a loja física”, ressalta Luíza Trajano. Por isso, é essencial ter diferentes canais de comunicação e atendimento ao consumidor.

Compartilhe:
Relacionadas
Movimento Varejo

O poder dos influenciadores digitais para o varejo

O marketing de influência pode ser usado para aumentar a presença digital, atingir maior número de pessoas e promover novas experiências aos usuários. Compartilhe:
Movimento Varejo

Loja física vai ser apoio para o comércio digital, diz consultoria

Mesmo com a reabertura do comércio e retomada da economia, o digital tende a ser o principal canal de vendas dos lojistas. Nessa equação, o varejo físico servirá como ‘apoio’, com estrutura mais enxuta e foco na experiência de compra. Compartilhe:
Movimento Varejo

Ofereça a melhor experiência segundo a geração do cliente

Com tantas camadas para entender o consumidor de hoje, apostar na personalização para cada geração pode ser a chave uma melhor experiência do cliente. Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.