Pesquisas

29% dos brasileiros usam nome de terceiros para fazer compras

Segundo levantamento da CNDL/SPC Brasil, o cartão de crédito lidera ranking de meios de pagamentos mais emprestados. 12% dos que emprestaram o nome para terceiros ficaram com o nome sujo

Muitos brasileiros recorrem a amigos e familiares para realizar compras a prazo quando estão com problemas de crédito. Pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com o Sebrae, mostra que 29% dos consumidores fizeram compras com cheque, cartão de crédito, crediário, empréstimo ou financiamento, utilizando o nome de outra pessoa nos 12 meses anteriores à pesquisa, sendo que 23% utilizaram o cartão de crédito; 4% usaram o cartão de loja e 2% contrataram empréstimos.

Motivos para comprar em nome de terceiros
De acordo com o estudo, a prática é utilizada, principalmente, por quem está com dificuldades de acesso ao crédito ou enfrenta imprevistos e não conta com uma reserva de emergência. As principais razões para fazer compras em nome de outra pessoa foram:

A quem se pede o nome emprestado: pais (23%), marido/esposa (21%) e outros familiares (20%)

  • CPF negativado (23%);
  • Limite de cheque ou cartão estourado (23%);
  • Não aprovação de crédito (13%);
  • Nunca ter tentado contratar crédito no próprio nome (13%).

Quem mais empresta o nome
O estudo revela ainda que, na hora de pedir o nome emprestado, as pessoas mais procuradas são aquelas do círculo de convivência, como:

  • Pais (23%);
  • Cônjuge (21%);
  • Outros familiares (20%);
  • Irmãos (17%);
  • Amigos (14%).

Justificativas
A pesquisa revela que os argumentos de convencimento mais utilizados por quem pede o nome emprestado variam:

  • Necessidade de fazer supermercado (19%);
  • Pagamento de dívida (15%);
  • Necessidade de comprar roupas, calçados e acessórios (14%);
  • Necessidade de comprar itens para os filhos (11%);
  • Reforma da casa (10%);
  • Compra de presentes em data especial (8%).

Estar com o nome sujo (23%) é a principal razão para recorrer ao nome de terceiros

Pagamento das dívidas em nome de terceiros
A maioria dos consumidores (87%) afirma que quitou ou tem quitado as parcelas em dia, mas há 16% que deixou atrasar o pagamento da prestação de pelo menos alguma modalidade de crédito acessada através do nome de terceiros. Entre aqueles que atrasaram as parcelas de compras feitas em nome de terceiros, as principais razões foram:

  • Perda o emprego (21%);
  • Redução da renda (e 20%);
  • Atraso ou não pagamento de salário (20%);
  • Esquecimento (18%);
  • Gastos excessivos (17%);
  • Problemas de saúde (12%).

“Quem empresta o nome precisa entender a real necessidade do outro lado. Muitas vezes, a melhor ajuda é orientar esse amigo ou familiar a dar prioridade para o pagamento de dívidas em vez de estimular que a pessoa assuma mais compromissos, sem saber se ela terá condições de arcar com o pagamento mais para frente”, avalia o presidente da CNDL, José César da Costa.

Argumentos utilizados: fazer o supermercado (19%), pagar dívida (15%) e comprar roupas, calçados e acessórios (14%)

Itens mais comprados no nome de terceiros
Entre os produtos ou serviços comprados com o nome de terceiro, os mais citados foram:

  • Compras de supermercado (27%);
  • Eletrônicos (23%);
  • Itens de farmácia (21%);
  • Roupas, calçados e acessórios (21%);
  • Eletrodomésticos (14%);
  • Móveis (13%).

A grande maioria (67%) não sentiu dificuldade na loja para realizar as compras em nome de terceiros, enquanto 25% sentiram alguma dificuldade – metade desses nas lojas físicas e a outra metade nas lojas online.

Confira a pesquisa completa.

Compartilhe:
Relacionadas
Pesquisas

Inadimplência cresce e atinge 61,94 milhões de brasileiros, aponta CNDL/SPC Brasil

Número de inadimplentes do Brasil teve crescimento de 5,59% em comparação a abril de 2021. Média das dívidas é de R$ 3.518,84. Compartilhe:
Pesquisas

Dia das Mães deve movimentar R$ 28 bilhões no varejo

Levantamento realizado em parceria com a Offerwise Pesquisas aponta que roupas, calçados e acessórios devem ser os campeões de venda este ano. Sites e Shoppings serão os principais locais de compra. Compartilhe:
Pesquisas

109 milhões de pessoas devem ir às compras na Páscoa 2022

64% dos consumidores pretendem comprar na data, gasto médio será de R$ 215. 30% dos que pretendem comprar na data possuem contas em atraso. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.