Opinião

Artigo: A reforma tributária multiplica, não subtrai

*Luiz Carlos Hauly e Miguel Abuhab

Em breve, o Congresso Nacional deverá receber e votar o relatório do líder Agnaldo Ribeiro para a reforma tributária. É uma medida de extrema urgência para o Brasil voltar a crescer após uma década perdida. O relatório do deputado deve incorporar as propostas de simplificação tributária encaminhadas pelas PECs 110 e 45, do Senado e da Câmara, respectivamente, e ainda as importantes contribuições do governo federal, estados, municípios, trabalhadores, empresários e centenas de estudiosos da matéria. Sem dúvida, esse é o mais importante de todos os temas que estão sendo debatidos nesse momento no Legislativo.

A reforma tributária abrangente que o Brasil necessita mais do que nunca está em discussão há 30 anos. Hoje, estamos vivendo o auge da estagnação econômica após 17 minirreformas tributárias fatiadas nos últimos 32 anos. Com isso, o Brasil sofre hoje por medidas imediatistas, todas elas tentando resolver o problema de caixa de curto prazo, beneficiando este ou aquele setor. Essa política não deu certo!

Somente com soluções de longo prazo e o fim do chamado manicômio tributário é que poderemos retomar o crescimento. E a solução para esse caos instalado no Brasil tem como pilares a simplificação radical, adoção da tecnologia de cobrança 5.0 como base do sistema de arrecadação de tributos e a diminuição da carga tributária sobre os que ganham menos.

O que muitos não conseguem enxergar nessa equação da reforma tributária é que o resultado dessas mudanças não será uma simples soma aritmética. Não é adicionar aqui e ali, reduzir daqui ou acolá. Com a retomada do consumo em novas bases, consistentes e simplificadas, 2 + 2 não serão quatro. Serão cinco ou mais. Todos ganharão com o novo modelo, formulado para resolver problemas crônicos que estrangulam a economia, como o elevado número de impostos sobre a base consumo e a cumulatividade de impostos, além de uma série de efeitos indesejados, como a sonegação, a inadimplência e a informalidade.

O fulcro das críticas é o chamado IBS, imposto sobre bens e serviços, um tributo unificado sobre a base consumo que já é adotado pela OCDE e por 170 países. A mais abrangente das propostas, a PEC 110, unifica nove tributos em um único imposto – PIS e Cofins, como deseja o governo, e também todos os outros impostos da base consumo: ICMS, ISS, IOF, PASEP, IPI, CIDE e Salário-Educação. Ela também prevê uma ampla reforma nas bases renda e patrimônio.

O IBS Dual – com recursos divididos entre a União e Estados/Municípios – será arrecadado e transferido automaticamente para os Estados/Municípios/União a partir do pagamento de cada nota fiscal, graças ao chamado Modelo Abuhab de cobrança eletrônica 5.0 automática (o pilar da tecnologia, mencionado anteriormente).

Haverá um texto constitucional e uma lei complementar que acabam com as milhares de legislações infraconstitucionais e normas que surgiram no âmbito federal, estadual e municipal desde 1988, preservando duas regras de ouro: não aumentar a carta tributária para a população, nem mexer na partilha dos três entes da Federação. Ela traz ainda tratamento diferenciado para setores básicos, como comida, remédios, saúde, educação, logística reversa, socioambiental e transporte público urbano, cuja alta carga tributária penaliza principalmente a população de baixa renda.

Setores como os da agricultura, indústria farmacêutica, varejo, cooperativas, transportes, softwares, máquinas e equipamentos, entre outros, já manifestaram apoio à reforma tributária abrangente.

O varejo, especificamente, irá se beneficiar de forma contundente, com ganhos enormes que trarão competitividade ao setor, sem mencionar o estímulo ao consumo de bens e serviços que a reforma proporcionará. Somente com obrigações acessórias que deixam de existir com o novo modelo o país economizará R$ 720 bilhões, ou 1% do PIB ao ano.

A reforma abrangente não terá como consequência o desequilíbrio na arrecadação nem prejuízos para as empresas e principalmente para os consumidores, que são os que pagam os impostos embutidos nos preços ao consumidor final.

A reforma tributária precisa superar interesses arrecadatórios do Estado e imediatistas de setores que não observam o grande impacto que as mudanças abrangentes e solidárias que tramitam no Congresso irão proporcionar à economia do país.

A reforma não é para alguns. É uma reforma do Brasil, é de todos nós, por isso ela será um ganha/ganha. Todos ganharão.

* Luiz Carlos Hauly é economista e consultor tributária. Ex-deputado federal em sete mandatos. Autor do texto que serviu como base para a PEC 110 do Senado. 

*Miguel Abuhab é empresário, fundador da Datasul e da NeoGrid e atual presidente de Conselho da NeoGrid.

Ambos são autores do livro “Não dá mais para postergar”, sobre a necessidade da reforma tributária no Brasil.

Relacionadas
Opinião

Como lojistas podem aproveitar os tokens no varejo?

No lugar do real, dólar ou euro, muitas empresas apostam nos utility tokens como alternativa. Afinal, esse método vai além do simples ato de pagar uma compra; com ele, é possível criar um verdadeiro ecossistema de marketing e vendas, em que o usuário é recompensado com promoções, descontos e até dinheiro real de acordo com seu relacionamento e interação com a marca.
Opinião

A Lei do Superendividamento e o mínimo existencial

Quanto deve um superendividado? Não tem um valor específico. Considera-se superendividado aquele consumidor que não pode pagar todas as suas dívidas de consumo, sem comprometer seu mínimo existencial.
Opinião

O "E" de ESG nas empresas?

Assim, a questão ambiental faz parte do nosso cotidiano há anos e engloba desde os hábitos de consumo e descarte, que cada pessoa realiza em sua vida cotidiana, até a rotina na empresa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.