Fatos e Dados

Acordo vai ampliar o acesso das MPE à inovação

Foto: Pixabay

Com a finalidade de democratizar o acesso das micro e pequenas empresas à inovação em todo o território nacional, o Sebrae firmou, na tarde desta quarta-feira (07), o Acordo de Cooperação Técnica com o governo federal. O evento contou com a presença da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competividade, do Ministério da Economia, e do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações, com transmissão ao vivo pelo Youtube.

“O Sebrae se sente honrado e feliz em participar da assinatura de um convênio como esse”, destacou presidente do Sebrae, Carlos Melles, na solenidade. De acordo com ele, a entidade atua no plano das políticas nacionais de construção do ambiente favorável ao desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios. “O Sebrae procura ser as pernas e os braços do governo na aplicação de seus programas. Estamos à disposição para fazermos do Brasil um país melhor”, acrescentou.

“Precisamos de ciência, tecnologia e transformação, principalmente neste momento de pandemia. Esse trabalho com o Sebrae me dá muito orgulho. É um prazer e uma honra estar aqui”, ressaltou o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes. “Tenho muito orgulho dos pesquisadores e cientistas que se dedicam para desenvolver tecnologias necessárias diversas. Daqui para frente, cada um dos nossos jovens transformará as suas vidas, o Brasil e o planeta”, complementou.

Na prática
Ao prever ações para os próximos três anos, a parceria inclui o desenvolvimento de ecossistemas de inovação por todo o país, aceleração de negócios inovadores e eventos de disseminação de inovação como a semana da transformação digital, que ocorrerá entre 26 e 30 de abril e já conta com mais de 15 mil inscritos.

Para o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, o acordo surgiu em um momento propício. “Trabalhamos próximo ao MCTI para fazer isso acontecer. Tudo isso conta com a interação com a comunidade acadêmica, projetos de pesquisa e inovação, que são deslanchados com o apoio do Ministério. Os resultados têm se mostrado auspiciosos. Somos uma grande equipe que está trabalhando em uníssono para que o mercado prospere naquilo que a população precisa.”

Ao abordar o cenário atual, Paulo Alvim, secretário de empreendedorismo e inovação do MCTI, indicou que o processo de retomada da economia inclui os pequenos negócios e as startups. “O desafio é ampliar significativamente o conjunto de soluções do Ministério em favor dos pequenos negócios. “É fundamental essa parceria. Nós, do governo, estamos juntos com o Sebrae, que é um instrumento de política pública”, garantiu.

Fonte: ASN

Compartilhe:
Relacionadas
Fatos e Dados

Universidade Ancar Ivanhoe abre inscrições para cursos gratuitos voltados para varejo

A UAI conta com uma experiência 100% digital de fácil acesso, além de conteúdos interativos desenvolvidos por especialistas do ramo. Compartilhe:
Fatos e Dados

Serviços estão 5,4% acima do nível pré-pandemia, mostra IBGE

A queda de 0,2% no volume de serviços prestados no País em fevereiro ante janeiro fez o setor de serviços funcionar em patamar 5,4% superior ao de fevereiro de 2020, antes do agravamento da crise sanitária no País. Em janeiro, os serviços estavam 5,6% acima do pré-covid. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Compartilhe:
Fatos e Dados

Três a cada cinco brasileiros temem o vazamento de dados em compras on-line

De acordo com levantamento realizado pela PSafe, empresa de segurança digital da América Latina, e divulgado no portal da CNN, três a cada cinco brasileiros têm medo de ter os seus dados vazados ao realizarem compras na internet. Das pessoas consultadas (mais de 8.600), 59% apontaram o vazamento de dados como sendo um medo real nessas transações. Além disso, também foi mencionado como alarmante o roubo de dados bancários (52%) – os respondentes podiam escolher mais de uma opção. Na sequência, estão como principais preocupações ter o cartão clonado (48%) e o não recebimento de produtos (48%). Apenas 4,5% relataram não ter nenhum tipo de receio. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.