Movimento Varejo

Andando de lado: atividade econômica perde dinamismo nos últimos meses

Última edição de 2021 do relatório Panorama do Comércio faz um balanço do ano e apresenta as perspectivas para 2022

Se 2020 ficou marcado pelo início da pandemia, 2021 será lembrado como o ano da vacinação. A primeira dose de vacina foi aplicada em janeiro, há quase 12 meses. Desde então, segundo dados do Consórcio de Imprensa, cerca de 140 milhões de brasileiros foram completamente imunizados e quase 300 milhões de doses foram aplicadas.

A vacinação permitiu a flexibilização das medidas de distanciamento e possibilitou a retomada dos setores mais afetados, como o de serviços. Ao longo da crise sanitária, o desempenho do setor de comércio pode ser dividido em três fases: a rápida queda; a acelerada recuperação; e, mais recentemente, a perda de ritmo de crescimento, com o volume de vendas do setor oscilando em torno do mesmo patamar.

Reflexo da perda de dinamismo, as vendas do comércio varejista registraram queda de 0,1% em outubro de 2021, na comparação com mês imediatamente anterior. Nessa base de comparação, foi a terceira queda consecutiva do indicador. Os recuos mais recentes tiveram impacto na percepção dos empresários do comércio, como mostram os indicadores de confiança. Apesar disso, o setor continuou contratando mão-de-obra: segundo dados do CAGED, em outubro, o saldo de vagas criadas pelo setor foi de 70 mil.

No quadro macroeconômico, o IBGE noticiou uma queda do PIB no terceiro trimestre, na comparação com o trimestre anterior. Foi a segunda queda consecutiva, o que colocou a economia brasileira na chamada recessão técnica. No retrato mais recente, em suma, a economia perdeu dinamismo. No entanto, quando se considera todo o ano de 2021, o crescimento deverá superar os 4,0%, segundo as projeções coletadas pelo Banco Central. Ao fraco desempenho observado no terceiro trimestre, somase a aceleração inflacionária e, mais do que isso, a persistência da inflação.

2022
Diante desse quadro, o que esperar para 2022? As últimas projeções mostram uma deterioração das expectativas. O mercado passou a prever um crescimento menor para o próximo ano, e uma inflação maior.

À medida que o risco sanitário vai sendo superado – embora ainda não possa ser completamente desconsiderado, devido ao surgimento de variantes do Corona Vírus –, os problemas inerentes à economia brasileira começam a ditar o ritmo do crescimento.

Alguns fatores podem melhorar esse quadro, impactando o humor dos agentes econômicos e o desempenho do próximo ano. Entre eles, merecem destaque o compromisso com o equilíbrio fiscal, avanço das pautas reformistas e a reorganização das cadeias produtivas ao redor do mundo.

Quer saber mais sobre o desempenho do setor? Confira a edição de dezembro do relatório Panorama do Comércio.

Compartilhe:
Relacionadas
Movimento Varejo

Rio de Janeiro vai sediar a Convenção Latino-Americana de Supermercados

Presidente da ASSERJ, Fábio Queiróz, assinou o termo de compromisso, em evento no México, para a realização da convenção durante a próxima Super Rio Expofood, em março de 2023. Compartilhe:
Movimento Varejo

A pandemia acabou, e agora?

Confira cinco ações para criarem mais resiliência na experiência de compra do cliente e o varejo emergir ainda mais fortes no pós-pandemia. Compartilhe:
Movimento Varejo

Vinho é a bebida preferida de 49% dos brasileiros

Estudo da Wine mostra que o aumento do consumo de vinho no Brasil é pautado pela experiência, desde o momento da compra até a hora de beber Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.