Economia e Finanças

Campanha pelo parcelado sem juros ganha mais adesão

A Abad (Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores), Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), Afrac (Associação Brasileira de Tecnologia para o Comércio e Serviços), Anamaco (Associação Nacional Comerciantes Material Construção) e CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) se uniram em defesa da modalidade de pagamento. As cinco entidades ligadas ao Comércio e Serviços pedem ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que não permita que os bancos acabem com o parcelamento sem juros no cartão de crédito.

“Essa é a modalidade de pagamento preferida dos brasileiros. Acabar com ela afetará não somente os cidadãos, mas também toda uma enorme cadeia de pequenas empresas, causando imenso impacto na nossa economia. E tudo para que alguns bancos se beneficiem”, explica o presidente da Abrasel, Paulo Solmucci.

Desenrola Brasil
As cinco entidades elogiaram o esforço do governo para limpar o nome dos consumidores, por meio do programa Desenrola Brasil. Segundo elas, isso ajuda o país a crescer e propicia o surgimento de novos negócios, movimentando a economia.

“Não podemos deixar que essa boa iniciativa seja prejudicada na sequência por uma mexida no parcelamento sem juros no cartão. É preciso que o governo esteja atento para não permitir essa rasteira no povo brasileiro”, reforça José César da Costa, presidente da CNDL.

Fonte: coluna Capital S/A, do jornal Correio Braziliense

Relacionadas
Economia e Finanças

Vendas decepcionam e Black Friday é a segunda pior da história

Discreta alta no tíquete médio não conseguiu compensar menor volume de pedidos, mas executivos do setor destacam um cenário de margens melhores.
Economia e Finanças

Quanto o Varejo paga para os seus colaboradores?

Massa salarial no Varejo cresce 6,2% em relação a 2022, segundo levantamento da Korn Ferry; crescimento salarial fica acima da inflação.
Economia e Finanças

Lula veta integralmente PL da desoneração da folha de pagamento

Implementado desde 2011 como medida temporária, o benefício fiscal vinha sendo prorrogado desde então; deputados articulam derrubada do veto.

1 Comentário

Comentários fechados.