Opinião

Hauly: “CNDL busca geração de emprego e aumento do crédito”

O tributarista Luiz Carlos Hauly

Luiz Carlos Hauly*

Os 60 anos da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas representam a afirmação de um histórico de lutas em defesa do varejo, do qual tenho orgulho de participar com realizações muito significativas para a expansão e fortalecimento da atividade, como a criação do SuperSimples.

A Lei do SuperSimples beneficia 17 milhões de MEIs, micros e pequenos empreendedores, 55% dos empregados com carteira assinada e 99% das empresas brasileiras, além de ter elevado a participação das pequenas e médias empresas de 17% do PIB nacional para 30%.

Ela veio ao encontro da busca por geração de empregos, defesa do crédito, conscientização por um consumo consciente, inclusão social, enfim, todas as relevantes bandeiras que a CNDL defendeu nesses 60 anos.

Desde os anos 80 e 90 a entidade se coloca na vanguarda das discussões sobre a diminuição de impostos e simplificação da sistema tributário. Saiu às ruas levantando uma bandeira que hoje é assunto corrente, mas que, naquele tempo pouco se dispunham a lutar por uma causa tão complexa.

Hoje, ao completar seis décadas de atuação, a CNDL e todo o setor do comércio se deparam com o desafio de conseguirmos aprovar no Congresso uma reforma tributária ampla, justa e solidária para o Brasil voltar a crescer.

A reforma tributária com tecnologia para simplificar impostos e eliminar as obrigações burocráticas é a mãe de todas as reformas. Com ela, vamos oxigenar a economia, voltar a ter um crescimento no PIB e ter um varejo muito mais forte.

Temos a certeza de que este é o caminho, e que a CNDL terá uma importância fundamental na busca dessa e de novas conquistas para o varejo

Luiz Carlos Hauly, economista, tributarista e consultor, foi deputado federal e autor intelectual da PEC 110 da Reforma Tributária e idealizador da causa Destrava Brasil junto com Miguel Abuhab. Acompanhe o Destrava Brasil no Instagram, Facebook e Twitter

Relacionadas
Opinião

A Lei do Superendividamento e o mínimo existencial

Quanto deve um superendividado? Não tem um valor específico. Considera-se superendividado aquele consumidor que não pode pagar todas as suas dívidas de consumo, sem comprometer seu mínimo existencial.
Opinião

O "E" de ESG nas empresas?

Assim, a questão ambiental faz parte do nosso cotidiano há anos e engloba desde os hábitos de consumo e descarte, que cada pessoa realiza em sua vida cotidiana, até a rotina na empresa.
Opinião

10 sinais de que você atende mal o seu cliente

Jonatas Abbott, sócio e diretor executivo da Dinamize, lista 10 sinais de problemas no atendimento ao cliente, que devem estar no radar do empreendedor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.