Economia e Finanças

Com aumento da Selic, presidente da FCDL-MG alerta para alta nos juros do Pronampe

Em 2021, o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) trouxe condições menos vantajosas aos empresários do que as que foram praticadas em 2020. Naquela época, os empréstimos somaram R$ 37 bilhões, com uma taxa de juros de 1.25% ao ano mais Selic. Já em 2021, o valor disponibilizado foi de R$ 25 bilhões, com taxa de juros de 6% ao ano mais Selic.

O presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de Minas Gerais (FCDL-MG), Frank Sinatra chama a atenção para o aumento das taxas de juros, sobretudo da Selic, que atualmente está em 5,25% ao ano, com previsão de encerrar 2021 em 7% ao ano. “Diante desse cenário, aqueles que pegaram empréstimo devem ter um bom planejamento. Com juros mais altos, é preciso organizar as finanças para conseguir honrar os compromissos e não prejudicar a saúde financeira dos negócios. Essa é minha grande preocupação e meu alerta para todos”, frisa Sinatra.

Ainda segundo o dirigente, é possível que boa parte dos empresários, por enquanto, não estejam percebendo esse impacto sobre o aumento das parcelas de pagamento, já que as operações podem estar no período de carência. “Mas é importante lembrar que isso significa somente que, no período de carência, não há o pagamento das parcelas, mas o saldo devedor está sendo corrigido pela taxa de juros contratada que, no caso do Pronampe, é a Taxa Selic mais 6% ao ano”, ressalta.

Frank Sinatra também destaca que o tamanho atual do programa não foi suficiente para atender a alta demanda. Estima-se que seriam necessários cerca de R$ 200 bilhões para realmente ajudar as pequenas empresas a saírem da crise e voltarem a crescer. “Ou seja, a grande maioria segue desassistida. Além disso, muitos empresários se queixam das dificuldades para acessar os recursos”, pontua.

O presidente da FCDL-MG também chama a atenção para o fato de que, mesmo com o estímulo do Pronampe, no primeiro quadrimestre de 2021, um total de 437.787 empresas fecharam no Brasil – alta de 22,9% em relação aos quatro meses imediatamente anteriores. Na comparação com o primeiro quadrimestre de 2020, o aumento foi de 23,1%. Vale lembrar que os empréstimos são destinados, principalmente, ao pagamento de impostos (federais, estaduais e municipais), água, luz, aluguel, FGTS e fornecedores, nessa ordem.

“Reafirmo aos empresários, tenham cuidado e façam um bom planejamento. Com cautela, podemos sair dessa crise e voltar a crescer”, finaliza Sinatra.

Compartilhe:
Relacionadas
Economia e Finanças

Startups podem obter crédito para acessar soluções tecnológicas

O Serpro, estatal do governo federal que é a maior empresa pública de tecnologia do mundo, está com edital aberto para apoiar o modelo de negócios de startups brasileiras do setor de inovação. O programa Serpro Booster seleciona empresas nascentes de tecnologia e oferece créditos para que elas acessem algumas das melhores soluções tecnológicas de administração de dados públicos do país. Compartilhe:
Economia e Finanças

Empréstimo pode ajudar pequenos empresários, mas precisa ser bem planejado

No final de abril, o governo editou uma medida provisória que vai oferecer R$ 23 bilhões em crédito para pequenos negócios. Segundo o Ministério da Economia, a expectativa é que os recursos sejam disponibilizados em até 2 meses em mais de 40 bancos. Compartilhe:
Economia e Finanças

Em tempos de inflação alta, maior variedade de produtos vira trunfo no e-commerce

Mais uma vez, o Mercado Livre mostrou um volume de vendas totais difíceis de superar. Foram US$ 7,7 bilhões no primeiro trimestre, crescimento de 26,5%, em dólar, e de 31,6% em moeda constante na comparação com o mesmo período de 2021. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.