Opinião

Como as bikes elétricas impulsionam o delivery express

Foto: Pixabay

Por Vinicius Pessin*

Em algum momento da vida, os brasileiros tiveram ou utilizaram bicicletas em seu dia a dia. Para alguns, são vistas como opções de lazer. Para outros, como atividade física ou até mesmo como modalidade esportiva. Há quem as utilize como meio de transporte. Contudo, são poucos os que enxergam nelas alternativas eficientes para o delivery e, por que não, para a logística nacional. Contudo, com a pandemia de covid-19 embaralhando setores inteiros e acelerando a transformação digital, houve demanda crescente de entregas em todo o país. Assim, para dar conta dessa realidade, todo meio de transporte se revelou útil para agilizar esse serviço.

As bicicletas também se reinventaram em meio à pandemia de covid-19. Como são individuais, usadas ao ar livre, longe de aglomeração, e ainda promovem uma vida mais saudável, se transformaram em excelente alternativa de mobilidade nas cidades brasileiras. Pesquisa do Datafolha mostra que, entre aqueles que não têm carro próprio, são o meio de deslocamento mais seguro para 38% da população, à frente de aplicativos de viagem, táxis e transporte coletivo. Já um levantamento da Semexe, marketplace de bicicletas seminovas, 58% das pessoas desejam incorporar as bicicletas em seu dia a dia como opção de transporte.

Mais do que opções de lazer, as bicicletas passaram a ser vistas, principalmente, como alternativas de meio de locomoção para pessoas e cargas. Isso não significa que transportar mercadorias pedalando seja algo inovador ou diferente. Na verdade, não há meio mais antigo do que as “magrelas” que levavam alimentos pelas ruas da cidade no início do século 20. A questão é que, diante do surgimento de novas opções, como carros e motos, elas foram deixadas de lado por serem mais lentas e menos seguras do que as demais. O cálculo é simples: se você precisa entregar algum pedido em um local a 15 quilômetros de distância, é preferível utilizar algum transporte motorizado a ir pedalando até lá.

Contudo, os problemas de mobilidade das grandes cidades atualmente, com excesso de carros e motos nas ruas, recolocaram as bicicletas, em sua versão elétrica, no centro das iniciativas de entregas. Três motivos explicam esse renascimento. O primeiro deles é a questão operacional. As bicicletas podem se locomover por ciclovias e ciclofaixas, permitindo mais agilidade no delivery.

Além disso, são ecologicamente corretas, uma vez que não consomem combustível. Ao serem mais ágeis do que as demais, solucionam dois dos grandes entraves do sistema logístico no Brasil: o last mile, isto é, o último trecho da entrega, e o same-day delivery, as entregas no mesmo dia. Cidadãos que já moram na região podem alugar bicicletas elétricas e realizarem entregas para grandes transportadoras e varejistas em determinado raio de atuação. Por fim, o modal elétrico permite trajetos maiores em comparação as bicicletas tradicionais, poupando o biker de longas jornadas extenuantes.

Evidentemente isso só é possível com o apoio da tecnologia. Para que as entregas desse tipo funcionem, é preciso contar com uma plataforma capaz de gerenciar os pedidos, separando-os de acordo com região, tipo de produto e tempo de entrega. Não adianta, por exemplo, disponibilizar itens grandes para pessoas que irão pedalar na rua. Tampouco solicitar uma entrega para alguém que está a quilômetros de distância do local. São situações que as melhores ferramentas das startups de entregas conseguem resolver com o apoio de inteligência artificial e big data.

Como se vê, as bicicletas continuam sendo importantes ferramentas logísticas para agilizar entregas que as transportadoras tradicionais e até mesmo os veículos motorizados não conseguem atender. Nos próximos meses, não se assuste se as suas encomendas vierem de um entregador ou entregadora que esteja pilotando uma bike elétrica. Quando isso acontecer, tenha certeza de que a entrega foi feita com agilidade, eficiência, segurança e, principalmente, respeito ao meio ambiente e à sustentabilidade.

*Vinicius Pessin é CEO da Logtech Eu Entrego.

Compartilhe:
Relacionadas
Opinião

Será que perdemos a bússola?

O WhatsApp foi uma das soluções imediatas encontradas, que ajudou e ajuda ainda muitos “CNPJs” a se manterem vivos e respirando diante do ápice da doença no ano passado. Com a ferramenta institucionalizada como um dos principais canais, ou o principal canal, de comunicação com clientes, empresas viram seu diálogo com o consumidor parar bruscamente, tendo pouco a fazer para o momento. Compartilhe:
Opinião

Por que os dados são cada vez mais importantes no varejo físico?

inteligência extraída a partir dos insights gerados por essas informações abre novas oportunidades para as empresas – e fica inviável retornar ao cenário anterior baseado apenas no achismo e na experiência dos empresários. Compartilhe:
Opinião

Respostas para o comércio e serviços

Entre os dias 28 e 29 de setembro, Brasília vai abrigar o maior encontro do varejo do Brasil. Trata-se do V Fórum Nacional do Comércio, organizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. O encontro vai reunir formadores de opinião, empresários, dirigentes, políticos e especialistas para debater temas da economia, da gestão empresarial e das políticas que norteiam um segmento que congrega 500 mil empresas e movimenta R$ 340 bilhões. Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.