Movimento Varejo

Como manter as vendas do e-commerce em alta após a volta do varejo presencial?

Foto: Shutterstock

Por Juliana Vital*

Depois de vivenciar um grande crescimento durante a pandemia, o amadurecimento do e-commerce acelerou e hoje está em um estágio muito mais avançado do que o esperado.

Apesar do retorno do comércio offline, as compras online continuam crescendo e muitos mercados já estão obtendo melhores resultados no canal de vendas digital.

Quais estratégias podem ajudar a manter e aumentar as vendas online nesse contexto? Sim, outra vez: o e-commerce veio para ficar.

Embora a volta do varejo presencial implique um movimento na balança e mais uma variável a ser levada em conta, é importante lembrar que o comércio não será o mesmo de antes e que muitas mudanças vieram para ficar.

É o caso de alguns nichos e mercados que, antes da pandemia, era impensável vê-los no e-commerce, mas cuja ascensão e crescimento sustentado até hoje nos dizem exatamente o contrário.

Alguns exemplos paradigmáticos são as categorias alimentos e bebidas. Quem teria imaginado que pão ou manteiga para o café da manhã chegariam pelo correio? Estas categorias, no Mercado Livre, estão acumulando um grande crescimento desde o começo da pandemia, acima de 200%.

Na última Black Friday, por exemplo, a categoria Alimentos e Bebidas cresceu 266% em vendas em comparação com a edição de 2020. Entre alguns produtos em destaque, encontra-se também comida para pets e produtos de limpeza. A tendência de crescimento da categoria alimentos e bebidas, em geral, segue e o prognóstico é que para 2022 continuará em ascensão.

Em seu último relatório de resultados, o Mercado Livre informou que seu marketplace mantém crescimento constante, principalmente, devido ao crescimento de sua base de compradores, que totalizou quase 40 milhões no último trimestre.

Da mesma forma, o volume de produtos adquiridos por comprador continua aumentando em relação ao período afetado pela pandemia.

Os dados do maior marketplace da América Latina servem como referência para entendermos o porquê de muitos mercados terem tido não apenas um grande destaque durante a pandemia, mas também porque seguem crescendo.

Como podemos ver, a volta do comércio offline não é um empecilho para que os compradores continuem escolhendo o canal online para adquirir muitos produtos.

4 dicas para manter as vendas online em alta
Além da volta do comércio offline, o crescimento exponencial do e-commerce também trouxe consigo novos vendedores e mais oferta, variáveis que o tornam ainda mais competitivo.

Neste novo cenário, é fundamental ter ferramentas que ajudem a melhorar as decisões estratégicas e a otimizar todo o processo de vendas no e-commerce, de forma a estar à altura dos desafios que surgem.

Estas são algumas ações que consideramos necessárias para manter e estimular o crescimento das vendas online neste novo contexto:

1 – Conheça e se alinhe com a demanda dos compradores
Cada comprador expressa sua necessidade através de determinadas palavras e elas expressam, em detalhes, as características dessa demanda. Um ranking das palavras mais buscadas por categoria em tempo real, por exemplo, é uma informação muito útil para saber o que os compradores estão dando prioridade hoje, onde existem oportunidades ou nichos de mercado não-atendidos e como podemos construir uma oferta alinhada a essas necessidades.

Diferente do comércio offline, onde os tempos de ação costumam ser mais lentos, no canal digital podemos fazer as mudanças necessárias em questão de cliques e conseguir vender produtos que realmente se adaptem ao que os internautas procuram.

2 – Estude a oferta em detalhes
É importante ter uma visão geral do mercado online e como os mercados que vendemos se desenvolvem nele. Saber quais os produtos mais vendidos, quais as marcas, modelos e/ou características, nos ajuda a construir uma oferta estratégica sem desperdiçar recursos.

Este estudo também nos permitirá perceber quais as estratégias incluídas na oferta, quais fazem a diferença com a opção offline e o que podemos aplicar ao nosso negócio: preços, envios grátis, apresentação do produto, descontos, brindes, entre outros.

3 – Analise outros vendedores
Esta dica se conecta e retroalimenta com a anterior. Estudar os produtos que são vendidos online implica conhecer em detalhes quem está por trás deles. Assim como acontece no mundo offline, no e-commerce não será a mesma coisa competir com vendedores comuns do que com lojas oficiais ou marcas.

Se queremos manter as vendas online de nossos produtos em alta, é importante analisar constantemente quais são os players que entram e saem do nosso mercado, quais são seus produtos-estrela, suas táticas, preços e métricas mais importantes. Estes dados nos ajudarão a pensar estrategicamente sobre nossas decisões de negócios e se é conveniente ou não permanecer em determinadas categorias.

4 – Sempre leve em consideração a sazonalidade
A sazonalidade é uma grande aliada na hora de planejar e garantir as vendas. Existem muitos produtos cuja demanda aumenta em determinada época do ano e, embora pareça óbvio, muitos vendedores de e-commerce esquecem dessa variável na hora de tomar suas decisões.

Familiarizar-se com os fluxos de oferta e demanda gerados pela sazonalidade ajuda a comprar os produtos que vamos vender, trabalhar seu posicionamento e todas as estratégias contra a concorrência, com antecedência. Dessa forma, o negócio estará em condições de receber o aumento de demanda que a temporada promete e atingir o maior percentual de vendas da categoria.

*Juliana Vital é Global Chief Revenue Officer na Nubimetrics.

Fonte: Economia SC

Relacionadas
Movimento Varejo

WhatsApp no meio empresarial: o poder da mensagem para engajar o cliente

A pandemia acelerou o processo de digitalização das empresas e causou mudanças visíveis no relacionamento entre cliente e marca. Alguns exemplos são o aumento das compras online, o fortalecimento do atendimento omnichannel e a busca pela melhora contínua da experiência do cliente por meio de ferramentas digitais. Nesse contexto, o WhatsApp, aplicativo de mensagens mais usado no Brasil, ganhou destaque.
Movimento Varejo

Transformação digital já é real para mais da metade das PMEs

Segundo estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), pelo portal Terra, dentre as micro e pequenas empresas (MPEs) do país, a transformação digital já está presente em 66% das organizações, conforme o Mapa de Digitalização das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, da FGV, em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Ressalta-se, ainda, que as PMEs são responsáveis por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e por 50% dos postos de trabalho criados no Brasil.
Movimento Varejo

Burocracia na hora de consumir é empecilho para 8 em cada 10 brasileiros

Os brasileiros ainda sofrem com um entrave bem antiquado na hora de comprar bens e serviços: a complexidade para provar quem são. Soluções para agilizar o atendimento ao cliente e finalizar uma compra como biometria, que usa a identificação da digital, ou o reconhecimento facial – também chamada de biometria facial, ainda são pouco utilizadas por empresas de varejo e serviços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.