Comunicação empática: a ideal entre pais e filhos

Ouvir e entender o processo de elaboração de conceitos e abstrações do outro é sempre o melhor caminho para o diálogo          

Aproveitando o mês em que comemoramos o dia dos pais, achei interessante fazer uma análise de como anda a comunicação ou a interação entre pais e filhos nesse novo momento. Gostaria de iniciar lançando duas perguntas para uma boa reflexão: Você considera que a sua capacidade de comunicação com os seus filhos está bem desenvolvida? Você tem certeza que entende claramente o que eles estão dizendo?

É importante entender sobre o desenvolvimento desse processo, pois na maioria dos casos em que nos comunicamos com outras pessoas cometemos uma falha grave, que é não saber ouvir o interlocutor e, claro, esse problema inclui os diálogos com os nossos filhos.

O fato de sabermos que não fomos educados a ESCUTAR, nos obriga a ter a consciência da importância de saber ouvir para compreender de forma efetiva o que as pessoas estão nos comunicando. O hábito que temos de dar opinião em tudo sem escutar o argumento alheio, faz com que a comunicação se torne um processo difícil e o que, muitas vezes, nos coloca do lado oposto aos dos nossos filhos.

Então, como aprender a ouvir corretamente seu filho ou sua filha? Saiba que a maioria das pessoas não escuta com a intenção de compreender, mas sim de responder. 

Mas como fazer para mudar essa situação e nos tornarmos bons ouvintes? Uma resposta a essa pergunta seria desenvolver uma escuta empática. O que seria isso? É quando você compreende, enxerga o que a pessoa vê, do modo como ela sente e concebe suas ideias. Não é um exercício para concordar com tudo o que ela diz, mas de olhar com curiosidade os processos que levaram o interlocutor a chegar a um determinado conceito ou abstração. Em resumo, é escutar as pessoas com os olhos e com o coração.

Faça isso nas situações rotineiras. Observe e repare como as pessoas te ouvem, e como você as escuta. Leve isso para a relação entre pais e filhos. Se for difícil reparar em você mesmo no início, preste atenção em como os outros fazem isso e depois passe a prestar atenção em você.

Na prática, aproveite a oportunidade quando seus filhos vierem conversar sobre alguma coisa. Tente perceber se você consegue realmente ouvir de maneira empática o que ele ou ela estão contando, ou se você está se preparando para uma resposta àquela questão.

A escuta empática requer que façamos um esforço de entendimento sobre como a criança vê, sente e compreende, e não fazer apontamentos de como ela deveria agir, sentir e pensar.

Aproveite esse momento de confinamento, em que o contato com a família é mais intenso, e procure utilizar a escuta empática o tempo inteiro, pois assim você aumentará suas chances de conexões e afetividade.

*Adelmo Freire é professor, palestrante e consultor em Comunicação Empresarial. Contato: (84) 98856-0525. adelmo.freire@uol.com.br

Relacionadas
Opinião

Como lidar com os clientes que se recusam a usar máscaras?

*Stella Kochen Susskind As imagens de consumidores que entram nos estabelecimentos comerciais sem máscaras e, ao serem advertidos, provocam situações de selvageria… COMPARTILHAR:FacebookTwitterWhatsAppLinkedIn
Opinião

A oratória no mundo digital

Adelmo Freire Um questionamento que recebo nesse novo momento que estamos vivendo é o seguinte: a oratória pode impulsionar a nossa comunicação… COMPARTILHAR:FacebookTwitterWhatsAppLinkedIn
Opinião

LGPD: novas questões para novos tempos

Presidente da CNDL, José César da Costa, chama atenção para como os micro e pequenos empresários deverão se adaptar à LGPD *José… COMPARTILHAR:FacebookTwitterWhatsAppLinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.