Tendências e Inovação

Conexão Varejo

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2016/12/5-start-capa.jpg”]

[blockquote author=”Jorge Alexander Kowalski” link=”” target=”_blank”]Um comerciante de comida orgânica pode publicar um post no aplicativo e todos os fornecedores cadastrados vão receber a mensagem.[/blockquote]

Uma plataforma descomplicada para conectar varejistas a vendedores e marcas é a proposta da Luckro, startup B2B criada em novembro de 2015 e que conquistou 50 mil usuários no primeiro ano de atuação. Com o slogan “Tudo em um só lugar, em qualquer lugar”, o aplicativo pode ser baixado em celular, tablet e computador. Aos varejistas, são oferecidas muitas vantagens, como comprar melhor, fazer cotação de preços, pedir produtos, comunicar escassez de estoque, conhecer e encontrar fornecedores e se comunicar diretamente com as marcas. Todos lucram: “É uma forma de trabalho colaborativo”, define Isabel Moisés, uma das fundadoras da empresa ao lado do CEO, Jorge Alexander Kowalski, e de Simon Schvartzman.

Na startup, varejistas correspondem a 40% dos usuários; marcas, 30%; e vendedores, 30%. As mensagens podem ser públicas, privadas ou em grupos, e os posts são divididos em categorias, como ache e compre, em que o lojista informa a necessidade de produto, marca, quantidade e prazo e recebe contato de vendedores. Existem ainda mensagens enquadradas em alertas comerciais, falta de produto, pesquisas, promoções e ofertas. “Uma marca, por exemplo, pode anunciar promoções para padarias de Brasília, um comerciante de comida orgânica pode publicar um post no aplicativo e todos os fornecedores cadastrados vão receber a mensagem”, explica Jorge.

Por enquanto, os setores de hotéis, bares e restaurantes, mercados e supermercados são os mais beneficiados no aplicativo, que entra no ano novo com energia de criança: a meta é atingir 150 mil usuários até dezembro. Por isso, abre os braços digitais para o segmento varejista: “O pequeno varejo ainda trabalha num formato mais tradicional”, observa Isabel. “A Luckro buscou uma maneira de se conectar de forma leve, ao contrário dos sistemas pesados de gestão na indústria e nas grandes empresas.”

Para vendedores aumentarem a representatividade, a plataforma permite-lhes conhecer clientes interessados em seus produtos, fazer ofertas para satisfazer necessidades específicas de lojistas e divulgar promoções diretamente para o varejo. Por meio de um clique no botão Eu Quero, o lojista aceita a oferta promocional e inicia o negócio.

As marcas também lucram por meio da comunicação digital. Podem se informar melhor sobre as demandas dos varejistas e desenvolver ações comerciais mais eficientes por meio do controle de execução: incentivos a lojistas para que eles realizem promoções e publiquem uma foto no aplicativo. “A marca pode orientar como o produto deve ficar exposto e chegar a diversos pontos de vendas”, acrescenta Isabel. “O conteúdo para o varejo consiste em oferta e solução de problemas, com facilidade para atingir o mercado e concluir o processo de compra”, resume Jorge, avisando que as pequenas empresas descobrem, na plataforma, o varejo cadastrado em uma região.

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2016/12/5-start-equipe.jpg”]

Com loja física na capital paulista, a ideia da startup surgiu nas areias de Copacabana, no Rio de Janeiro, onde Jorge estava com as filhas: “Uma delas queria água de coco, mas o vendedor não tinha mais. Perguntei se ele não podia avisar o fornecedor, mas não havia como. ‘E se você pudesse fazer isso com um clique no celular?’, perguntei. ‘Era tudo o que eu queria’, respondeu ele”.  Jorge conta que, desde que era diretor de vendas de grandes marcas como Heineken, já pensava em como entrar em contato com o fornecedor de maneira rápida. A tecnologia e uma boa equipe resolveram o problema. “O aplicativo é pago pelos fornecedores, mas é sempre gratuito aos varejistas e para as associações do setor, que podem utilizá-lo para comunicar com seus associados e fazer pesquisas e promoções”, esclarece o CEO.

[blockquote author=”isabel Moisés” link=”” target=”_blank”]É uma forma de trabalho colaborativo[/blockquote]

Em relação ao nome da startup, Jorge conta: “Geralmente, são usadas palavras em inglês, mas eu queria algo simples, curto, algo que todo mundo quer. Depois de muito pensar, chegamos a Luckro, muito apropriado, com esse K de diferencial e de Kowalski”. Nascido na Argentina, o economista de 52 anos trabalhou também no Peru e na Colômbia e acumula mais de 20 anos na direção comercial de marcas, como Heineken, Philip Morris, Danone, Reebok e Coca-Cola: “Trabalhei com 30 marcas e 20 categorias de produtos”. Ex-colega de Jorge na Heineken, a economista Isabel Moisés nasceu em Lisboa há 49 anos e começou a carreira como auditora, consultora e executiva de Recursos Humanos e seguiu trajetória no mercado das cervejas e na exportação. “Lidar com o varejo e seus fornecedores é um mundo bem conhecido pra mim”, afirma ela, atraída pela proposta de empreender e fazer algo novo na Luckro. Já Simon Schvartzman tem longa experiência na indústria de informática e na consultoria de negócios, com passagens pelo Itautec e pela consultoria inglesa McKinney Rogers. Completam o time profissionais em tecnologia, desenvolvimento de software, sistemas de informação e serviço ao cliente, além da área comercial.

Ao varejista e entidades de classe, fica o convite: com um clique em www.luckro.com, é possível se cadastrar e ampliar os horizontes de seu negócio graças a boas ideias, tecnologia e expertise. Simples e sem custos. Vai recusar?

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

APAS Show: IoT e soluções conectadas diminuem perdas e melhoram experiência do shoppper

Dar inteligência aos dispositivos é a proposta da Inwave para revolucionar o setor trazendo mais segurança e atuando diretamente na redução de perdas e melhora da experiência do consumidor Compartilhe:
Tendências e Inovação

Índice de competitividade: importância e desafios do frete

A velocidade de entrega é um benefício percebido pelos clientes e, por causa disso, deve ser explorada ao máximo para maximizar os resultados. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Indústrias relacionadas ao metaverso devem movimentar R$ 4 tri até 2024

Muito além do conceito, as indústrias que se formaram em torno do metaverso já movimentam números expressivos. De acordo com dados da Bloomberg Inteligence, segmentos como RV (Realidade Virtual) e de RA (Realidade Aumentada), games, cloud e outros, devem movimentar mais de R$ 4 trilhões até 2024. Compartilhe: