Fatos e Dados

Entra em vigor lei que autoriza setor privado a comprar vacinas da Covid-19

Setor privado deverá doar todas as doses compradas para SUS enquanto
estiver em curso a vacinação dos grupos prioritários

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro sancionou com vetos o projeto de lei (PL 534/2021) que autoriza o setor privado, estados e municípios a comprarem vacinas contra a covid-19. O texto da Lei 14.125/21 é de autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que atendeu às reivindicações de uma parcela do setor produtivo.

Segundo a legislação, o setor privado fica obrigado a doar todas as doses compradas para o Sistema Único de Saúde (SUS) enquanto estiver em curso a vacinação dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde. Após a conclusão dessa etapa, as empresas poderão ficar com metade das vacinas que adquirirem, e elas deverão ser aplicadas gratuitamente. A outra metade deverá ser remetida ao SUS.

O presidente da União Nacional das Entidades de Comércio e Serviços e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), acredita que a lei veio em boa hora e contribuirá para a recuperação do ritmo de desenvolvimento e da economia. “Temos demonstrado o nosso total apoio à vacinação da população brasileira contra a Covid-19. A imunização em massa é e urgente e necessária, pois é a única forma segura e eficaz de conter a proliferação do coronavírus e retomar com segurança o crescimento da economia”, ressalta.

Estados e municípios
Pela lei, a compra por estados e municípios fica autorizada para casos em que o governo federal não cumpra o Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19, ou quando a cobertura imunológica prevista pela União não for suficiente. A norma se escora em decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), também na última semana, que considerou constitucional a iniciativa dos entes da federação nessas mesmas hipóteses.

Todas as medidas se aplicam apenas a vacinas com uso autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Indenizações
O projeto também autoriza a União, os estados e os municípios a assumirem a responsabilidade de indenizar os cidadãos por eventuais efeitos colaterais provocados pelas vacinas. Essa é uma exigência feita por algumas empresas fabricantes, como a Pfizer e a Janssen, cujas vacinas ainda não chegaram ao Brasil. Para cobrir esses riscos, a administração pública poderá constituir garantias ou contratar seguro privado.

Com informações das agências Brasil, Senado e Câmara.

Compartilhe:
Relacionadas
Fatos e Dados

Universidade Ancar Ivanhoe abre inscrições para cursos gratuitos voltados para varejo

A UAI conta com uma experiência 100% digital de fácil acesso, além de conteúdos interativos desenvolvidos por especialistas do ramo. Compartilhe:
Fatos e Dados

Serviços estão 5,4% acima do nível pré-pandemia, mostra IBGE

A queda de 0,2% no volume de serviços prestados no País em fevereiro ante janeiro fez o setor de serviços funcionar em patamar 5,4% superior ao de fevereiro de 2020, antes do agravamento da crise sanitária no País. Em janeiro, os serviços estavam 5,6% acima do pré-covid. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Compartilhe:
Fatos e Dados

Três a cada cinco brasileiros temem o vazamento de dados em compras on-line

De acordo com levantamento realizado pela PSafe, empresa de segurança digital da América Latina, e divulgado no portal da CNN, três a cada cinco brasileiros têm medo de ter os seus dados vazados ao realizarem compras na internet. Das pessoas consultadas (mais de 8.600), 59% apontaram o vazamento de dados como sendo um medo real nessas transações. Além disso, também foi mencionado como alarmante o roubo de dados bancários (52%) – os respondentes podiam escolher mais de uma opção. Na sequência, estão como principais preocupações ter o cartão clonado (48%) e o não recebimento de produtos (48%). Apenas 4,5% relataram não ter nenhum tipo de receio. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.