Movimento Varejo

Expectativa positiva para um Natal atípico

São Paulo - O Rei do Armarinho, localizado na rua Cavalheiro Basílio Jafet, se especializa em artigos natalinos no mês do Natal. (Rovena Rosa/Agência Brasil)
O professor da HSM University, Adailton Cordeiro de Azevedo: “Não se trata de um Natal normal, mas um Natal atípico. E isso não quer dizer que será ruim

A maior data do varejo chega em condições atípicas para os comerciantes. Ainda assim, as vendas do Natal 2020 devem ter uma alta de 3,4% em comparação com o de 2019, informou hoje (15) a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Ela aponta as vendas online como o principal impulso para chegar a esse resultado.

A CNC espera que as vendas pela internet no período de Natal tenham um aumento de 64% em relação ao ano passado, acompanhando a tendência de crescimento vista ao longo de 2020. 

A previsão vem em uma tendência que se mostrou forte desde o Dia das Crianças, passando pela Black Friday. Para o professor da HSM University, Adailton Cordeiro de Azevedo, existe motivo para otimismo inclusive para a criação de novas vagas de emprego. Para ele, é hora do comerciante aproveitar, mas para isso ele terá que se atentar para a comodidade, disponibilidade e segurança dos clientes. Confira a conversa que a Varejo S.A com o especilista!

Qual a característica desse Natal da Pandemia?
Na perspectiva comportamental, o Natal é uma das festas de fim de ano que representa um ritual de passagem, reflete o ano vivido e a expectativa do ano que virá. Então, estamos falando de um Natal em um ano incomum. Isso é importante, pois não se trata de um Natal normal, mas um Natal atípico. E isso não quer dizer que será ruim.

Como o varejista pode vender mais nesse momento tão “atípico”?
Neste momento o varejista deve abusar de duas vantagens sempre apreciadas pelos consumidores: oferecer comodidade e disponibilidade. Facilitar o processo das compras e entrega, por exemplo. Não dá para ficar na mesma proposta de valor e mesmo modelo de negócio.

Que cuidados tomar nas lojas físicas e online?
As lojas físicas devem ser impecáveis nas medidas sanitárias. Primeiro por uma questão de responsabilidade neste período de pandemia, segundo para comunicar segurança ao cliente. Se um cliente chega em uma loja e não tem álcool para fazer higienização na entrada, alguém para conferir a temperatura, o cliente fica com a percepção de que o lojista não tem nenhum comprometimento com a higienização do ambiente e dos produtos. Quanto mais seguro o cliente se sentir o consumo tende a ser maior.

Com relação ao online, os empresários devem comunicar segurança aos clientes. Isso pode ser feito com verificação de segurança e processos simples e objetivos. Essa é uma forma de não gerar desconfiança do cliente. Assim, é fundamental escolher, por exemplo, um marketplace conhecido e confiável.

Que estratégias tomar para atrair o consumidor que está mais isolado?
Com certeza atentar para o online e/ou proporcionar experiências híbridas, compras que migram do físico para o online ou do online para o físico sem interromper o processo. O atendimento online e à distância, por meio do Whatsapp, por exemplo, é fundamental para incentivar as compras inclusive nas lojas físicas. Assim é possível reduzir o tempo de atendimento do cliente na loja física e evitar aglomerações.

Compartilhe:
Relacionadas
Movimento Varejo

Como a locomoção dos brasileiros impacta o varejo?

Confira algumas ideias para incrementar a sua loja e aumentar as vendas, com base nos dados da Pesquisa de Mobilidade Urbana 2022, da CNDL e SPC Brasil. Compartilhe:
Movimento Varejo

Compras públicas já podem ser realizadas de forma 100% digital por aplicativo

Empreendedores de todo o país já têm na palma da mão acesso fácil e eficiente às compras públicas do governo federal. Isso porque o app Compras.gov.br permite que todo o processo de compra na modalidade dispensa de licitação seja realizado de forma 100% digital. Compartilhe:
Movimento Varejo

Abertura de pequenos negócios continua em alta no país

No mesmo período de 2019 e 2020 foram abertos, respectivamente, 762 mil e 843 mil pequenos negócios, respectivamente. Já em 2021, o resultado foi de pouco mais de 1 milhão de novos empreendimentos. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.