Economia e Finanças

Governo federal reabre programa de renegociação de dívidas

Divulgação/PGFN

Os empreendedores terão até o dia 30 de setembro para solicitar a adesão ao programa

Os donos de pequenos negócios ganharam novas regras e novos prazos para renegociar as dívidas com a União. Após solicitação do Sebrae, a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) publicou a portaria 2.381, de 26 de fevereiro de 2021, reabrindo os prazos para ingresso no programa de Retomada Fiscal, que traz de volta vários editais que estiveram abertos até dezembro do ano passado.

A norma permite a negociação de débitos inscritos na dívida ativa da União até 31 de agosto, ou seja, prevê a negociação de débitos futuros. Os empreendedores terão até o dia 30 de setembro para solicitar a adesão ao programa. O presidente do Sebrae, Carlos Melles, explica que a edição da portaria foi requisitada em razão dos fortes impactos que a pandemia do coronavírus vem causando nas empresas de micro e pequeno porte há um ano.

Os prazos para adesão a negociações do Programa de Retomada Fiscal estarão disponíveis novamente a partir de 15 março, no portal Regularize. “Essa medida abrange vários tipos de débitos e é uma excelente oportunidade que as micro e pequenas empresas devem aproveitar para colocar as suas contas em dia e fazer pagamentos e parcelamentos com descontos de multas e juros”, reforça Melles. A nova portaria também cita como objetivo permitir a “retomada da atividade produtiva em razão dos efeitos da pandemia causada pelo coronavírus”, assim como havia sido apontado na criação do programa, em setembro.

O Programa de Retomada Fiscal envolve a concessão de regularidade fiscal, com a expedição de certidão negativa de débitos; a suspensão da apresentação a protesto de Certidões de Dívida Ativa; a autorização para sustação do protesto de Certidão de Dívida Ativa já efetivado e a suspensão de execuções fiscais e dos respectivos pedidos de bloqueio judicial de contas bancárias, entre outras medidas.

Fonte: Sebrae

Compartilhe:
Relacionadas
Economia e Finanças

“Às vezes só rearranjo financeiro resolve, não é necessário investimento”, diz Camila Farani

Considerada uma das maiores investidoras-anjo do país, a empresária recomenda que empreendedores busquem organização financeira e fiquem de olho nas tendências de futuro Compartilhe:
Economia e Finanças

Consumo nos Lares Brasileiros cresceu 1,97% em novembro

Dados da ABRAS apontam que de janeiro a novembro de 2021 o consumo se manteve positivo, acumulando 2,88%. Compartilhe:
Economia e Finanças

IPCA de 10,06% em 2021 abre nova margem no teto de gastos do governo

Inflação oficial é a mais alta em seis anos Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.