Economia e Finanças

Inadimplência cai 1,5% em agosto

Levantamento da CNDL e do SPC Brasil mostra que consumidor negativado deve em média R$ 3.280. Empresas também estão menos endividadas

O total de inadimplentes no Brasil diminuiu em agosto deste ano em comparação ao mesmo período de 2019. De acordo com levantamento da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil, o número de pessoas com contas em atraso teve queda de 1,5%.

A análise mostra que a faixa etária com maior número de devedores é de 30 a 39 anos (24,8%), sendo em sua maioria mulheres (50,5%).

De acordo com o SPC Brasil, em agosto, cada consumidor negativado devia R$ 3.280,50 na soma de todas as dívidas. Verificou-se também que quase quatro em cada dez inadimplentes tinham dívidas de até R$ 500.

Quanto à evolução das dívidas em atraso, houve queda de -4,7% em relação ao mesmo período no ano anterior e, na passagem de julho para agosto, o número de dívidas apresentou uma redução de -1,4% nos débitos.

O presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, destaca que, apesar da queda do número de inadimplentes, alguns setores sofreram um forte crescimento de dívidas, como as relacionadas aos serviços de água e luz, que apresentaram alta de 17%. “Em termos de participação, o setor bancário é o que concentra a maior parte das dívidas, com 52% do total. Já o Comércio aparece com 17% e o de Comunicações com 12%”, aponta Pellizzaro.

Onde se deve mais?
Observando os resultados por região, o Centro-Oeste apresentou a alta mais expressiva no número de inadimplentes na comparação anual, com crescimento de 2,1%. Por outro lado, Nordeste (-2,9%), Norte (-2,8%), Sul (-2,1%) e Sudeste (-1,8%) apresentaram queda no total de consumidores negativados.

Na abertura por região em relação ao número de dívidas, a maior alta também veio da região Centro-Oeste (0,17%). Por outro lado, o Norte (-6,9%), o Sudeste (-5,3%), o Nordeste (-5,17%) e o Sul (-4,8%) mostraram queda no número de dívidas na comparação anual.

Empresas também diminuíram suas dívidas
O número de empresas inadimplentes do Brasil teve queda de -4,8% em agosto de 2020 em relação ao mesmo período em 2019. Na passagem de julho para agosto, o número de empresas devedoras caiu -0,28%.

A queda do indicador anual se concentrou na diminuição de empresas devedoras do setor de Comércio (-9,74%) e Indústria (-5,96%).

A abertura por setor mostra que o número de devedores com participação mais expressiva em agosto foi o de Comércio (42,72%), seguido de Serviços (42,67%).

Em agosto, cada empresa negativada devia, em média, R$ 5.520. Considerando todas essas dívidas, cada empresa inadimplente devia, em média, para 1,77 empresas credoras. Os dados ainda mostram que quatro em cada dez empresas tinham dívidas de valor de até R$ 1.000.

O número de dívidas em atraso caiu -10% em relação a agosto de 2019. Na passagem de julho para agosto, o número de dívidas apresentou queda de -0,83%.

Compartilhe:
Relacionadas
Economia e Finanças

BC projeta crescimento de 1,7% do PIB para 2022

O Banco Central (BC) projetou, para 2022, alta de 1,7% do Produto Interno bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. A previsão anterior, divulgada em março, era de um crescimento de 1%. A revisão foi apresentada hoje (23) pelo diretor de Política Econômica do BC, Diogo Abry Guillen, em coletiva de imprensa que contou com a participação do presidente do BC, Roberto Campos Neto. Compartilhe:
Economia e Finanças

Turismo brasileiro cresce 47,7% em abril

Os feriados de Sexta-feira Santa, Tiradentes e os desfiles de carnaval contribuíram para o crescimento, considerado significativo, em abril deste ano e que a variação do mês demonstra sólida recuperação do turismo no Brasil. Compartilhe:
Economia e Finanças

CNDL divulga Panorama do Comércio de junho

As vendas no comércio varejista no mês de abril deste ano cresceram em 4,5% comparadas ao mesmo mês do ano passado. Com relação a março de 2022, o aumento foi de 0,9%. As vendas no varejo ampliado também cresceram em 1,5% e 0,7% comparadas, respectivamente, a abril do ano passado e março deste ano. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.