Opinião

Mercado B2B e B2C: diferenças na jornada

Foto: Pixabay

Por Eduardo Oliveira, CEO da F1 Commerce

O mercado B2B compreende um público específico, segmentado e seleto. As principais diferenças entre os dois modelos de negócio estão nas vendas efetuadas. De uma forma geral, B2B significa Business to Business, ou seja, são as empresas que vendem produtos ou prestam serviços para outras empresas, pessoas jurídicas.

São operações que demandam maior tempo, são criteriosas. Já o B2C quer dizer Business to Consumer, como o próprio nome já diz: são empresas que vendem produtos ou prestam serviços para o consumidor final. Na prática, na comercialização entre empresas, cada produto que sai representa um alto ticket médio e uma grande diferença no lucro da empresa. Ao mesmo tempo, o lucro vem de boas vendas individuais e não da quantidade de operações no mês, que costuma ser consideravelmente melhor ao B2C. A pergunta é: como potencializar ainda mais esse mercado e tornar a jornada do cliente uma experiência decisiva na hora de fidelizar os clientes, sejam eles indústria, atacadista, distribuidor, importador ou mesmo varejista.

A resposta para essa questão é uma só: tecnologia. Isso porque os pilares que formam essa palavra mágica são capazes de transformar qualquer e-commerce em um canal robusto, flexível e versátil, podendo atender qualquer operação independente do porte ou segmento, com recursos especializados para cada modelo de negócio. Por qual razão isso é tão importante? Ora, a complexidade da venda B2B exige que o canal atenda a mais desafios do que na venda para o consumidor final. São operações que demandam maior tempo e, claro, são muito mais criteriosas que no B2C. Além disso, são comercializados volumes grandes a cada compra. Neste modelo existe uma maior preocupação com qualidade, prazo de entrega e garantias.

O que isso envolve diretamente? Bom, primeiro é preciso uma tecnologia que gerencie de maneira simplificada as diversas variáveis envolvidas no processo de venda entre empresas. Depois, uma plataforma que tenha expertise em calcular as complexas tributações em vendas B2B, gerenciar diversos centros de distribuição e logística – uma das principais dores do formato -, e eliminar ou minimizar a perda de vendas, a dificuldade para atingir metas e, claro, a diminuição da receita. Entre os entraves na rotina B2B estão a falta de integração entre os diversos sistemas de gestão da empresa, a dificuldade em ampliar alcance das vendas e prospectar novos clientes e o conflito de canais.

Além disso, a simples tarefa de cadastrar produtos é capaz de ocupar um tempo precioso, que deveria estar sendo usado para as estratégias dos negócios.

Fonte: Jornal do Comércio

Relacionadas
Opinião

Lições da NRF devem ser aprendidas e compartilhadas

O cenário traçado na NRF prevê de mudanças climáticas a questões políticas e geopolíticas que podem interferir na dinâmica dos negócios.
Opinião

Tecnologia: a protagonista no compliance do varejo

Atualmente, a tecnologia é a melhor amiga do compliance. Aliadas, elas conseguem evitar desde fraudes pequenas até golpes gigantescos.
Opinião

Tecnologia, novas gerações e o futuro (próximo) do Varejo

A NRF 2023 mostrou cada vez mais como a tecnologia influencia o comportamento das novas gerações de consumidores – e o varejo precisará rapidamente se adaptar para essa realidade, pois o alerta se faz cada vez mais urgente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.