24 maio, 2024
0 ° C

Mercado plus size: potência que vai muito além das roupas

Saiba como o segmento pode ser uma boa área de investimento, com clientes fiéis e levando resultados que vão muito além das roupas e do valor do produto.

Saiba como o segmento pode ser uma boa área de investimento, com clientes fiéis e levando resultados que vão muito além das roupas e do valor do produto

A modelo e consultora de moda Débora Fernandes quer aproximar varejistas das consumidoras plus size
Foto: divulgação

O mercado plus size tem ganhado mais espaço e visibilidade no Brasil, com clientes que se tornam cada vez mais fiéis e exigentes em relação ao produto consumido, pois querem acompanhar as novas tendências do mundo da moda, tradicionalmente, mais focado em corpos mais magros.

Nos últimos 10 anos, o mercado plus size brasileiro cresceu 75,4%, segundo o relatório setorial do ano passado da ABPS (Associação Brasil Plus Size). No último triênio, o segmento teve um crescimento de 21% e, só em 2022, movimentou R$ 9,6 bilhões. A previsão da instituição é de que o segmento aumente cerca de 10% nos próximos anos.

Para a modelo plus size, consultora de moda e influenciadora Débora Fernandes, as lojas especializadas em moda para corpos maiores cresceram muito nos últimos anos, e hoje, é mais fácil fazer uma compra assertiva dentro dessas lojas. Entretanto, quando se trata das grandes varejistas, ainda aderem de maneira muito lenta, diante do tamanho do público existente e do seu desejo e capacidade de consumo. “Antes, era algo muito básico que a gente encontrava em poucas lojas. Hoje, algumas já produzem coleções cápsulas mais interessantes”, comenta a Débora Fernandes.

A influenciadora diz que o segmento representa uma grande oportunidade de negócio para pequenos e médios empreendedores e varejistas. “Eu conheço vários lojistas de varejo que iniciaram em tamanhos convencionais e quando começaram a atender o público plus size, cresceram significativamente, porque realmente essa consumidora não tem acesso e quando ela tem, vira uma cliente fiel”, destaca a especialista.

Guia de Varejo Plus Size
Vendo a dificuldade que suas seguidoras tinham em achar lojas segmentadas para elas, a influenciadora resolveu criar o Guia de Varejo Plus Size, que será lançado ainda este mês. No guia, pretende conectar os lojistas de varejo especializados com o público final. “Por mais que a gente veja um crescimento no mercado plus size ao longo dos anos, ainda há poucas opções de lojas. Por exemplo, quando a gente entra num shopping, das 300 lojas que tem lá, há uma única voltada para o plus size”, conta a consultora de moda.

https://www.instagram.com/reel/CpK6GawvhfW/?utm_source=ig_web_copy_link

De acordo com a Vigitel (Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde) – dado retirado do relatório da ABPS –, no Brasil, mais de 120 milhões de pessoas são gordas, ou seja 57,25% da população adulta. Estão com sobrepeso ou obesidade quase 13% das crianças e 7% dos adolescentes. Já a OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que, atualmente, mais de um bilhão de pessoas no mundo são obesas, sendo que 650 milhões são adultos; 340 milhões, adolescentes; e 39 milhões, crianças. A estimativa é que, até 2025, aproximadamente 700 milhões de pessoas terão necessidade de manequins acima de 50.

“A demanda é muito grande perto da oferta, por mais que o mercado tenha crescido e o número de fabricantes tenha aumentado. Parece que esse produto não chega com facilidade à consumidora final. Então, o meu trabalho com o guia é fazer essa ponte entre os lojistas e as consumidoras”, explica Débora Fernandes.

O guia vai funcionar de maneira muito simples: estará disponível nos destaques do seu perfil no Instagram (@deborafernandesplus) e também em formato de PDF no site dela. O lojista interessado em fazer parte do guia virtual deve entrar em contato com a influencer através do Instagram. Basta enviar uma mensagem privada demonstrando o interesse, e a equipe dela passará todas as informações necessárias. Vale ressaltar que o guia não se restringe somente às lojas físicas, as on-line também podem participar.

Além disso, outras ações serão realizadas, como a divulgação das marcas no perfil da influenciadora – hoje, com mais de 172 mil seguidores – e a participação de lives. “Lojistas de todo o Brasil podem e devem participar (do guia). Com isso, mulheres de todos os estados poderão consumir e se sentirem vistas”, ressalta a consultora de moda.

Como se aventurar neste mercado?
Os lojistas que hoje não possuem nenhum tipo de variedade para as consumidoras plus size, podem começar a introduzir de maneira gradual, colocando uma ou duas araras com tamanhos mais diversificados e também tendo um atendimento mais empático com as consumidoras gordas.

Débora Fernandes alerta que atuar com moda plus size é muito mais do que vender roupa e acessórios. Na verdade, cria mais janelas para essas mulheres, proporcionando identificação, oportunidade para que elas se vejam e sejam vistas e construam a própria jornada de crescimento. “O lojista que investe em moda plus size está dando acesso (ao mercado de consumo) a uma mulher que nunca teve a oportunidade de fazer compras como qualquer outra consumidora. Oferece dignidade”, afirma.

Confira 5 dicas da Débora Fernandes para quem quer começar a empreender no segmento:

  1. Estude o seu público e entenda suas dores e demandas;
  2. Invista em fornecedores que produzam peças de qualidade e que estejam alinhadas com as tendências do momento;
  3. A loja deve possuir um espaço amplo e arejado, para que a cliente se sinta confortável. A regra também vale para os provadores;
  4. Ajude a sua consumidora e tenha sempre um expositor bem-produzido com looks inteligentes. Faça com que ela se enxergue naquela peça;
  5. Escute, auxilie e torne a sua loja um lugar acolhedor para esse público.

Dica extra:
Ao escutar e estudar o seu público, você pode investir em setores que ainda são pouco explorados e acabar se tornando uma referência.

Setores para ficar de olho:
Moda íntima; Moda festa; Moda praia; e Moda fitness.

 

Edição: Fernanda Peregrino