Sem Categoria

Modernizar e formular diretrizes de apoio ao setor

Deputado federal Efraim Filho fala sobre os trabalhos da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviço e Empreendedorismo (CSE) no Congresso Nacional

Por Renata Dias

mai_entrevistaEfraim

Comprometido com as demandas do setor de comércio e serviços, o deputado federal Efraim Filho (DEM-PB) é presidente da Frente Parlamentar Mista do Comércio, Serviços e Empreendedorismo (CSE) e reforça sua atuação no sentido de aumentar sua representatividade e levar mais segurança jurídica para ações do setor. Criado em 2015, o grupo já analisou quase 11 mil proposições legislativas e monitora mais de 500 propostas que podem impactar diretamente o setor varejista. São temas que envolvem regulação, questões tributárias e trabalhistas, além de incentivos ao empreendedorismo.

Confira a seguir, entrevista exclusiva com o deputado.

A derrubada do veto presidencial ao Refis das micro e pequenas empresas foi considerada a primeira vitória do ano para o setor. O resultado foi fruto de uma forte mobilização de entidades e da atuação da frente parlamentar CSE. Como o senhor avalia os impactos dessa medida que permite um respiro e uma reorganização para essas empresas diante do fisco?

Dado o momento crítico do país nos últimos anos, a queda do veto presidencial é de suma importância. Não se trata de premiar a inadimplência, mas compreender que é preciso manter ativas essas empresas e resgatar a geração de oportunidades. Muitas micro e pequenas empresas contraíram dívidas tributárias, e a maioria não conseguiu regularizar ainda seus débitos. Elas precisam do acesso ao crédito em bancos e aos processos de compras governamentais, entre outras necessidades. Não tenho dúvidas que este segmento desempenha um papel crucial na economia brasileira. Elas representam mais de 90% do universo empresarial brasileiro, parcela significativa do Produto Interno Bruto (PIB) e empregam mais da metade da população economicamente ativa.

A alta carga tributária no país é um dos principais desafios para empresários e lojistas. De que forma os trabalhos no Congresso Nacional podem ajudar a aliviar essa pressão?

Em primeiro lugar creio que seja necessária uma reforma. Há cerca de duas décadas, o setor privado em geral vem se debatendo por uma tributação justa. O atual modelo necessita de uma reforma para consertar distorções.

Defendido como um instrumento para melhorar a oferta de crédito no país, o PLC 441/2017 altera a Lei do Cadastro Positivo (Lei 12.414/11), garantindo a privacidade do consumidor e o seu sigilo bancário. A principal mudança é que todos os brasileiros poderão ter as suas informações sobre histórico de pagamentos disponíveis no Cadastro Positivo. Como avalia essa matéria?

Em tese, o Cadastro Positivo deverá possibilitar aos bons pagadores obter taxas de juros menores e prazos maiores em empréstimos e financiamentos. Pela experiência internacional, o cadastro positivo é uma ferramenta que ou aumentou o acesso ao crédito ou, então, reduziu a taxa de juros. Atualmente cerca de seis milhões de pessoas optaram por entrar no sistema. Segundo levantamentos, 40% deles aumentaram sua nota de crédito após aderir ao modelo e tiveram mais vantagens em financiar suas compras. Houve ainda uma queda da inadimplência o que é positivo para o setor. Na proposta discutida na Câmara dos Deputados um dos pontos garantidos é a proteção de dados dos consumidores.

Quais são as ações ou temas prioritários dos trabalhos da frente parlamentar CSE neste primeiro semestre do ano? Quais serão nossas principais batalhas?

A frente está atuando no sentido de modernizar e formular diretrizes que apoiem o setor. Como exemplo podemos citar a simplificação da carga tributária, a regulação dos meios de pagamento, o estimulo à desburocratização e ao empreendedorismo. Com ações direcionadas, a frente parlamentar poderá, por meio de propostas legislativas, levar mais segurança jurídica em diversas ações do setor.

O setor de comércios e serviços no Brasil é um dos principais geradores de emprego e renda. Como o senhor vê o papel deste setor na retomada do crescimento econômico?

O setor de comércio e serviços pode ser alternativa para contornar o desemprego que atinge duramente a população brasileira. O setor representa atualmente, por exemplo, cerca de 60% do PIB nacional e é o maior gerador de empregos formais do país. Seu crescimento é visto como uma promessa para o desenvolvimento do país.

“Há cerca de duas décadas, o setor privado em geral vem se debatendo por uma tributação justa. O atual modelo necessita de uma reforma para consertar distorções.”

Compartilhe:
Relacionadas
Sem Categoria

Hoje é o Dia Internacional da Proteção de Dados

*Cristiane Manzueto e Rodrigo Leal Embora privacidade e proteção de dados estejam, atualmente, no centro das atenções por conta do avanço das… Compartilhe:
Sem Categoria

Hauly e José César discutem a Reforma Tributária

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) promoverá, nesta quarta-feira (2), às 16h, uma conversa entre o consultor tributário e economista, Luiz… Compartilhe:
Sem Categoria

Inova Varejo realiza live sobre fidelização de clientes

Projeto recebe Guilherme Vasconcelos, CEO da Cliente Fiel, startup que cria aplicativos de delivery com foco em fidelização de clientes Com o… Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.