Opinião

Monóculo para ver de perto e sentir mais forte

[sc name=”legenda-foto-nome” nome=”Bráulio Bessa” texto=”Empreendedor Cultural”]
[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2016/10/2-coluna-braulio.jpg” ]

Nada me comove mais em Central do Brasil do que a sua cena final. Antes de prosseguir e dizer por que essa cena me comove tanto, talvez seja necessário explicar que Central do Brasil é um premiado filme brasileiro, dirigido por Walter Salles, em 1998. Hoje, quase 15 anos depois, esse filme ainda me emociona.

Ao ganhar o Urso de Ouro no Festival de Berlim, Walter Salles disse, numa entrevista, que “Central do Brasil era um filme à procura de um País”. Muito desse País que o filme procura está no Nordeste; se é que não podemos dizer que Central é um filme à procura do Nordeste. O Nordeste distante dos sulistas, singelo, escondido, simples, belo.

[blockquote author=”” link=”” target=”_blank”]O que os olhos veem bem mais perto, o coração sente bem mais forte[/blockquote]

Central do Brasil e suas muitas cenas nordestinas dariam pano para muitos outros artigos; talvez eu venha a fazer isso. Nesse artigo, porém, quero deter-me exclusivamente na sua cena final, quando Dora, sem Josué do lado e partindo de volta ao Rio de Janeiro dentro de um ônibus, retira da bolsa um monóculo.

Ao escrever, também dentro do ônibus, uma carta para Josué, Dora, referindo-se à foto guardada no monóculo, diz: “no dia em que você quiser lembrar de mim, dá uma olhada no retratinho que a gente tirou junto. Digo isso porque tenho medo que, um dia, você também me esqueça”.

Fico pensando na razão que levou os humanos a inventarem a fotografia. Talvez seja porque, no fundo, todo humano tem medo de ser esquecido. Da mesma forma que, no Nordeste, para ser lembrado, não basta que se esteja guardado dentro do coração. É preciso também que se esteja guardado dentro de um monóculo.

Para ver no monóculo, deve-se colocá-lo bem pertinho do olho. E quanto mais perto, melhor. Porque “o que os olhos não veem, o coração não sente”, mas o que os olhos veem bem mais perto, o coração sente bem mais forte.

Relacionadas
Opinião

A importância de canais efetivos de atendimento

Para aproximar os consumidores de sua loja, é preciso encontrar estratégias que estabeleçam um vínculo com o comprador e o levem a “voltar sempre”, da mesma maneira que costumam fazer no comércio tradicional. Uma delas é ter um Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC).
Opinião

Como o Banking as a Service pode impulsionar ainda mais o varejo?

Empresas de diferentes setores estão acoplando e oferecendo serviços financeiros a seus clientes. Não é um movimento recente, mas está se consolidando em diversos segmentos – a começar pelo varejo.
Opinião

Emissão de nota fiscal pelo Portal do Simples: facilitação ou amarração?

O que parece ser uma facilidade, pode se transformar em problema, pois o procedimento a ser adotado, a partir de janeiro próximo, será mais uma forma de cruzamento de dados, juntamente com a e-Financeira, obrigação acessória dos bancos que fornecem dados da movimentação financeira total dos correntistas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.