Sem Categoria

O consumo no ambiente virtual

[sc name=”legenda-foto-nome” nome=”Sandro Santos Alves” texto=”Consultor do Varejo”]
[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2016/12/4-artigo-sandro.jpg” ]

Com a globalização e uma internet cada vez mais acessível a todos, as distâncias se tornam cada vez mais próximas. O consumo no ambiente virtual já não é mais tabu. A cada geração, a confiança e o conhecimento aproximam, cada vez mais, o consumidor, em qualquer lugar do mundo, do produto desejado, do sonho de consumo e das soluções que facilitam seu dia a dia. Uma empresa, que há pouco tempo vendia apenas para a sua vizinhança ou cidade, hoje tem acesso a consumidores em qualquer lugar do Brasil ou do mundo, a qualquer hora, 24 horas por dia, sete dias por semana.

Uma barreira a ser vencida e desmistificada, certamente, é a forma de pagamento, pois, com tantas fraudes, “rackers” e possibilidades de erros é necessário gerar um mínimo de confiança para que o consumidor assuma o risco, em troca da comodidade de uma compra sem sair de casa, no intervalo do trabalho ou durante o lazer.

O Pagamento Digital tem esta proposta.

O varejista tem como desafio escolher uma plataforma de pagamento digital que garanta ao consumidor esta segurança e, ao mesmo tempo, em contrapartida, lhe garanta o recebimento do produto vendido.

A maneira de comunicar isto é o segredo do sucesso na conquista desta confiança. Não basta simplesmente criar um site com um bom conteúdo e de comércio eletrônico e disponibilizá-lo na rede. É necessário dar ao consumidor a sensação de que ele terá seus anseios de consumo inteiramente satisfeitos e com total segurança. Deve-se montar a loja de comércio eletrônico, um site criativo e realizar uma campanha de divulgação com uma boa estratégia de marketing, para tornar-se conhecido e visualizado e ter um excelente serviço de pagamento.

Para garantir e dar credibilidade nas transações, a empresa pode contratar um desenvolvedor, um serviço de gateway de pagamentos ou uma plataforma de soluções de pagamento via web, que é a mais recomendada para pequenas e médias empresas.

Velocidade na entrega, embalagens e transportadoras que mantenham o produto em sua forma original de fabricação e prontas para o uso, assistência técnica eficiente, suporte técnico rápido e objetivo, garantias de trocas e devoluções sem burocracias, transparência nos preços e formas de pagamento, são, sem sombra de dúvidas, o que o consumidor virtual deseja.

Empresas de comércio eletrônico devem se preparar para ter uma solução eficiente para todos estes pontos, ilustrando o que estou falando gostaria de abordar alguns deles:

VELOCIDADE E GARANTIA DE ENTREGA: É importante que a empresa garanta ao cliente a devolução do valor pago em caso de extravio do produto comprado, não apenas o pagamento de um valor segurado, podendo oferecer em contato verbal, um outro produto ou crédito para uma compra futura, mas com a condição do pleno acordo do consumidor, cumprindo os prazos de entrega acordados.

Em caso de atraso na entrega, isto deve ser acompanhado de perto pela empresa, dando ao cliente todo o “feedback” necessário até a entrega do produto. Se isto não for suficiente deve estar preparada a receber o produto de volta sem prejuízos ao consumidor.

FORMAS DE PAGAMENTO: Boleto bancário, transferência bancária, cartão de crédito e até mesmo por meio de aparelhos celulares, smartphones e tablets, que, além de aceitarem os mesmos tipos de pagamentos digitais dos computadores, funcionam como uma carteira virtual digital (e-wallet), são as formas de pagamentos mais utilizadas no mundo virtual.

Com o avanço da tecnologia, as transações digitais são mais confiáveis e seguras do que as físicas, envolvendo dinheiro plástico (cartões de crédito) ou cheques. É mais fácil e rápido corrigir uma falha ou fraude ocorrida em um sistema digital (sites, softwares) do que nos aparelhos físicos (máquinas de cartão). Comparando com a tarja ou “ship” magnético de cartão, qualquer dessas transações e tecnologias são muito mais seguras, pois essas plataformas funcionam com informações e dados criptografados, que são praticamente à prova de fraudes.

Para utilizar uma ferramenta de pagamento e recebimento no seu site, é necessário realizar a integração da plataforma de pagamentos ao seu sistema de comércio eletrônico, realizado pela empresa que desenvolveu o site da empresa. As taxas cobradas pelas prestadoras desse serviço costumam ser uma porcentagem sobre as transações totais realizadas de acordo com o valor, volume e a forma de pagamento utilizada pelo cliente ou conforme seu desejo de liquidez.

A tendência é que essa tecnologia desenvolvida para pagamentos na internet migrem para os pagamentos no mundo físico. Não existem dúvidas quanto ao meio pelo qual isso ocorrerá, pois à medida que os celulares, smartphones e tablets se tornam mais eficientes, com maior capacidade de memória e velocidade de processamento e com menor custo, será natural a expansão dessa tecnologia e o dinheiro plástico (cartões de crédito) será substituído pelas carteiras virtuais (e-wallet).

Há no mercado de transações financeiras uma tendência de que os celulares, smartphones e tablet’s substituam os cartões de crédito, para pagamentos em lojas e estabelecimentos. A tecnologia conhecida como NFC (Near Field Communication), que já é utilizada atualmente nos cartões de transportes públicos, já está sendo incluída na fabricação de alguns modelos de celulares, smartphones e tablet´s e permitirão pagamentos de transações pelos consumidores.

Muito bem. Se você está preparado, mãos à obra e bons negócios

Relacionadas
Sem Categoria

Teste de postagem site Varejo S.A

A grande maioria dos consumidores (78%) pretende pagar o presente à vista, principalmente no PIX (29%), dinheiro (25%), no cartão de débito…
Sem Categoria

Hoje é o Dia Internacional da Proteção de Dados

*Cristiane Manzueto e Rodrigo Leal Embora privacidade e proteção de dados estejam, atualmente, no centro das atenções por conta do avanço das…
Sem Categoria

Hauly e José César discutem a Reforma Tributária

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) promoverá, nesta quarta-feira (2), às 16h, uma conversa entre o consultor tributário e economista, Luiz…