Sem Categoria

O futuro do trabalho em seis tendências

O impacto das mudanças geracionais e da transformação digital na sociedade, nos negócios e no relacionamento entre as pessoas é fortemente sentido há muito tempo. A grande influência do big data na tomada de decisões, a digitalização de organizações inteiras e a crescente demanda por modelos mais flexíveis de trabalho são realidades cotidianas e uma questão decisiva de sobrevivência para os negócios. Concordamos que, mesmo com a mecanização e a robotização adotadas há décadas pela indústria, o elemento humano continua a ser extremamente relevante na tomada de decisões estratégicas, no relacionamento, na liderança e na motivação das equipes. Os negócios são feitos por e para as pessoas e, por essa razão, elas e suas competências individuais continuam a ser imprescindíveis nesse cenário.

O impacto das novas tecnologias vem sendo sentido pelas empresas também na mobilidade de seus times. Mais profissionais, especialmente os mais jovens, estão usando smartphones e aplicativos para trabalhar em diferentes locais, distantes muitas vezes do escritório.

Que o mundo do trabalho jamais esteve tão interconectado, já não se tem mais dúvidas. Bilhões de pessoas hoje estão conectadas à internet, dispositivos móveis e tecnologias da comunicação, que mudaram a forma como nos relacionamos. Nas empresas, o impacto dessa conectividade vem se refletindo nos modelos de negócios, comportamentos, habilidades e velocidade com que as mudanças acontecem no mundo corporativo. Algumas das tendências para o trabalho do futuro, porém, já são observáveis em muitas indústrias – e apontam o caminho que os negócios estão seguindo.

Negócios disruptivos – Já não tão novos, é impossível não os considerar verdadeiros catalizadores dessa nova cultura. Os negócios disruptivos não somente desafiaram o status quo, como também recriaram uma mentalidade social. Nesse cenário, start-ups e empresas inovadoras vêm ganhando vantagens por serem mais ágeis, menos processuais e mais alinhadas com as expectativas dos profissionais das novas gerações. Elas conseguem atrair jovens talentos ao oferecer chances de crescer junto e oportunidades de fazer parte de projetos promissores e desafiadores.

Robotização – Os robôs fazem parte do cotidiano do trabalho de muitas empresas, especialmente no setor industrial. Muitos profissionais que atuam nas plantas precisam estar familiarizados com termos como big data, realidade virtual e internet das coisas, o que vem causando impacto nas competências demandadas dos candidatos. Profissionais de tecnologia vêm integrando equipes antes compostas apenas por engenheiros e engenheiros precisam complementar seus conhecimentos de tecnologia da informação.

Multidisciplinaridade – As equipes multidisciplinares já são uma realidade e as competências analíticas e habilidades comportamentais são mais demandadas. Ter um olhar para os profissionais mais focado em suas competências e habilidades permite uma alocação deles de forma mais produtiva e assertiva em cada projeto, demanda ou desafio dentro das organizações. Essa atuação exige mais flexibilidade quanto a cargos e hierarquia, pois os profissionais são alocados conforme sua contribuição, não conforme a posição que ocupam. Nesse sentido, as start-ups têm uma atratividade enorme, principalmente para os jovens. Além da liberdade de criar, elas têm um perfil corporativo diferente, estruturas pouco definidas e menos burocracia, o que atrai pessoas com vontade de realizar e ver o resultado do seu trabalho.

Operação digital – A inteligência artificial vai realizar a maioria das atividades, como cálculos complexos e resolução de problemas cotidianos. Os elementos mais importantes no trabalho do futuro serão a maneira de se relacionar, as competências comportamentais e a inteligência coletiva. A forma de operar do futuro é digital – engenheiros precisam conhecer o potencial da engenharia com as novas tecnologias, médicos devem ir além da medicina e entender o impacto da robótica. Todas as profissões estão hoje identificando novos modelos emergentes.

Fluidez – Os trabalhadores móveis, que passam cada vez menos tempo em suas mesas e transitam entre reuniões, viagens, home office e visitas ao cliente, compõem hoje parcela significativa da mão de obra global. A conectividade vai permitir cada vez mais que tenhamos melhor qualidade de vida, evitando picos de trânsito ou optando por horários mais flexíveis e adequados para o nosso estilo de vida e trabalho. Isso atende a duas demandas: dos trabalhadores, que buscam mais equilíbrio, e das empresas, que se tornam mais eficientes e assertivas.

Flexibilidade – O trabalho do futuro compreende a diversidade das empresas e dos estilos de vida dos profissionais. O contrato fixo de tempo integral dá cada vez mais espaço aos modelos mais flexíveis de terceirização, outsourcing, serviços temporários e consultorias. As empresas se tornam mais eficientes e diminuem o tempo de resposta às demandas dos mercados, deixando suas equipes permanentes a cargo de atividades estratégicas. Os profissionais ganham em qualidade de vida e motivação, com modelos de trabalho mais atuais e condizentes com suas expectativas. Espera-se que ao menos 20% de suas equipes sejam compostas por temporários ou terceirizados em 2022. É mandatória uma revolução da eficiência do trabalho nas próximas décadas. Há um mundo de informações úteis a ser utilizadas para melhorar a vida das pessoas. Essas mudanças abrem oportunidades para que atividades de alta tecnologia, que não demandam alto impacto humano, sejam feitas a distância. Tudo isso porque a ideia de se fazer mais com menos tem um limite. Em equipes com profissionais já sobrecarregados, o objetivo é trabalhar de forma mais simples e ganhar agilidade. A terceirização, os serviços compartilhados e o trabalho temporário são algumas das soluções para tirar a carga operacional e dar mais responsabilidade estratégica à equipe permanente.

* Fabiana Mendes é empresária, conselheira de empresas, palestrante internacional, escritora e sócia diretora da GS&Friedman. Administradora de empresas e publicitária pela PUC-MG, possui MBA Internacional em Marketing pela PUC-MG e MBA Executivo em Gestão de Negócios pela FGV, é coach, master practitioner e acumula mais 20 anos de experiência nas áreas de gestão de pessoas, operações, marketing e negócios de varejo.

Compartilhe:
Relacionadas
Sem Categoria

Hoje é o Dia Internacional da Proteção de Dados

*Cristiane Manzueto e Rodrigo Leal Embora privacidade e proteção de dados estejam, atualmente, no centro das atenções por conta do avanço das… Compartilhe:
Sem Categoria

Hauly e José César discutem a Reforma Tributária

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) promoverá, nesta quarta-feira (2), às 16h, uma conversa entre o consultor tributário e economista, Luiz… Compartilhe:
Sem Categoria

Inova Varejo realiza live sobre fidelização de clientes

Projeto recebe Guilherme Vasconcelos, CEO da Cliente Fiel, startup que cria aplicativos de delivery com foco em fidelização de clientes Com o… Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.