Opinião

O poder de uma crise

Vivemos uma crise. Esse não é mais um ponto de discussão entre as mais diversas áreas. A pergunta não é mais se haverá recessão e sim qual o tamanho do rombo e quanto tempo ele vai durar. Então vamos lidar com a realidade: as empresas estão em dificuldade, com desafios diários para se manter e as pessoas estão com sua liberdade restrita. Bom, já que não podemos mudar a realidade o que podemos fazer é buscar para as nossas empresas as oportunidades que a crise nos apresenta.

Tendemos a pensar que corporações agem sempre de modo racional, mas não é bem assim. Na verdade, elas são guiadas por hábitos organizacionais, rotinas e decisões independentes de milhares de empregados. As rotinas trazem regras que permitem aos funcionários realizarem suas tarefas sem ter que pedir permissão a cada passo, reduzem as incertezas e criam tréguas entre indivíduos conflitantes.

Crises são grandes oportunidades para reformular hábitos organizacionais. Isso porque durante esses hábitos tornam-se adaptáveis o suficiente para distribuir novas responsabilidades e criar um equilíbrio de poder mais imparcial. Bons líderes aproveitam esses momentos para reformular suas organizações e rever seus processos. Os hábitos certos oferecem a promessa de que se você seguir os padrões não perderá tanto tempo com discussões que desviam o foco principal, que é o produto a ser entregue e a experiência do cliente.

Na live organizada pela CNDL, que teve a participação do economista Ricardo Amorim e do especialista Marcos Gouvêa sobre perspectivas para o comércio e serviços, muito se falou sobre conveniência como uma das mudanças permanentes no varejo. Difícil imaginar conveniência e experiência do cliente em processos de atendimento e de delivery com problemas de logística.

É uma situação que não gostaríamos de passar, mas já que não se pode mudar o cenário, o melhor caminho é aproveitar a vantagem que esse momento traz e olhar para dentro do negócio, elaborar novas rotinas para conseguir o melhor produto antes que o estoque chegue ao fim, garantir um processo que garanta a contratação dos melhores profissionais, uma rotina para conseguir enviar um produto para ser entregue em sete dias e não em três semanas, ou um processo de revisão tributária para redução nos impostos devidos.

Em uma área tão desafiadora quanto é a do varejo, uma empresa que não adota os processos corretos pode ficar atolado em burocracia e, uma vez que isso aconteça, a criatividade, os bons produtos e o serviços deixam de ter importância.

Merula Borges

Coordenadora financeira da CNDL

Compartilhe:
Relacionadas
Opinião

Análise de dados automatizada: repensando estratégias do varejo

Na configuração tradicional, os varejistas eram os principais pontos de contato com os consumidores. Agora, o consumidor está no meio, e marcas, fornecedores de logística, varejistas, plataformas digitais e outros se conectam diretamente entre si e com o consumidor, em uma rede que oferece visibilidade e inteligência para prever, preparar e gerenciar adversidades. Compartilhe:
Opinião

Pequenos negócios fazem o Brasil gigante

Do universo total de empresas em funcionamento no mercado interno, 99% delas são vinculadas ao segmento das micro e pequenas empresas. Perto de 30% de toda a riqueza gerada no Brasil é resultado da atividade desse segmento. Das 2,7 milhões de vagas aberta no ano passado, 80% foram oportunidades criadas entre os pequenos negócios. Compartilhe:
Opinião

Geração de leads: cinco dicas rumo ao sucesso

Sinônimos de rede de contatos qualificados, conversões a compras, ampliação de relacionamentos e divulgação orgânica, os leads são fundamentais em uma estratégia de marketing digital que gere bons resultados. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.