Movimento Varejo

Os direitos dos fornecedores

Movimento Varejo

Os direitos dos fornecedores

O Código de Defesa do Consumidor visa equilibrar as diferenças entre as partes em uma relação de consumo. Muito se fala nos direitos dos consumidores, mas e os fornecedores? Quais são os  direitos desse grupo? Um dos principais é com relação aos atrasos nos pagamentos. A lei os protege e os fornecedores podem cobrar multa pela inadimplência em compras parceladas ou em concessões de crédito. Além disso, podem incluir o inadimplente nos órgãos de restrição ao crédito desde que as informações sejam objetivas, claras e verdadeiras. Produtos em promoção, recebidos como presentes e que não serviram ou não agradaram, por exemplo, não tem sua troca obrigada por lei. Em caso de falhas nos produtos ou nos serviços, os fornecedores têm o direito de providenciar o reparo em 30 dias e, somente se não conseguirem cumprir este prazo, o consumidor poderá exigir a troca, a devolução ou o abatimento no preço da compra. Outro ponto  é o prazo de devolução de sete dias, que só pode ser requerido se a compra ocorreu fora do estabelecimento comercial (geralmente pela internet). Além disso, o limite de 30 dias para trocas, comumente oferecido pelas lojas do setor vestuário, é mera prática comercial dos estabelecimentos, visto que, na lei, as  trocas ou devoluções somente são obrigatórias se verificadas falhas ou irregularidades nos produtos ou serviços.

Relacionadas
Movimento Varejo

WhatsApp no meio empresarial: o poder da mensagem para engajar o cliente

A pandemia acelerou o processo de digitalização das empresas e causou mudanças visíveis no relacionamento entre cliente e marca. Alguns exemplos são o aumento das compras online, o fortalecimento do atendimento omnichannel e a busca pela melhora contínua da experiência do cliente por meio de ferramentas digitais. Nesse contexto, o WhatsApp, aplicativo de mensagens mais usado no Brasil, ganhou destaque.
Movimento Varejo

Transformação digital já é real para mais da metade das PMEs

Segundo estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), pelo portal Terra, dentre as micro e pequenas empresas (MPEs) do país, a transformação digital já está presente em 66% das organizações, conforme o Mapa de Digitalização das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, da FGV, em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Ressalta-se, ainda, que as PMEs são responsáveis por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e por 50% dos postos de trabalho criados no Brasil.
Movimento Varejo

Burocracia na hora de consumir é empecilho para 8 em cada 10 brasileiros

Os brasileiros ainda sofrem com um entrave bem antiquado na hora de comprar bens e serviços: a complexidade para provar quem são. Soluções para agilizar o atendimento ao cliente e finalizar uma compra como biometria, que usa a identificação da digital, ou o reconhecimento facial – também chamada de biometria facial, ainda são pouco utilizadas por empresas de varejo e serviços.