24 maio, 2024
0 ° C

Salário mínimo de R$ 1.320 garantirá aumento real de 2,8%

Com o aumento de R$ 18, o adicional em relação ao valor do salário mínimo do ano passado chegará a R$ 108, representando um reajuste total de 8,91%.

Real Moeda brasileira

O presidente Lula (PT) anunciou nesta quinta-feira (16) que o salário mínimo vai subir dos atuais R$ 1.302 para R$ 1.320 a partir de 1º de maio, Dia do Trabalhador.

Em janeiro, o piso aumentou de R$ 1.212 para R$ 1.302, o que representou um reajuste de 7,4% e um aumento real (descontado a inflação) de 1,4%, considerando o INPC, que foi de 5,93% em 2022.

Com o aumento de R$ 18, o adicional em relação ao valor do salário mínimo do ano passado chegará a R$ 108, representando um reajuste total de 8,91%. Com o novo valor de R$ 1.320, o aumento real será de 2,8%, disse ao UOL o economista André Perfeito.

“Está combinado com o ministro Haddad [Fernando Haddad, Fazenda] que a gente vai, em maio, reajustar para R$ 1.320 e estabelecer nova regra para o salário mínimo, que a gente já tinha no meu primeiro mandato. O salário terá lei da reposição inflacionária e crescimento do PIB”, disse o presidente Lula, em entrevista à CNN Brasil.

Como o aumento do valor do salário mínimo é calculado?
O valor de R$ 1.302 foi definido pelo ex-presidente Jair Bolsonaro em dezembro. O reajuste considerava apenas a inflação projetada pelo governo, que ficou menor que o previsto na elaboração da proposta de Orçamento para 2023.

Pela Constituição Federal, o governo é obrigado a reajustar o valor do salário mínimo para cobrir pelo menos a inflação acumulada do ano anterior.

A referência utilizada na correção do salário mínimo é o do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), indicador de inflação do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que tradicionalmente é usado em reajustes salariais.

O aumento real do salário mínimo, acima do valor da inflação, não é obrigatório pela Constituição, mas foi uma das principais promessas do presidente Lula na campanha das eleições 2022.

Fonte: UOL Economia