Tendências e Inovação

Um giro pela NRF 2022: ESG, logística e metaverso

*Fred Alecrim

A NRF Retail’s Big Show oferece um exercício coletivo único de pensamento e projeção do futuro. As tendências que já delineiam a realidade nos colocam questões fundamentais: a entrega mais rápida possível, a prática do ESG em toda e qualquer empresa e a adoção do metaverso , entre outras.

O metaverso foi, de longe, o tema que mais atraiu o público na NRF 2022. Apesar de os varejistas já terem até mesmo cunhado um novo termo para incorporar a novidade – trata-se do meta-commerce -, a verdade é que há mais dúvidas do que respostas sobre o assunto.

O que eu posso fazer em um ambiente virtual que pode se conectar com a minha loja ou com o meu site? Posso comprar uma roupa para o meu avatar e receber a mesma roupa na minha casa? Posso comprar uma roupa na loja e receber a mesma roupa para o meu avatar? Como integrar tudo o que está acontecendo em videogames, plataformas e redes sociais com o que vínhamos antes – digitalização do negócio e experiência de loja?

Há apenas uma certeza: agora, além das compras físicas e virtuais, temos um novo pilar, as compras via metaverso. E será preciso construir uma estrutura para que esta aconteça. “Todo mundo vai ter um avatar, assim como hoje todo mundo tem um e-mail. Isso é fato”, disse Caio Camargo, diretor comercial da Linx (parte do Grupo Stone), que também participou da NRF neste ano.

Outro tema que ganhou a cena foi o ESG. Pautas sobre meio ambiente, diversidade e inclusão sempre estiveram presentes no evento, com discussões sobre capitalismo consciente e sistema B. Nessa edição, o foco caiu nas três letrinhas. “ESG não pode ser press release”, disse Karin Díli, VP de Parcerias da Recurate. Não é apenas dizer que está fazendo. Existe uma distância muito grande entre falar sobre ESG e praticar ESG.

Ainda dentro do assunto, a pressão do consumidor por mudanças entrou nos debates. Nos Estados Unidos, uma frase recorrente é “eu voto com o meu dólar”. Isso significa que o poder da compra pode ser um ato político, um ato ativista. E isso a Geração Z faz com muita convicção, deixando claro que a marca precisa se encaixar com os seus valores.

A discussão sobre como reter talento também permeou diversos fóruns da NRF. Talvez a pergunta mais inquietante seja: como administrar um profissional que já nasce, não mais no digital, e sim no virtual? Uma pessoa que já chegará avatarizada? Mais uma vez, não há respostas, porque ainda estamos elaborando as perguntas.

Em relação à tecnologia, a maior demanda dos varejistas é por ferramentas que ajudem as empresas a realizar as entregas com mais eficiência e agilidade, especialmente em tempos de pandemia. Também procuram soluções para garantir a escalabilidade: se a minha companhia crescer muito rápido, os sistemas irão dar conta da demanda?

Em relação ao cenário econômico americano, os lojistas presentes na NRF 2022 demonstraram otimismo. No ano passado, o saldo foi positivo, e espera-se que este traga resultados ainda melhores. Na opinião do CEO do Walmart dos EUA, John Furner, e do CEO da Target, Brian Cornell, os três grandes desafios do setor são: uma grande pressão inflacionária, escassez de suprimentos e carência de profissionais.

Uma das grandes esperanças do mercado é um projeto do presidente Joe Biden que deve investir trilhões de dólares em infraestrutura, melhorando as questões logísticas e gerando milhares de empregos. Uma possível solução para o The Great Resigment, quando até 3,5% da força de trabalho pediu demissão durante a pandemia? Só o tempo dirá.

*Fred Alecrim é CHRO e cofundador da Credere, fintech especializada em soluções de financiamento de veículos. É também cofundador da Hairsize, mentor no projeto Scale up, da Endeavor e autor do livro Pare de vender assim.

Fonte: Época Negócios

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

Os segredos para ser um líder de sucesso

Para entender as habilidades que um líder precisa para realizar uma boa gestão, a Revista Varejo S.A. conversou com Caio Cunha. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Três aplicações eficientes e modernas que podem melhorar a competitividade do varejo

A tecnologia é capaz de tornar o modelo de varejo mais competitivo e lucrativo, além de garantir que os negócios se atualizem e não sejam excluídos do mercado por falta de inovação. Não à toa, sua aplicação em torno da automação de processos em busca de mais eficiência foi batizada como Quarta Revolução Industrial. E, após tantos avanços, ainda há o que ela pode contribuir para melhorar a competitividade das empresas que compõem o ecossistema do consumo e, também, o setor como um todo. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Brasileiros querem comprar mais do comércio local

Levantamento da Plataforma Gente, da Globo, aponta que 71% dos consumidores brasileiros pretendem comprar mais de negócios locais porque querem que eles permaneçam abertos. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.