Economia e Finanças

Vendas no Varejo crescem 21% em maio, de acordo com o ICVA

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Resultado ainda abaixo do patamar de 2019 apesar da aceleração verificada por dois meses seguidos

As vendas no Varejo no mês de maio aumentaram 21%, descontada a inflação, em comparação com o mesmo mês de 2020. Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) registrou alta de 36,7%.

Efeitos de calendário beneficiaram o resultado de maio deste ano, que contou com um dia útil a mais que em igual período do ano passado. Dessa forma, sem tais efeitos, o índice do mês registrou alta de 20,1%, descontada a inflação. Em termos nominais, com os ajustes de calendário, o faturamento aumentou 35,6%.

De acordo com Pedro Lippi, Head de Inteligência da Cielo, é o segundo mês seguido de aceleração das vendas no Varejo. “Assim como observado em abril, a forte alta das vendas no mês de maio está relacionada com a fraca atividade comercial verificada no mesmo mês do ano passado, quando boa parte do comércio estava de portas fechadas por conta da pandemia da covid-19. Em termos nominais, os resultados de maio deste ano mostram que estamos próximos do patamar registrado antes da pandemia, embora ainda cerca de 3% abaixo do observado em maio de 2019”, afirma.

Inflação
O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado em abril pelo IBGE, apontou alta de 8,06% no acumulado dos últimos 12 meses, com aceleração de 0,83% em maio. Habitação e Transportes foram os fatores que mais contribuíram para a alta do índice. Ao ponderar o IPCA pelos setores e pesos do ICVA, a inflação no varejo amplia-do foi de 12,9%, acelerando em relação ao índice registrado no mês anterior.

Setores
Descontada a inflação e com o ajuste de calendário, os macrossetores de Bens Não Duráveis e Serviços aceleraram enquanto Duráveis e Semiduráveis desacelerou.

No macrossetor de Bens Não Duráveis, os segmentos que mais contribuíram para a aceleração foi Livrarias, Papelarias e Afins e Postos de Combustível.

No macrossetor de Serviços, os destaques foram Bares e Restaurantes e Turismo e Transporte.

Já no macrossetor de Bens Duráveis e Semiduráveis, Ótica e joalherias e Móveis, Eletro e Lojas de Departamento estão entre os que mais desaceleraram.

Regiões
De acordo com o ICVA deflacionado e com ajuste de calendário, todas as regiões do país apresentaram aceleração nas vendas na passagem mensal. A região Nordeste registrou crescimento de 30,3%, seguida de Norte (+27,1%), Sudeste (+21,4%), Centro-Oeste (+16,3%) e Sul (+9,2%).

Pelo ICVA nominal – que não considera o desconto da inflação – e com ajuste calendário, a região Nordeste registrou crescimento de 47,3%. Na sequência aparecem: Norte (+45,9%), Sudeste (+35,7%), Centro-Oeste (+32,1%) e Sul (+24,2%).

Fonte: Cielo

Compartilhe:
Relacionadas
Economia e Finanças

Presidente Bolsonaro afirma que governo não interferirá em preços

Governo discute futuro da Petrobras e não descarta privatização. Compartilhe:
Economia e Finanças

Auxílio Brasil: ministro diz que governo usará R$ 30 bi fora do teto

Em participação virtual num evento de entidade da construção civil, ele confirmou parte do pagamento do benefício fora da regra fiscal e disse que o movimento não seria necessário se o Senado tivesse aprovado a reforma do Imposto de Renda. Compartilhe:
Economia e Finanças

Economia Criativa é o segmento com mais dificuldades para a retomada

12ª Pesquisa da Impacto da Pandemia nos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae e FGV, aponta quase todas as atividades estão se recuperando Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.