Tendências e Inovação

O que é preciso saber antes de montar um clube de assinaturas pela internet

Imagem: Shutterstock

Por Luan Gabellini*

A pandemia de covid-19 trouxe profundas transformações para os negócios, sejam eles físicos ou digitais. Novos modelos surgiram para garantir que as medidas de isolamento social não impactassem ainda mais a rentabilidade das empresas, sobretudo as do varejo. Nesse sentido, a melhor alternativa que surge em meio ao avanço do novo coronavírus e à digitalização forçada dos canais de venda e de relacionamento é a criação de clubes de assinatura. Esse conceito tem como principal vantagem o modelo de receitas recorrentes, garantindo mais segurança à empresa e mais comodidade ao consumidor (que recebe seus itens preferidos na periodicidade escolhida e no conforto de sua casa).

Hoje, já são mais de 4 mil clubes on-line no Brasil – e o número tende a crescer ainda mais em 2021. Mas, antes de aderir a essa onda e aproveitar suas vantagens, é preciso tomar uma série de cuidados. Confira as principais dicas:

1 – Reforço em tecnologia
Vender em clube de assinatura tem particularidades distintas em relação a uma transação tradicional em uma loja virtual. É preciso encontrar uma solução robusta que dê conta de gerar e despachar os pedidos no prazo e nas condições que o consumidor escolheu. Portanto, o primeiro passo é buscar parceiros de tecnologia capazes de automatizar e trazer mais eficiência a esse processo com recursos próprios para esse modelo de negócio. Assim a loja consegue otimizar mais pedidos e melhorar a experiência de seu usuário ao reduzir qualquer risco na operação.

2 – Controle financeiro
Buscar boas soluções tecnológicas também ajuda a resolver um segundo ponto que merece atenção na hora de montar um clube de assinatura: a gestão financeira. Sim, há uma vantagem grande em ter receita recorrente em vez de vendas individuais em um cenário de incerteza econômica provocado pela pandemia de covid-19. Entretanto, há questões burocráticas e operacionais que precisam ser respeitadas. É necessário, por exemplo, emitir as notas fiscais a cada envio do produto ao cliente e controlar essas cobranças recorrentes, debitando o valor no dia certo para evitar ruídos na comunicação.

3 – Perfis de compra diferenciados
Os clubes de assinatura evoluíram a tal ponto que as empresas criam planos e perfis de compra diferenciados. Um consumidor que assina um serviço de entrega de vinhos, por exemplo, pode optar por receber apenas produtos de maior valor por uma quantia a mais. Ou então clubes de livros que adotam entregas de obras inéditas ou clássicos já publicados – tudo de acordo com o gosto do cliente. Portanto, essa estratégia precisa estar alinhada e planejada para enviar sempre os produtos corretos para cada um de seus assinantes.

4 – Análise do segmento
Além da parte tecnológica e da análise do perfil dos consumidores, é importante que o empreendedor faça uma investigação criteriosa sobre o segmento em que atua. Os produtos e serviços que disponibiliza ao consumidor têm apelo para recompra periódica? Há interesse das pessoas em receberem essas encomendas a partir de um único pedido? As respostas a dessas perguntas irão nortear todas as etapas de consolidação do negócio. Afinal, há segmentos com maior apelo para compras recorrentes, como alimentos, bebidas e farmácias, e outros que conseguem engajar pela experiência, como livros e cosméticos. Talvez a saída seja incluir novos produtos no portfólio para atender a esse nicho.

5 – Curadoria e informações
Por fim, o empreendedor que imaginar que o relacionamento com o consumidor termina na entrega do produto está muito enganado. Na verdade, é justamente o contrário. Os clubes de assinatura se notabilizam por manterem continuamente um contato próximo de seus usuários, possibilitando que essa interação traga mais dados que possam aperfeiçoar o serviço como um todo. Para isso, é preciso ir além do pedido e entregar valor em cada encomenda, seja com brindes e itens exclusivos ou com a oferta de infoprodutos como revistas, livros, entre outros que complementam o produto adquirido.

*Luan Gabellini é sócio-diretor da Betalabs, empresa especializada em tecnologia para e-commerce e clubes de assinatura.

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

5 tecnologias para aumentar o customer centric e o data-driven

A personalização em escala pode otimizar a experiência do cliente. Saiba quais são os fatores de sucesso. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Feira do Empreendedor 2021: tendência dos negócios no pós-pandemia

Evento realizado pelo Sebrae oferece aos empreendedores de todo país cinco dias de qualificação, reciclagem e oportunidades de negócios de modo 100% online e gratuito. Compartilhe:
Tendências e Inovação

A revolução do self-checkout

O Diretor Comercial da Arius Sistemas, Rodnei Machado, explica que as soluções de autoatendimento, como o self-checkout, proporcionam mais autonomia e comodidade aos clientes Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.