Ricardo Amorim: “Economia pode crescer em 2021”

Nesta quarta-feira (18), a Nexxera realizou o primeiro dia do Nexxperience 2020, encontro que reúne grandes nomes do mercado de finanças e da cadeia de suprimentos para debater sobre inovação, transformação digital, macroeconomia e estratégias de retomada à competitividade para os envolvidos em processos industriais e mercantis.

O economista Ricardo Amorim, responsável pela abertura do evento com a palestra “Como transformar cenários, tendências e mudanças econômicas em resultados para você e sua empresa”, falou sobre a perspectivas para as empresas para o próximo ano e como a economia, apesar da crise, teve números significativos de crescimento.

Um dos principais motivos para essa retomada foram os estímulos concedidos pelo governo, como os programas de auxílio emergencial, que injetou bilhões na economia e fez com esse dinheiro entrasse diretamente para os comércios por conta do consumo imediato. De acordo com Amorim, os nove meses do programa de auxílio emergencial, se não houvesse a pandemia, seriam suficientes para garantir renda básica para os brasileiros por pelo menos 10 anos.

Por outro lado, o otimismo se reflete nos números. Segundo o economista, a economia poderia perder forças quando reduzida a injeção de capital feita pelo governo, mas “aparentemente isso não aconteceu”. De acordo com os primeiros indicadores do mês de outubro, o ritmo de crescimento da economia se manteve estável, fator que, segundo Amorim, é positivo para o Brasil.
Ricardo ressaltou que vê com olhos otimistas a possibilidade de crescimento da economia brasileira no próximo ano. Para ele, apenas um impedimento fiscal – hoje baixo – poderia segurar essa retomada do crescimento causado. Para ele, o país trouxe soluções que prometem mitigar essa possibilidade, como as privatizações, a reforma administrativa ou até mesmo um eventual aumento de impostos, evitando uma quebra na economia brasileira.

O economista falou também que, por conta da pandemia, as empresas aceleraram diversas transformações com a adoção de novas tecnologias que já eram disponíveis e não eram regulamentadas, nem implantadas pelo setor privado. Para ele, isto foi muito importante para as empresas, mostrando que algumas soluções já fazem parte do dia a dia delas, como o home-office.

Outro ponto relevante, segundo Amorim, é a importância dos ecossistemas que, ao longo do ano, foram liderados por grandes empresas. O economista falou também a aceleração da transformação digital, que vai mudar todo o processo de comunicação das empresas daqui para frente. Para ele, esse fator criará oportunidades para que o setor privado trabalhe mais fortemente com embaixadores e influenciadores, dando uma voz mais forte para sua imagem.

O evento continua nesta quinta-feira (19) e é 100% online e gratuito. A inscrição pode ser feita no site do evento.

Relacionadas
Economia e Finanças

Intenção de consumo registra 3º alta seguida

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), cresceu 0,8% em… COMPARTILHAR:FacebookTwitterWhatsAppLinkedIn
Economia e Finanças

5 dicas para driblar os obstáculos de acesso a crédito

Sebrae destaca cinco dicas para os donos de pequenos negócios que buscam empréstimos nas instituições financeiras Desde o início da pandemia, estudos… COMPARTILHAR:FacebookTwitterWhatsAppLinkedIn
Economia e Finanças

Guedes: se houver 2ª onda, governo pagará auxílio emergencial

O ministro da Economia, Paulo Guedes, ressaltou hoje (12) que se houver uma segunda onda de contaminações pelo novo coronavírus no Brasil, o governo voltará a conceder… COMPARTILHAR:FacebookTwitterWhatsAppLinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.