Fatos e Dados

CNDL participa de bate-papo sobre relações institucionais e governamentais

O evento foi realizado pelo Sebrae Nacional e teve como convidado especial Jack Corrêa, especialista em RIG

Jack Corrêa lança livro com 44 casos
de RIG que marcaram sua história
Foto: arquivo pessoal

O superintendente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Marco Antônio Corradi, participou nesta sexta-feira (3), do evento “Um espaço de bate-papo para inspirar profissionais de Relações Institucionais e Governamentais (RIG)”, promovido pelo Sebrae Nacional na última sexta-feira (3). Jack Corrêa, especialista em RIG, foi o convidado especial do bate-papo e fez uma retrospectiva do desenvolvimento do setor no Brasil, destacando as transformações legais, ao longo dos anos, que impactaram a forma de fazer advocacy e os desafios atuais da profissão.

“O trabalho de relações institucionais e governamentais tem três pilares: o primeiro é o conhecimento, e falo no sentido mais amplo possível: sobre a empresa, o setor, o governo e todas as normas que regulam o nosso business. O segundo pilar é o relacionamento, que é algo que não se constrói com um dia ou um mês ou um ano, é preciso uma vida. A emoção de reencontrar as pessoas é a coisa mais importante para o RIG. E o terceiro pilar é o discernimento, que é saber a hora de dar a largada na ação. Esta é a nossa especialidade e aqui reside a sabedoria do nosso trabalho”, ensinou Jack Corrêa.

Marco Antônio Corradi parabenizou o Sebrae pela iniciativa e agradeceu a Jack Corrêa por compartilhar suas histórias e experiência em uma área tão importante.

“A aula foi maravilhosa. Jack é nosso conterrâneo (mineiro) e tem uma prosa muito boa. Acompanho há alguns anos o seu trabalho e o seu talento”, comentou o superintendente.

Formado em Direito, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e em Relações Públicas, pelo Centro Universitário de Brasília (CEUB), com MBA em Business Administration, pela Columbia University (NY, USA), tem vasta experiência em relações institucionais e governamentais: mais de 45 anos de experiência, dos quais 13 anos na Fiat do Brasil e 19 anos na Coca-Cola. Atualmente, é presidente da JC Consultoria, com sede em Brasília (DF).

RIG em transformação
Segundo o especialista, no final dos anos 80, as doações de campanha eram legais e importantes ferramentas para o trabalho de RIG. Nos anos 90, realização de viagens e eventos fortalecia o relacionamento com os atores importantes. No entanto, o fim das doações de campanha e a adoção das regras de compliance – ou integridade corporativa – mudou totalmente a forma de fazer relações institucionais e governamentais no Brasil, dos anos 90 para cá.

“Em 88, demos de cara com uma nova Constituição, que era maravilhosa e rompia com vários problemas do passado, mas no meio desta euforia, veio a renovação do Congresso, com hábitos novos e discursos novos. Estes novos personagens exigiram um trabalho de muita atenção, uma vez que (à medida que se projetavam) muita gente ia atrás deles”, contou Corrêa.

O celular, a internet e a inteligência artificial (IA) também transformaram a forma de se fazer RIG. Segundo o Jack Corrêa, plataformas online são capazes de saber o “humor” dos parlamentares em relação aos projetos de lei (PLs) em tramitação. Tudo medido e projetado em gráficos e curvas para facilitar a análise dos profissionais de advocacy.

“A gente evoluiu na nossa profissão: hoje temos a inteligência artificial que dá para identificar, inclusive, como cada partido vota. É um negócio espetacular, mas perigoso e que exige muita seriedade”, explicou Jack Corrêa.

Para Corrêa, o futuro do RIG está no cruzamento do interesse legítimo e as políticas públicas.

“O ESG (Environmental, Social and Corporate Governance) é um excelente caminho para criarmos ações de sintonia entre o meio ambiente, as nossas aspirações de trabalho social e observando a governança que é cobrada agora. É um trabalho que dá para fazer relações pessoais e gerar política pública”, afirmou Jack.

Apesar de as novas tecnologias terem ganhado força e facilitarem as nossas tarefas, como a videochamada e os aplicativos de mensagens de texto e voz, Jack Corrêa ainda alertou que o relacionamento humano presencial é insubstituível. Disse que dribla o distanciamento realizando pequenos encontros sem aglomeração, como convidar uma pessoa para um café. Outra saída foi a localização do escritório: próximo ao aeroporto, e com isso fica mais fácil encontrar ou ir ao encontro de pessoas-chave.

Lobby Stories
Durante o bate-papo, Jack Corrêa falou sobre o pré-lançamento de seu último livro, intitulado Lobby Stories, que acaba de sair da gráfica. São 44 casos emblemáticos que marcaram a história profissional de Jack Corrêa. Quem quiser adquirir o livro na pré-venda, basta solicitar pelo email lobbystories@gmail.com.

Compartilhe:
Relacionadas
Fatos e Dados

Universidade Ancar Ivanhoe abre inscrições para cursos gratuitos voltados para varejo

A UAI conta com uma experiência 100% digital de fácil acesso, além de conteúdos interativos desenvolvidos por especialistas do ramo. Compartilhe:
Fatos e Dados

Serviços estão 5,4% acima do nível pré-pandemia, mostra IBGE

A queda de 0,2% no volume de serviços prestados no País em fevereiro ante janeiro fez o setor de serviços funcionar em patamar 5,4% superior ao de fevereiro de 2020, antes do agravamento da crise sanitária no País. Em janeiro, os serviços estavam 5,6% acima do pré-covid. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Compartilhe:
Fatos e Dados

Três a cada cinco brasileiros temem o vazamento de dados em compras on-line

De acordo com levantamento realizado pela PSafe, empresa de segurança digital da América Latina, e divulgado no portal da CNN, três a cada cinco brasileiros têm medo de ter os seus dados vazados ao realizarem compras na internet. Das pessoas consultadas (mais de 8.600), 59% apontaram o vazamento de dados como sendo um medo real nessas transações. Além disso, também foi mencionado como alarmante o roubo de dados bancários (52%) – os respondentes podiam escolher mais de uma opção. Na sequência, estão como principais preocupações ter o cartão clonado (48%) e o não recebimento de produtos (48%). Apenas 4,5% relataram não ter nenhum tipo de receio. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.