Tendências e Inovação

OrçaFascio: uma lição de como transformar as dificuldades em solução

Existem três pontos em comum entre as start-ups mais bem-sucedidas, de acordo alguns empreendedores: elas são algo que os fundadores querem, que podem construir e têm características inovadoras. Foi dessa maneira que surgiu a OrçaFascio, uma start-up do Amapá que desenvolveu um software de orçamento de obras que hoje conta com mais de 60 mil usuários, com a previsão de chegar ao Canadá ainda este ano.

Pode parecer estranho, mas expressões como start-up e pitch ainda não faziam parte do vocabulário quando o idealizador da empresa, Antônio Fascio, concebeu a ideia. “Eu não sabia o que significava o termo ‘start-up’, mas entendia sobre orçamento de obras, pois cuidava da parte de tecnologia da construtora da minha família. Por ter adquirido essa experiência, eu entendi que o processo que existia lá e em outras construtoras poderia ser muito melhor e escalável”, conta.

Com a ideia de inovar o mercado, Fascio trocou a estabilidade que o negócio familiar lhe proporcionava para arriscar na criação de um software para orçamento de obras. Foi então que, em 2010, com um investimento inicial de apenas R$ 80,00 por mês para manter o site hospedado no servidor, o empresário uniu-se ao seu amigo e atual sócio, Fábio Santos, para criar algo totalmente novo no mercado: a OrçaFascio.

Hoje, com um crescimento médio de 150% por ano, Fascio conta que muitos altos e baixos aconteceram durante toda a trajetória da empresa. “Nossa primeira versão não deu lucro justamente por não entendermos nosso modelo de negócio. Em 2014, um amigo inscreveu-nos para participar da Campus Party, um dos maiores eventos de tecnologia e inovação. Para nossa surpresa, fomos escolhidos para integrar o evento”, conta o empresário.

A partir daí, Fascio e Santos remodelaram a empresa e começaram a cobrar pelo serviço oferecido pela a OrçaFascio, com planos que hoje vão de R$ 899 a R$ 2.397. “Antes, nosso serviço era gratuito e era mais do que óbvio que a forma como estávamos atuando não nos daria ou demoraria muito mais para ser lucrativo”, diz Fascio.

Hoje, a carteira de clientes da empresa conta com clientes como Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Banco Central, Ministério da Saúde, Receita Federal, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), entre outros. “Após participarmos do evento, nós entendemos o propósito da OrçaFascio. Nunca imaginei que iríamos nos tornar um negócio lucrativo. Para ter uma ideia, a banda larga só chegou ao Amapá em 2014; imagina o quanto penamos antes disso”, relembra.

Expansão à vista

Segundo o site TechCrunch, um dos principais sites americanos de tecnologia, o Brasil vem sendo reconhecido internacionalmente pelas suas start-ups de tecnologia, destacando ainda que o ecossistema brasileiro é o maior da América Latina.

Segundo Fascio, essa afirmação vai de acordo com o número de ligações que recebe de outros países. “Já estamos nos Estados Unidos, Portugal e Angola e, até o fim do ano, estaremos com um escritório no Canadá. O que mais nos surpreende é que, a cada mês, recebemos ligações de diferentes países”, comemora.

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

Os segredos para ser um líder de sucesso

Para entender as habilidades que um líder precisa para realizar uma boa gestão, a Revista Varejo S.A. conversou com Caio Cunha. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Três aplicações eficientes e modernas que podem melhorar a competitividade do varejo

A tecnologia é capaz de tornar o modelo de varejo mais competitivo e lucrativo, além de garantir que os negócios se atualizem e não sejam excluídos do mercado por falta de inovação. Não à toa, sua aplicação em torno da automação de processos em busca de mais eficiência foi batizada como Quarta Revolução Industrial. E, após tantos avanços, ainda há o que ela pode contribuir para melhorar a competitividade das empresas que compõem o ecossistema do consumo e, também, o setor como um todo. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Brasileiros querem comprar mais do comércio local

Levantamento da Plataforma Gente, da Globo, aponta que 71% dos consumidores brasileiros pretendem comprar mais de negócios locais porque querem que eles permaneçam abertos. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.