Tendências e Inovação

Cashback: como funcionam os sites que devolvem dinheiro

No ano em que a pandemia de coronavírus levou as compras online a ganharem ainda mais adeptos, também vem aumentando a busca pelo termo cashback por brasileiros no Google. O termo em inglês, que significa dinheiro de volta, funciona como uma espécie de desconto mas, em vez de você pagar um valor já reduzido, paga o preço cheio e depois recebe um percentual de volta.

Em geral, o consumidor se cadastra em um site ou aplicativo de cashback, que tem várias redes de lojas parceiras oferecendo um percentual. Aí, se a compra for feita pelo link do aplicativo ou site de cashback, o consumidor recebe um reembolso de parte do valor da compra. Alguns também oferecem cashback para compras em lojas físicas parceiras.

Embora as regras possam variar para cada empresa, normalmente é preciso acumular uma quantia mínima na conta no aplicativo antes de solicitar a transferência para conta corrente ou poupança.

Méliuz e Ame Digital são duas das mais conhecidas no Brasil. O Magazine Luiza também lançou neste ano seu sistema de devolução próprio, no aplicativo da marca – o dinheiro pode ser usado para pagar contas, fazer transferências ou para novas compras.

A Ame Digital, cujo aplicativo foi lançado em 2018 – e que funciona para compras nas Lojas Americanas, Submarino e outras lojas parceiras – informou que atingiu neste ano mais de 12 milhões de downloads. A Méliuz não se pronunciou por estar em período de silêncio devido à oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

Mas se o cashback é, na prática, uma espécie de desconto, por que o dinheiro vai para depois voltar? É aí que mora o poder desse mecanismo, segundo a consultora de finanças pessoais para mulheres Evelin Bonfim.

“É da natureza humana a gente querer alguma recompensa. E o cashback é cirúrgico nesse ponto, ao te dar uma pequena recompensa para você se sentir gratificado por algo que você fez – e esse algo é uma compra, um consumo. É aí que mora o risco”, diz. “Psicologicamente, isso é muito poderoso”.

É por isso que ela recomenda especial cuidado para quem já tem costume de comprar por impulso, sem uma visão crítica de quanto pode e deve consumir.

“Quando você vê os R$ 5 na sua conta, seu cérebro interpreta como algo positivo, mas já esqueceu que sua fatura do cartão de crédito veio mil reais mais cara”.

Ao mesmo tempo, Bonfim diz que pode ser interessante para quem já planejava, de qualquer forma, comprar o produto em questão – especialmente se a pessoa já tem mais consciência sobre os hábitos de consumo e as próprias finanças.

Mesmo assim, a velha regra de pesquisa de preço continua valendo. Ela diz que o produto pode estar mais barato em outro lugar, ainda que sem o cashback. “Às vezes, você vai ter cashback de 2%, mas encontra em outro lugar com 10% de desconto”.

Do lado da empresa, Bonfim explica que o sistema é vantajoso exatamente pelo estímulo à compra em maior quantidade ou com mais frequência.

“Você compraria um livro, mas lá acaba comprando cinco. E o dinheiro que ela te paga de volta, a empresa economiza no marketing, por exemplo: em vez de fazer um anúncio tradicional, faz parceria com site de cashback. Não podemos ser ingênuos: se tá no cashback é porque vale a pena pro varejista. Ele devolve 3% e você vai comprar 5x a mais do que compraria se não tivesse aquele estímulo”.

Para evitar compra por impulso – ruim para o bolso e para o meio-ambiente -, Bonfim recomenda às clientes dela que mantenham uma lista de compras dos próximos itens que desejam adquirir. Aí, se encontrarem esses produtos com preços mais interessantes, podem aproveitar a oportunidade.

“Você tem que encarar o cashback como um desconto na compra que você está fazendo. E não é por estar com desconto que é boa compra pra você”, diz. Se comprar exatamente o que já estava planejando comprar, está tudo certo.

Publicado originalmente na Da BBC News Brasi

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

Os segredos para ser um líder de sucesso

Para entender as habilidades que um líder precisa para realizar uma boa gestão, a Revista Varejo S.A. conversou com Caio Cunha. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Três aplicações eficientes e modernas que podem melhorar a competitividade do varejo

A tecnologia é capaz de tornar o modelo de varejo mais competitivo e lucrativo, além de garantir que os negócios se atualizem e não sejam excluídos do mercado por falta de inovação. Não à toa, sua aplicação em torno da automação de processos em busca de mais eficiência foi batizada como Quarta Revolução Industrial. E, após tantos avanços, ainda há o que ela pode contribuir para melhorar a competitividade das empresas que compõem o ecossistema do consumo e, também, o setor como um todo. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Brasileiros querem comprar mais do comércio local

Levantamento da Plataforma Gente, da Globo, aponta que 71% dos consumidores brasileiros pretendem comprar mais de negócios locais porque querem que eles permaneçam abertos. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.