Economia e Finanças

Governo acena com mais recursos para Pronampe

No caso do Pronampe, lançado em maio, a União destinou R$ 15,9 bilhões na primeira fase e outros R$ 12 bilhões na segunda fase do financiamento

A Agência Estado noticiou hoje que os senadores receberam aval do ministro da Economia, Paulo Guedes, para uma terceira fase do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), formulado para socorrer pequenos negócios durante a crise da covid-19.

Segundo a Agência, o líder do PL no Senado, Jorginho Mello (SC), garantiu que o programa de financiamento terá mais R$ 10 bilhões neste ano. Apesar disso, congressistas ligados ao setor pedem mais e querem que o programa se torne permanente.

A reportagem informa que o ministério da Economia pretende esgotar os recursos de todas as linhas de crédito lançadas para socorrer empresas durante pandemia de covid-19. Até o momento, de acordo com a pasta, foram liberados R$ 85,86 bilhões para financiar 622 mil empresas.

No caso do Pronampe, lançado em maio, a União destinou R$ 15,9 bilhões na primeira fase e outros R$ 12 bilhões na segunda fase do projeto. O financiamento é condicionado a uma taxa equivalente à Selic, hoje em 2% ao ano, mais 1,25% sobre o valor concedido, com prazo de 36 meses para pagar – na prática, condições mais vantajosas em comparação a outras linhas de financiamento.

Com informações da Agência Estado

Compartilhe:
Relacionadas
Economia e Finanças

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Medida prevê fim da cobrança da PIS/Pasep e Cofins nestes produtos Compartilhe:
Economia e Finanças

“Às vezes só rearranjo financeiro resolve, não é necessário investimento”, diz Camila Farani

Considerada uma das maiores investidoras-anjo do país, a empresária recomenda que empreendedores busquem organização financeira e fiquem de olho nas tendências de futuro Compartilhe:
Economia e Finanças

Consumo nos Lares Brasileiros cresceu 1,97% em novembro

Dados da ABRAS apontam que de janeiro a novembro de 2021 o consumo se manteve positivo, acumulando 2,88%. Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.