Movimento Varejo

Inteligência operacional auxilia empresas em tarefas e regulações

Quando a tecnologia é responsável por tarefas mecânicas, as equipes ficam livres para realizar atividades mais estratégicas

*Augusto Borella

Diversos setores da indústria dependem de processos repetitivos e um conjunto de regras que devem ser respeitadas e seguidas à risca para que a operação flua sem problemas e com riscos devidamente gerenciados. Com a análise de dados em tempo real e aplicação de inteligência operacional, que é a simbiose entre a inteligência humana e artificial, empresas têm obtido resultados impressionantes de aumento na produtividade. Fato é que, quando a tecnologia é responsável por tarefas mecânicas, as equipes ficam livres para realizar atividades mais estratégicas e refletir sobre como solucionar problemas recorrentes.

Com a chegada do LGPD e constantes alterações nas leis e regulações, as empresas despendem de muitos recursos para atualizar os funcionários com treinamentos e aplicação de novas regras. A partir do momento em que o cumprimento de parte delas é garantido por comandos automatizados, acontece uma dupla economia, tanto em horas de treinamento quanto na redução de multas por transgressões e descumprimento de leis. Além das multas que podem chegar a 6 milhões de reais e sanções, a empresa também se livra de outros riscos, como crises de imagem.

A partir de um painel interativo que apresenta dados de maneira visual e simplificada, gestores identificam alertas e tomam decisões de maneira assertiva. Realizam também melhorias constantes nos processos. A Intelie LIVE® é uma plataforma de inteligência operacional entregue aos clientes através do modelo SaaS, que reúne e relaciona dados de milhares de fontes diferentes e apresenta as informações geradas em muitos formatos, desde painéis de controle até alertas inteligentes. Impulsionados pela IA e pela análise de fluxo, algoritmos avançados são fundamentais para identificar comportamentos anômalos e prever possíveis falhas.

Por meio de um grande fluxo de dados e padrões registrados, as máquinas aprendem como realizar procedimentos repetitivos e fazê-los sempre da mesma maneira, sem variações na execução e da forma que os executivos desejam. Adicionalmente, pode-se automatizar a geração de evidências de que os procedimentos foram cumpridos facilitando auditorias e comprovando a conformidade. A coleta de dados feita manualmente depende da plena atenção e empenho dos funcionários e acarreta em muitos erros de operação, tendo em vista que os funcionários precisam de pausas para descanso e alimentação, diferentemente das máquinas. Segurança operacional na prática é obtida com monitoramento efetivo 24h/24h 7/7 pelo empilhamento contínuo de múltiplos sistemas supervisórios, trazendo ciência atualizada e preditiva da degradação de barreiras que evitam os eventos catastróficos.

Após todo o período de ensinamentos e enxurrada de informações passadas para o sistema, ele começa a trabalhar e se empenhar de maneira mais concreta e vai também aprendendo sozinho com mais informações que serão recebidas, podendo fornecer análises ainda mais verossímeis para os engenheiros que, durante o período de coleta de dados poderão ajudar a companhia e destinar todo seu conhecimento e comprometimento para outros projetos, que sejam mais estratégicos e exijam criatividade e gerenciamento de ambiguidade, de fato, a mão-de-obra humana.

A predição também é fundamental para a redução de custos. A Inteligência Operacional busca dados em tempo real com base em tudo que aprendeu e é capaz de detectar quais processos não estão sendo realizados adequadamente ou possuem oportunidades de melhoria ou degradações. Deste modo, a empresa verifica que os sistemas podem parar em breve e consegue evitar a tempo perdido com equipamentos parados, podendo evitar também perdas econômicas significativas, concomitantemente com a segurança operacional.

*Augusto Borella é vice-presidente de Oil & Gas da Intelie, uma empresa ViaSat

Relacionadas
Movimento Varejo

WhatsApp no meio empresarial: o poder da mensagem para engajar o cliente

A pandemia acelerou o processo de digitalização das empresas e causou mudanças visíveis no relacionamento entre cliente e marca. Alguns exemplos são o aumento das compras online, o fortalecimento do atendimento omnichannel e a busca pela melhora contínua da experiência do cliente por meio de ferramentas digitais. Nesse contexto, o WhatsApp, aplicativo de mensagens mais usado no Brasil, ganhou destaque.
Movimento Varejo

Transformação digital já é real para mais da metade das PMEs

Segundo estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), pelo portal Terra, dentre as micro e pequenas empresas (MPEs) do país, a transformação digital já está presente em 66% das organizações, conforme o Mapa de Digitalização das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, da FGV, em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Ressalta-se, ainda, que as PMEs são responsáveis por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e por 50% dos postos de trabalho criados no Brasil.
Movimento Varejo

Burocracia na hora de consumir é empecilho para 8 em cada 10 brasileiros

Os brasileiros ainda sofrem com um entrave bem antiquado na hora de comprar bens e serviços: a complexidade para provar quem são. Soluções para agilizar o atendimento ao cliente e finalizar uma compra como biometria, que usa a identificação da digital, ou o reconhecimento facial – também chamada de biometria facial, ainda são pouco utilizadas por empresas de varejo e serviços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.