Movimento Varejo

Unitah revitaliza 13 terminais e cria novos espaços para o varejo de SP

A Varejo S.A conversou com Luiz Fernando Bueno, presidente da Unitah Empreendimentos, para explicar o modelo e as vantagens do projeto

Luiz Fernando Bueno, presidente da Unitah Empreendimentos: “Um projeto inovador.”

A Unitah Empreendimentos e Participações é uma empresa constituída em consórcio pela RZK Empreendimentos, RWG e PPX, que é responsável por explorar comercialmente as áreas de 13 terminais de ônibus integrados a estações das linhas azul e vermelha do metrô de São Paulo pelo prazo de 30 anos.

A empresa pretende transformar os novos espaços, onde circulam diariamente mais de 1 milhão de pessoas, em locais de destino para compras e facilidades ao público. O projeto oferece 1.410 espaços disponíveis para locação, totalizando mais de 14.000 m², que representam uma grande oportunidade de investimento para franqueadores e franqueados.

Mais do que um mero empreendimento em área pública, o projeto pretende ser uma inovação na utilização comercial do espaço. Ele se espelha em modelos vistos em outras metrópoles do mundo, em que os empreendimentos ligados ao transporte público passaram a ser uma opção de lazer e acesso a produtos e serviços para toda a sociedade.

A Varejo S.A conversou com Luiz Fernando Bueno, presidente da Unitah Empreendimentos, para explicar melhor o modelo e as vantagens desse empreendimento. Confira!

Qual a dimensão desse espaço para a cidade de São Paulo?
Trata-se de um projeto de revitalização de 13 terminais de ônibus integrados às estações de Metrô em São Paulo. A ideia é criar um centro comercial, com serviços e facilidades nos terminais proporcionando uma experiência inovadora não apenas para os habituais usuários de transporte público, mas para todos os cidadãos da cidade, que poderão usufruir de uma oferta diversificada de serviços e produtos.

O projeto vai padronizar os pontos comerciais criando áreas de convivência, com layout diferenciado e infraestrutura moderna, totalizando mais de 13.500 m² e 1.250 espaços disponíveis para locação. A oferta do mix de lojas foi dividida em foodservice, varejo e serviços. A proposta é que haja os mais variados tipos de estabelecimentos, podendo incluir serviços de costura, estúdios de tatuagem, minimercados, salão de cabeleireiros, entre outros.

Sete dos 13 terminais são edificáveis. Isso significa que esses espaços (mais de 200 mil metros quadrados) poderão abrigar novos empreendimentos como: shoppings, academias, hospitais, escritórios, apartamentos residenciais e outros serviços.

Projeção de como ficará as praças de alimentação dos terminais de ônibus integrados das estações das linhas azul e vermelha do metrô de São Paulo

A Covid afetou bastante o varejo. O projeto vai levar em consideração alguma lição deixada pela pandemia?
A Pandemia do COVID-19 acelerou algumas tendências, como a valorização de espaços próximos do consumidor. Com a necessidade do isolamento social, todo tipo de comércio situado perto da casa do consumidor, do seu local de trabalho ou em pontos de deslocamento, como os terminais, ganhou uma importância ainda maior na vida das pessoas.

O projeto da Unitah Empreendimentos quer oferecer tudo o que o consumidor precisa. Dessa forma, irá devolver para a população um dos bens mais preciosos da vida que é o tempo, uma vez que as pessoas não vão precisar mais desviar do seu caminho diário pois agora vão ter à disposição espaços seguros ao lado do metrô, com acesso à internet e ampla oferta de estabelecimentos comerciais.

Existe algum estudo sobre o potencial de faturamento dos lojistas?
Para os lojistas, o potencial de faturamento é elevado, tendo em vista que os 13 terminais de ônibus já possuem um fluxo garantido de um milhão e meio de pessoas que transitam por esses espaços diariamente.

Vocês falam em espaço de convivência. Isso implica em que tipo projeto?
Além da oferta de uma gama variada de serviços de alimentação e varejo, os terminais vão abrigar lounges para uma melhor integração entre as pessoas. Haverá acesso a wi-fi gratuito, segurança privada e espaços revitalizados, que poderão abrigar exposições, atividades culturais e feiras livres.

Que tipo de serviço o lojista pode encontrar nas Praças Unitah?
Para o lojista, o grande atrativo é estar presente em um local de grande fluxo de pessoas e que não teve sua atividade interrompida nesta pandemia. Diferentemente de outros espaços comerciais, a Praça Unitah está integrada ao metrô que hoje já tem um fluxo médio de um milhão e meio pessoas ao dia.

O custo-benefício para o lojista é vantajoso, pois ele terá à sua disposição o apoio da Unitah em sua operação, por meio de serviços de segurança privada, zeladoria, limpeza e paisagismo nos ambientes comuns.

É um modelo vantajoso tanto para pequenos empreendedores, sobretudo, pessoas que estão começando a empreender e querem iniciar com um ponto comercial pequeno (cinco metros quadrados), até para quem opera por meio de franquias ou grandes redes. O projeto contará com a presença de marcas conhecidas, que funcionarão como âncora para atrair fluxo de consumidores.

Como esse projeto se enquadra no universo do varejo de SP?
O projeto se espelhou em modelos bem-sucedidos em outras metrópoles do mundo em que os empreendimentos ligados ao transporte público passaram a ser uma opção de lazer e acesso a produtos e serviços para toda a sociedade. É, definitivamente, inovador.

Relacionadas
Movimento Varejo

WhatsApp no meio empresarial: o poder da mensagem para engajar o cliente

A pandemia acelerou o processo de digitalização das empresas e causou mudanças visíveis no relacionamento entre cliente e marca. Alguns exemplos são o aumento das compras online, o fortalecimento do atendimento omnichannel e a busca pela melhora contínua da experiência do cliente por meio de ferramentas digitais. Nesse contexto, o WhatsApp, aplicativo de mensagens mais usado no Brasil, ganhou destaque.
Movimento Varejo

Transformação digital já é real para mais da metade das PMEs

Segundo estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), pelo portal Terra, dentre as micro e pequenas empresas (MPEs) do país, a transformação digital já está presente em 66% das organizações, conforme o Mapa de Digitalização das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, da FGV, em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Ressalta-se, ainda, que as PMEs são responsáveis por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e por 50% dos postos de trabalho criados no Brasil.
Movimento Varejo

Burocracia na hora de consumir é empecilho para 8 em cada 10 brasileiros

Os brasileiros ainda sofrem com um entrave bem antiquado na hora de comprar bens e serviços: a complexidade para provar quem são. Soluções para agilizar o atendimento ao cliente e finalizar uma compra como biometria, que usa a identificação da digital, ou o reconhecimento facial – também chamada de biometria facial, ainda são pouco utilizadas por empresas de varejo e serviços.

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.