Movimento Varejo

Como a estimativa de demandas pode ajudar nas vendas futuras?

Por Juan Jensen*

No mundo dos negócios, mais importante do que saber o que fazer no presente ou aprender com o passado é justamente a capacidade de adivinhar o que pode ocorrer no futuro. Sim, prever necessidades e se antecipar a elas é cada vez mais essencial em um cenário de aceleração digital e intensa competitividade nos mais variados setores.

A questão é que é preciso muito mais do que bolas de cristal para conseguir decifrar o que vem pela frente em relação às vendas da empresa. Na verdade, mais do que lendas, é necessário apostar na análise inteligente de dados para conseguir estimar demandas.

Ainda tem dúvida de como isso pode ser útil? Veja cinco situações que são capazes de potencializar o desempenho comercial:

1 – Decisões técnicas sem “achismo”
Um dos grandes problemas das empresas brasileiras atualmente ainda é o “achismo”, isto é, as decisões tomadas apenas pelo feeling do gestor de acordo unicamente com sua visão de mundo e suas percepções pessoais. Não há mais espaço para essa prática no ambiente corporativo. Qualquer medida a ser tomada precisa ter um embasamento analítico que a justifique para evitar problemas – e prejuízos – futuros. Em suma: é necessário antecipar esse movimento com a análise e o cruzamento de diversas informações.

2 – Capacitação da equipe comercial
Imagina uma loja que conseguisse identificar o padrão de vendas para os próximos cinco anos, e assim, pudesse capacitar seu time de vendedores para atender essa necessidade específica. É exatamente essa a proposta da estimativa de demandas dentro da estrutura corporativa. A partir do processamento de dados, seu monitoramento e definição de modelos preditivos, é possível traçar um caminho esperado para as vendas, e com isso, treinar seus colaboradores para atender esse objetivo.

3 – Visão completa sobre o passado, presente e futuro da empresa
A estimativa de demanda só funciona quando a organização possui uma base estruturada para trabalhar com dados de diferentes fontes e origens, seja captado internamente ou externamente de acordo com boas práticas de compliance. Isto é, para conseguir prever o futuro é preciso ter uma visão clara dos indicadores do passado e do presente da companhia. Somente assim é possível criar os modelos preditivos e identificar padrões que condizem realmente com a real capacidade da empresa.

4 – Planejamento detalhado
Independente da área ou do setor de atuação, qualquer planejamento precisa ser o mais detalhado possível. Quanto mais informações tiver, mais completo o documento fica – e consequentemente melhores ações serão tomadas a partir dele. A lógica é bem simples: se a empresa tem uma visão clara daquilo que provavelmente pode acontecer nos próximos cinco anos a partir de insights e análises, basta adotar as melhores estratégias para se antecipar a esse cenário.

5 – Identificação de pontos de melhoria
Por fim, é preciso reconhecer o óbvio: estimar demandas não significa acertar 100% todos os detalhes que irão acontecer no futuro. Os modelos preditivos devem atingir grande parte de suas projeções, mas é justamente a análise constante dos dados que permite às empresas realizarem os ajustes necessários quando algo não sair como o planejado. Prever o futuro não vai proporcionar bons resultados o tempo todo, mas sim oferecer os recursos necessários para que, no fim, todos alcancem seus objetivos esperados.

*Juan Jensen é chairman da 4intelligence, startup especializada em soluções que apoiam a tomada de decisão por meio da análise de dados.

Relacionadas
Movimento Varejo

WhatsApp no meio empresarial: o poder da mensagem para engajar o cliente

A pandemia acelerou o processo de digitalização das empresas e causou mudanças visíveis no relacionamento entre cliente e marca. Alguns exemplos são o aumento das compras online, o fortalecimento do atendimento omnichannel e a busca pela melhora contínua da experiência do cliente por meio de ferramentas digitais. Nesse contexto, o WhatsApp, aplicativo de mensagens mais usado no Brasil, ganhou destaque.
Movimento Varejo

Transformação digital já é real para mais da metade das PMEs

Segundo estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), pelo portal Terra, dentre as micro e pequenas empresas (MPEs) do país, a transformação digital já está presente em 66% das organizações, conforme o Mapa de Digitalização das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, da FGV, em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Ressalta-se, ainda, que as PMEs são responsáveis por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e por 50% dos postos de trabalho criados no Brasil.
Movimento Varejo

Burocracia na hora de consumir é empecilho para 8 em cada 10 brasileiros

Os brasileiros ainda sofrem com um entrave bem antiquado na hora de comprar bens e serviços: a complexidade para provar quem são. Soluções para agilizar o atendimento ao cliente e finalizar uma compra como biometria, que usa a identificação da digital, ou o reconhecimento facial – também chamada de biometria facial, ainda são pouco utilizadas por empresas de varejo e serviços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.