Opinião

O verdadeiro PREÇO de depender das bigtechs

Por Jonatas Abbott*

Da loja de roupas ao restaurante, todo mundo está na mão das big techs, como são chamadas as grandes empresas de tecnologia do mundo. Ou elas detêm a audiência ou o consumidor. Buscadores, redes sociais e marketplaces viraram os maiores aliados e os maiores inimigos das marcas.

Mais de 60 milhões de entregas por mês. O iFood chegou a esse número ainda em 2021. O mercado de delivery ficou concentrado com apenas uma empresa detendo 80% do volume de pedidos do Brasil. Isso aliado à pandemia trouxe enorme dor de cabeça para os restaurantes. Se antes da pandemia menos de 5% dos pedidos eram delivery, durante o período esse número chegou a 100% e agora não baixa de 30%.

A pandemia acelerou a cultura digital de empresas e pessoas, mas também mudou costumes. Do total faturado num pedido de comida, incríveis 30% ficam com a plataforma de delivery que realiza pedido e entrega. Para escapar desse monopólio e de uma taxa que pode ser maior que o próprio lucro do restaurante, grandes redes como McDonald’s e Bob’s criaram o próprio app de entrega. Restaurantes de porte intermediário, como Outback, se uniram para fazer um app coletivo. Louváveis iniciativas, mas não fazem sentido para o consumidor. Para o consumidor, o marketplace é tudo, tanto em experiência como em negócio. Sem falar na quantidade de aplicativos instalados no smartphone.

Para lojas de todos os tipos não é muito diferente. Não, elas não dependem de apps de entrega, mas cada vez mais dependem de marketplaces. O marketplace está para o online como o shopping está para o varejo tradicional. Eles conseguem atrair grande quantidade de consumidores. Bingo.

Em paralelo, a mídia para atrair o cliente está cada vez mais concentrada em Google, Facebook e Instagram. O preço do anúncio não para de subir. A dependência das grandes redes aumenta, cada vez paga-se mais em troca de cada vez menos leads. Paradoxalmente, o empresário foge para o marketplace, corre de uma big tech apenas para ficar dependente de outra.

Há uma saída, relativamente fácil e muito barata, mas que dá trabalho, claro. Construir, tratar e segmentar a própria base de dados. E estabelecer uma comunicação própria com seu consumidor. E-mail, SMS e WhatsApp representam essa comunicação direta. Especialmente o e-mail marketing (maior ROI do mercado americano digital) representa a mídia proprietária de cada empresa. Ao construir uma boa base de e-mails, segmentá-la por interesse e estabelecer uma comunicação automatizada e personalizada, a empresa consegue, diariamente, estar em contato com uma base própria de clientes e leads. Gera, assim, um enorme resultado financeiro e, o que é curioso, um aumento permanente dessa própria base.

Não fazer isso não significa apenas gastar mais com marketplaces, reduzindo a margem, ou gastar ainda mais com os anúncios nas grandes redes. Significa também entregar mês a mês seus clientes para eles. E mês a mês deixar para as big techs todos os dados estratégicos possíveis, como comportamento do consumidor, ticket médio, tipo de produto, sazonalidades etc. No fim, sua marca vai perdendo relevância e seu produto fica cada vez mais com a cara de commodity. Tira valor e reduz a experiência e análise do seu comprador a algo terrível, o PREÇO.

*Jonatas Abbott é sócio e diretor executivo da Dinamize, empresa que oferece softwares voltados para automação de marketing e e-mail marketing, que está há 20 anos no mercado de tecnologia.

Compartilhe:
Relacionadas
Opinião

Análise de dados automatizada: repensando estratégias do varejo

Na configuração tradicional, os varejistas eram os principais pontos de contato com os consumidores. Agora, o consumidor está no meio, e marcas, fornecedores de logística, varejistas, plataformas digitais e outros se conectam diretamente entre si e com o consumidor, em uma rede que oferece visibilidade e inteligência para prever, preparar e gerenciar adversidades. Compartilhe:
Opinião

Pequenos negócios fazem o Brasil gigante

Do universo total de empresas em funcionamento no mercado interno, 99% delas são vinculadas ao segmento das micro e pequenas empresas. Perto de 30% de toda a riqueza gerada no Brasil é resultado da atividade desse segmento. Das 2,7 milhões de vagas aberta no ano passado, 80% foram oportunidades criadas entre os pequenos negócios. Compartilhe:
Opinião

Geração de leads: cinco dicas rumo ao sucesso

Sinônimos de rede de contatos qualificados, conversões a compras, ampliação de relacionamentos e divulgação orgânica, os leads são fundamentais em uma estratégia de marketing digital que gere bons resultados. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.