Fatos e Dados

São Paulo prorroga até março obrigatoriedade do uso de máscaras

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O governador de São Paulo, João Doria, informou hoje (12) que será exigida em todo o estado a apresentação do comprovante completo de vacinação contra a covid-19 para entrada em eventos públicos e privados que causem aglomeração, como shows e atividades esportivas.

Também para combater o avanço da variante Ômicron no estado, o governo estadual recomendou que a ocupação de tais eventos seja reduzida em 30%, o que deve ser estabelecido por cada uma das 645 prefeituras paulistas, podendo variar conforme a situação epidemiológica. “A redução recomendada é de 30%. Cabe agora às prefeituras deliberar sobre isso”, disse Doria. Há ainda a recomendação de que tais eventos passem a exigir testes do público. Mas, segundo o governador, não se trata de uma exigência, é apenas uma recomendação.

Ontem (11), em entrevista no interior do estado, o governo tinha informado que faria restrições a eventos. Hoje, no entanto, na entrevista que é dada todas as quartas-feiras no Palácio dos Bandeirantes, Doria não anunciou restrições, mas recomendações e disse que as deliberações cabem às prefeituras.

Além de mudanças nas regras dos eventos, o governo de São Paulo informou que prorrogará a obrigatoriedade do uso de máscaras em todo o estado até, pelo menos, o dia 31 de março.

Aumento de casos
Hoje a taxa de ocupação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) está em 39,01%, com 1.824 pessoas internadas em estado grave. Há 3.679 pessoas internadas em enfermarias de todo o estado. Na semana passada, a taxa de ocupação estava em 27,75%.

Segundo o coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, João Gabbardo, o estado de São Paulo registrou, nas últimas duas semanas, aumento de 58% no número de pessoas internadas em leitos de UTI. Nas enfermarias, o crescimento foi maior: 99%.

Gabbardo disse que, apesar da falta de dados nacionais, já que o sistema Sivep-Gripe continua apresentando problemas, é possível afirmar, com dados do restante do mundo, que a pandemia de Ômicron é a pandemia dos não vacinados. “E, quando se fala de não vacinados, estamos falando das pessoas com mais de 18 anos que não completaram o esquema vacinal e das crianças que ainda não foram vacinadas.”

“Esses dois segmentos é que são responsáveis pelo acréscimo no número de internações e de casos”, disse Gabbardo, que apresentou dados da cidade norte-americana de Nova York comprovando que a maior parte das pessoas internadas hoje não foi vacinada ou está com o esquema vacinal incompleto.

“Quando dizem que esta variante é inofensiva, que os casos são leves, temos que levar em consideração que isso é resultado da vacinação. O número de pessoas que ainda se infectam é muito elevado. E o de internações, embora não sejam tão graves, é muito elevado”, acrescentou Gabbardo.

Testes
Doria informou que adquiriu mais 2 milhões de testes rápidos de antígenos para covid-19 para ampliar a testagem e o monitoramento dos casos. Segundo o governador, os testes serão disponibilizados até fevereiro aos municípios paulistas. O custo dos testes foi estimado em R$ 12 milhões.

Compartilhe:
Relacionadas
Fatos e Dados

Universidade Ancar Ivanhoe abre inscrições para cursos gratuitos voltados para varejo

A UAI conta com uma experiência 100% digital de fácil acesso, além de conteúdos interativos desenvolvidos por especialistas do ramo. Compartilhe:
Fatos e Dados

Serviços estão 5,4% acima do nível pré-pandemia, mostra IBGE

A queda de 0,2% no volume de serviços prestados no País em fevereiro ante janeiro fez o setor de serviços funcionar em patamar 5,4% superior ao de fevereiro de 2020, antes do agravamento da crise sanitária no País. Em janeiro, os serviços estavam 5,6% acima do pré-covid. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Compartilhe:
Fatos e Dados

Três a cada cinco brasileiros temem o vazamento de dados em compras on-line

De acordo com levantamento realizado pela PSafe, empresa de segurança digital da América Latina, e divulgado no portal da CNN, três a cada cinco brasileiros têm medo de ter os seus dados vazados ao realizarem compras na internet. Das pessoas consultadas (mais de 8.600), 59% apontaram o vazamento de dados como sendo um medo real nessas transações. Além disso, também foi mencionado como alarmante o roubo de dados bancários (52%) – os respondentes podiam escolher mais de uma opção. Na sequência, estão como principais preocupações ter o cartão clonado (48%) e o não recebimento de produtos (48%). Apenas 4,5% relataram não ter nenhum tipo de receio. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.