Tendências e Inovação

6 sinais de que o ecommerce precisa utilizar big data

Por Amanda Abdia*

O avanço da pandemia de covid-19 obrigou diversos varejistas a migrarem seus negócios para o ambiente on-line. O que se viu depois disso foi uma aceleração digital intensa, com evolução constante na forma de fazer negócios pela web e, em alguns casos, integrados com o comércio físico. Uma coisa, porém, não mudou com o novo coronavírus: a importância dos dados na gestão e tomada de decisão do setor. Mesmo as empresas menores precisam utilizar informações acuradas para criarem as melhores estratégias em seus segmentos. Dessa forma, conceitos como big data e análise de dados crescem em importância.

Mas quando o e-commerce precisa adotar soluções desse tipo em sua estrutura? Confira:

1 – As alterações de preços são feitas na base do “achismo”
Um dos principais pontos em qualquer estratégia de e-commerce é a política de preços dos produtos. Estipular o valor de todos os seus itens não é tarefa fácil, é verdade, mas é um erro querer seguir com a tática antiga de fazer poucas alterações. As mudanças precisam ser constantes até mesmo ao longo de um dia e levar em conta não só despesas e tributos, mas também questões como demanda e concorrência. Trata-se de um processo que precisa ser automatizado por ferramentas que analisam um grande volume de dados com rapidez.

2 – O posicionamento em marketplaces está abaixo do ideal
Atualmente, os marketplaces exercem grande influência na estratégia de qualquer comércio eletrônico. São importantes canais de vendas, permitindo que a marca possa atingir mais consumidores. Contudo, para que os resultados sejam melhores, é fundamental que os anúncios da marca estejam bem posicionados na página inicial. Isso é possível a partir da combinação de diversos fatores, como descrição dos produtos, preço, estoque, frete, entre outras situações. Para atendê-los, novamente se faz necessário combinar um volume significativo de dados com o apoio de soluções próprias para isso.

3 – O gestor não consegue identificar insights nos relatórios
Não é segredo para os lojistas que todas as decisões precisam ser tomadas de acordo com a análise de dados. A questão é que os dados em si, isolados, dizem pouco sobre a operação do negócio. É um dos erros mais comuns do varejo imaginar que a compilação de informações é suficiente para ter mais inteligência na gestão. Com uma infinidade de dados disponíveis, é fundamental cruzá-los e combiná-los para, a partir daí ter acesso a relatórios mais completos e que façam sentido à realidade da empresa.

4 – O banco de dados da empresa está desatualizado
Um banco de dados é, praticamente, o coração de qualquer negócio on-line. É por meio dele que a empresa consegue fazer campanhas de marketing eficientes, inclusive com recomendações de produtos e compra recorrente, garantir um processo logístico rápido e seguro e gerenciar o negócio com risco mínimo. Mas tudo isso depende da atualização constante das informações disponíveis ali. Como se trata de um volume grande de dados, essa tarefa de monitoramento só é possível com soluções automatizadas, capazes de identificar incongruências e fazer as correções necessárias.

5 – A loja não consegue comparar todas as subcategorias de produtos
Se o preço precisa ser alterado constantemente de acordo com a quantidade de estoque e com a concorrência, é essencial garantir que essa comparação seja a mais fidedigna possível. Analisar apenas os itens principais das categorias pode levar a informações desatualizadas que prejudicam o planejamento estratégico da empresa. Um exemplo é no segmento de informática, em que um notebook pode ser similar em tudo, mas se diferenciar no formato de armazenamento e, com isso, ter preços diferentes. Fazer comparações de subcategorias só é possível com a identificação rápida de dados e sua compilação.

6 – A empresa não tem visão sobre as possibilidades de mix de produtos
Muitas vezes as empresas de e-commerce ficam disputando espaço com os concorrentes nos mesmos produtos, perdendo oportunidade de lançar novas oportunidades de compra. Ao conhecer os produtos que o mercado oferece, podendo comparar com os que possui, ampliam-se as possibilidades de oferecer opções de produto em diferentes níveis com preços competitivos.

*Amanda Abdia é Head Sales da WebGlobal, empresa especializada em tecnologia para monitoramento de mercado online.

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

APAS Show: IoT e soluções conectadas diminuem perdas e melhoram experiência do shoppper

Dar inteligência aos dispositivos é a proposta da Inwave para revolucionar o setor trazendo mais segurança e atuando diretamente na redução de perdas e melhora da experiência do consumidor Compartilhe:
Tendências e Inovação

Índice de competitividade: importância e desafios do frete

A velocidade de entrega é um benefício percebido pelos clientes e, por causa disso, deve ser explorada ao máximo para maximizar os resultados. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Indústrias relacionadas ao metaverso devem movimentar R$ 4 tri até 2024

Muito além do conceito, as indústrias que se formaram em torno do metaverso já movimentam números expressivos. De acordo com dados da Bloomberg Inteligence, segmentos como RV (Realidade Virtual) e de RA (Realidade Aumentada), games, cloud e outros, devem movimentar mais de R$ 4 trilhões até 2024. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.