Movimento Varejo

Criando redes de aprendizado

Movimento Varejo

Criando redes de aprendizado

Mesmo com tantas tecnologias disponíveis no mercado, as relações humanas prevalecem no diferencial do varejista

Investimentos em tecnologia associados à valorização da troca de experiências entre seres humanos deram o tom do aprendizado na 106ª edição da maior feira mundial de varejo. O encontro em Nova Iorque em janeiro trouxe tendências e ideias que vão alimentar e direcionar o mundo do varejo nos próximos anos. As relações entre comerciantes e consumidores requerem cada vez mais experiências de relacionamento humano diferenciado e estão associadas ao uso crescente de novas tecnologias.

Durante três dias, cerca de 35 mil pessoas do mundo inteiro percorreram os corredores do Jacob K. Javits Convention Center em busca de aprendizado e troca de experiências. O Brasil, mais uma vez, foi o terceiro país mais bem representado, depois dos Estados Unidos e do Canadá.

Para o líder da delegação brasileira, presidente da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), Honório Pinheiro, os participantes saem de Nova Iorque com muitas lições e deveres de casa. “Não podemos trabalhar no varejo sem nos relacionar com as pessoas, pois são elas que vão trabalhar a experiência de compras dentro dos estabelecimentos”, disse.

Uma das maiores delegações brasileiras, com mais de 100 participantes, foi conduzida pela CNDL, com curadoria da HSM Educação Executiva. A trilha de aprendizados “Criando um diferencial para seu negócio” foi definida com quatro eixos de destaque: Experiência de Compra, Tecnologia e Informação, Gestão e Liderança e Omnichannel. A comitiva também teve direito a dois seminários exclusivos, de lançamento e encerramento, promovidos pela CNDL no Hotel Intercontinental Times Square. Nele, os participantes puderam deglutir as lições aprendidas e trazê-las para o contexto do varejo no Brasil.

Neste especial, buscamos algumas impressões e ideias dos participantes da comitiva CNDL, bem como contribuições dos principais palestrantes da feira mundial para inspirar as ações do varejo brasileiro em 2017.

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2016/08/NRF.png” ]

[blockquote author=”Honório Pinheiro, Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL)” link=”” target=”_blank”]Não podemos trabalhar no varejo sem nos relacionar com as pessoas, pois são elas que vão trabalhar a experiência de compras dentro dos estabelecimentos[/blockquote]

EXPERIÊNCIA TECNOLÓGICA E CUSTOMIZADA AGRADA AOS CLIENTES

Os grandes desafios do varejo não mudaram, mas têm agora novas soluções. Este é o ensinamento da NRF 2017, segundo o professor e diretor da Rede de Negócios da HSM Educação Executiva, Luis Lobão. “O evento traz a ideia de melhorar cada vez mais a capacitação dos colaboradores e, principalmente, a lealdade do consumidor. Por isso, os varejistas devem pensar muito em como proporcionar uma experiência de compra de qualidade”, disse.

Para isso, segundo os palestrantes, é necessário investir também no corpo de funcionários. A importância das relações humanas na hora de reter talentos foi um dos grandes temas abordados na abertura do evento. O presidente da National Retail Foundation (NRF) e presidente da The Container Store, Kip Tindell, falou em um auditório lotado para mais de 10 mil pessoas. “O engajamento de equipe, a transparência na gestão, os bons valores, o treinamento contínuo e as oportunidades de crescimento

Na palestra de abertura, os executivos de empresas mundialmente conhecidas Greg Foran, presidente da Walmart, Terry J. Lundgren, CEO da Macy’s, e James Rhee, CEO da Ashley Stewart, conversaram sobre estratégias para recrutar e manter funcionários nas lojas físicas e virtuais. Terry Lundgren ressaltou que a tecnologia é fundamental e deve ser o foco de um negócio, sem deixar de lado o desenvolvimento de pessoas. “No último ano, capacitamos mais de 600 profissionais e realizamos um trabalho ostensivo de desenvolvimento em tecnologia. Também aumentamos nossa equipe de análise de dados como forma de aperfeiçoar os serviços e atender melhor os consumidores modernos”, contou o CEO da gigante Macy´s.

Para o presidente do Conselho do SPC Brasil, Roque Pelizzaro, a ida à feira mundial traz novas soluções para antigas demandas. “Trafego, ticket médio, fidelidade e lealdade estão em pauta. Dentro desse conceito, a NRF traz nesse ano a demanda de melhorarmos cada vez mais a capacitação de nossos colaboradores”, completou.

NOVIDADES DO MERCADO

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2017/02/CAIXA11.png” ]

A comitiva da CNDL também conheceu de perto tendências para o varejo disponíveis no mercado. Em uma visita guiada pela HSM Educação Executiva, os empresários brasileiros tiveram contato com o que há de mais moderno em termos de tecnologia e serviços, incluindo interações com robôs e inteligência artificial, impressões 3D, dispositivos que geram dados de consumo em tempo real e aparelhos de realidade aumentada. Alguns destaques já estão disponíveis no Brasil. Por exemplo, a jornada do consumidor da Samsung acompanha o consumidor desde o momento de entrada na loja até a compra final com dispositivos eletrônicos em um celular. Outro destaque foi a JDA Software que, com seus produtos direcionados aos lojistas, está ajudando comerciantes de todo o mundo a impulsionar a lucratividade. Ao final da experiência, o CEO da HSM Educação Executiva, Guilherme Soárez, enfatizou a importância da integração dos serviços digitais com o que é oferecido nas lojas físicas. “Não podemos esquecer de estimular e manter um relacionamento de excelência nos pontos de venda”, lembrou.

CRESCENDO NO MUNDO

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2017/02/CAIXA12.png” ]

Um exemplo brasileiro de sucesso internacional que ganhou os holofotes em um painel da NRF 2017 foi o empresário, Artur Grynbaum, CEO do Grupo Boticário. O executivo falou sobre os desafios de globalizar uma marca, juntamente com Darren Williams, da empresa australiana T2 Tea (parte do grupo Unilever) e Meg Lustman, CEO da confecção britânica Hobbs. Grynbaum disse que uma das chaves para ter sucesso no setor de cosméticos é ser capaz de contar sua história no novo mercado. “Fizemos muitas pesquisas para determinar as categorias em que poderíamos competi r. Temos de conversar com os clientes e mostrar as promessas da marca”. Além de 3.900 lojas no Brasil, hoje a empresa conta com 93 lojas em oito países.

HISTÓRIAS QUE INSPIRAM

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2017/02/32210879661_bd0d4e8133_o_Captain-Scott-Kelly.jpg” ]

Uma unanimidade quando o assunto é negócios, o CEO do grupo Virgin, Richard Branson, foi uma das estrelas da última edição do NRF Big Show. Em um bate-papo com o CEO da Container Store Kip Tindell, ele compartilhou experiências de quem comanda mais de 400 negócios. Para Branson, uma equipe bem qualificada garante o sucesso de um empreendimento. “Precisamos manter nossos colaboradores sempre motivados. E eles precisam se sentir parte da empresa, responsáveis por garantir o sucesso”. “As pessoas trabalham melhor quando sentem orgulho da empresa para a qual trabalham”. Outro ponto destacado foi a presença das mulheres no varejo. Para o executivo, as políticas para aumentar a presença feminina em cargos executivos são fundamentais. “Mulheres compreendem seus consumidores melhor que os homens. É inadmissível não termos mais mulheres comandando empresas de varejo. Se não for forçado legalmente, teremos duas ou três gerações com problemas de paridade”, afirmou.

O céu não é o limite. Resistir e prosperar foram as lições deixadas pelo astronauta Scott Kelly, durante sua palestra no segundo dia da NRF. Depois de passar um ano no espaço, o capitão deu uma lição de força em tempos adversos para ouvintes do mundo inteiro, atentos aos detalhes de sua jornada no espaço. Durante o período em que ficou no espaço, Kelly participou de 10 pesquisas sobre psicologia humana, saúde, microbiologia e estudo molecular nas quais seus dados são comparados com os de seu irmão gêmeo Mark, astronauta aposentado que ficou na Terra. O capitão Kelly alcançou o recorde como astronauta de seu país que permaneceu mais tempo em órbita.

[blockquote author=”” link=”” target=”_blank”]O fracasso é um combustível que desafia e motiva as pessoas a serem melhores e saírem da zona de conforto.[/blockquote]

“Aprendi que nunca devemos desistir, sempre devemos tentar. Às vezes, a jornada é sacrificante e nos faz questionar se vale a pena perder o que estamos deixando em segundo plano por um objetivo maior. No final, o resultado é sempre gratificante”, contou. A experiência já virou livro, que será lançado em outubro nos Estados Unidos, ainda sem data para publicação em português.

CARREIRA NO VAREJO

Setor pode impulsionar empregos com geração de mão de obra qualificada

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2017/02/31988085070_7cd83d6246_o_Sir-Richard-BransonFounder-Virgin-Group-and-Kip-Tindell-Chairman-National-Retail-Federation-Co-Founder-and-ChairmanThe-Container-Store.jpg” ]

Um dos temas da edição deste ano da NRF foi a empregabilidade, assunto de fundamental importância no Brasil, onde o cenário socioeconômico, com o crescente número de desempregados – que já superam 12 milhões de pessoas – é uma preocupação para governos, famílias e empresas.

Nos Estados Unidos, a maior federação lojista anunciou, no primeiro dia de evento, um programa de certificação com 21 grandes varejistas, batizado de RISE Up, em português “Erguendo-se”. A ideia é oferecer treinamento pessoalmente ou à distância para vendedores, funcionários de centros de distribuição e atendentes de call centers.

Nos Estados Unidos, o setor de varejo é um dos maiores empregadores do país, mas sofre com a alta rotatividade de pessoal. A ideia é que a certificação sirva como um acréscimo para o currículo e um incentivo para carreiras no setor. “Não há dúvida de que vivemos uma mudança permanente na forma como os consumidores compram e se comportam”, disse Linda Kirkpatrick, vice-presidente executiva para o desenvolvimento do mercado dos EUA com a MasterCard. “Os consumidores em todas as faixas etárias estão mais dispostos a gastar em experiências do que em coisas, e estão mais interessados em varejistas que oferecem experiências personalizadas, digitais e sociais”.

Cinco dicas de Richard Branson para criar e manter seguidores leais em tempo difíceis:

  • Esteja preparado para errar
  • Seja empreendedor
  • Seja otimista
  • Seja ousado
  • Não tenha medo de correr riscos

[sc name=”img-post-app” caminho=”http://revistavarejosa.com.br/wp-content/uploads/2017/02/CAIXA13.png” ]

Previsões para o Varejo Mundial em 2017

Os organizadores da NRF Big Show fizeram entrevistas e pesquisa com os grandes líderes do varejo e palestrantes do evento para revelar as tendências do varejo neste ano.

Clientes – O cliente é quem manda em 2017. E ele quer uma experiência cada vez mais personalizada, única e mediada por dispositivos tecnológicos. Adapte-se e interaja em diversos canais e redes sociais.

Tecnologia – Inovações e novas capacidades técnicas continuarão a transformar a experiência de varejo. Inteligência artificial e realidade aumentada se unem ao varejo móvel e à personalização e deixam o futuro para fazer parte do presente.

Liderança – O cenário de varejo global continua a evoluir. Para alcançar o sucesso, líderes deverão se basear em grandes parcerias, inovação inteligente, adaptação rápida e olhar para além dos canais tradicionais de interlocução entre o varejo e os consumidores.

Relacionadas
Movimento Varejo

WhatsApp no meio empresarial: o poder da mensagem para engajar o cliente

A pandemia acelerou o processo de digitalização das empresas e causou mudanças visíveis no relacionamento entre cliente e marca. Alguns exemplos são o aumento das compras online, o fortalecimento do atendimento omnichannel e a busca pela melhora contínua da experiência do cliente por meio de ferramentas digitais. Nesse contexto, o WhatsApp, aplicativo de mensagens mais usado no Brasil, ganhou destaque.
Movimento Varejo

Transformação digital já é real para mais da metade das PMEs

Segundo estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), pelo portal Terra, dentre as micro e pequenas empresas (MPEs) do país, a transformação digital já está presente em 66% das organizações, conforme o Mapa de Digitalização das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, da FGV, em conjunto com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Ressalta-se, ainda, que as PMEs são responsáveis por 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e por 50% dos postos de trabalho criados no Brasil.
Movimento Varejo

Burocracia na hora de consumir é empecilho para 8 em cada 10 brasileiros

Os brasileiros ainda sofrem com um entrave bem antiquado na hora de comprar bens e serviços: a complexidade para provar quem são. Soluções para agilizar o atendimento ao cliente e finalizar uma compra como biometria, que usa a identificação da digital, ou o reconhecimento facial – também chamada de biometria facial, ainda são pouco utilizadas por empresas de varejo e serviços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.