24 jul, 2024
0 ° C

Taxação de compras online: Alckmin defende que comércio tenha concorrência “leal”

O presidente em exercício também defendeu os efeitos que a reforma tributária pode trazer para o empresariado

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

O presidente em exercício da República, Geraldo Alckmin, defendeu nesta sexta-feira, 14, que o comércio eletrônico tenha uma concorrência “leal”. As declarações foram proferidas após recente discussão envolvendo possível taxação de compras de sites de e-commerce.

“O comércio eletrônico é positivo, mas precisamos ter uma concorrência leal”, afirmou o presidente. “Não podemos ter uma concorrência desleal: alguém com comércio aqui implantado, pagando imposto, gerando emprego, tendo um tipo de tributação, e outro tipo de tributação fazendo concorrência que não é leal. Esse é o objetivo (das possíveis mudanças na tributação), apenas este”, acrescentou Alckmin.

Na mesma entrevista, ele disse que está otimista em relação ao andamento e às proposições da reforma tributária a ser apresentada pelo governo federal e que ainda está em fase de discussão. Alckmin salientou que a proposta não deve ter caráter restritivo e alinha o Brasil ao sistema tributário já adotado em outros países.

“Estamos muito otimistas. Ela vai simplificar o modelo. Não é pra cobrar de setor A, B ou C, mas é para simplificar o modelo, trocando cinco impostos sobre consumo (ICMS, ISS, PIS, Cofins, IPI) por um, o IVA, como o mundo inteiro tem, um Imposto de Valor Agregado”, disse ele.

O presidente em exercício também defendeu os efeitos positivos que a reforma pode trazer para o ambiente de negócios do empresariado. “Com a reforma, você simplifica, estimula investimento, reduz custo Brasil, reduz burocracia, estimula exportação, então eu diria que a reforma a ser apresentada é positiva”, afirmou.

Fonte: Mercado&Consumo, com informações de Estadão Conteúdo