Economia e Finanças

Vendas no varejo crescem 3,4% em agosto

O comércio varejista teve a quarta alta mensal seguida em agosto com o crescimento de 3,4% no período. Na comparação com o mesmo período no ano passado, o comércio cresceu 6,1%, terceiro resultado positivo seguido. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira (8) pelo IBGE.

Com o resultado, o setor atinge o maior patamar de vendas desde 2000, ficando 2,6% acima do recorde anterior, de outubro de 2014, como conta o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

“O varejo em abril teve o pior momento, com o indicador se situando 18,7% abaixo do nível de fevereiro, período pré-pandemia. Esses números foram sendo rebatidos nos meses seguintes, até que em agosto o setor ficou 8,2% acima de fevereiro”, explica o gerente da PMC, Cristiano Santos.

Para o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), José César da Costa, o resultado da pesquisa não foi uma surpresa. “Sabíamos que a flexibilização das medidas de restrição traria fôlego ao setor varejistas e, ao mesmo tempo, já tínhamos verificado que a ajuda proporcionada pelo Auxílio Emergencial estava surtindo um efeito virtuoso na economia”, diz José César.

Segundo o presidente da CNDL, as medidas governamentais tiveram grande apoio das entidades representativas do comércio e serviço, que atuaram ativamente para aprovação e aperfeiçoamento das propostas. “As lideranças empresariais, como as da CNDL, fizeram um grande esforço junto aos parlamentares para encontrarem as melhores saídas para a crise”, diz. “Essa parceria foi fundamental para o resultado fantástico que vemos agora”.     

Para o dirigente, a capacidade de adaptação do varejo brasileiro às novas necessidades do consumidor deve ser destacada. “O comerciante foi rápido ao perceber que a digitalização e a adoção de novos serviços como o delivery seriam determinantes para a continuação dos negócios”, explica o dirigente.

Desempenho por atividade
Cinco das 8 atividades pesquisadas tiveram alta na passagem de julho para agosto. Entre as que apresentaram maior crescimento estão tecidos, vestuário e calçados (30,5%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (10,4%), móveis e eletrodomésticos (4,6%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (1,5%) e combustíveis e lubrificantes (1,3%).

Livros, jornais, revistas e papelaria recuaram 24,7%. O jornaleiro Maurício Souza diz que está sem esperança de melhora nas vendas.

No comércio varejista ampliado, o volume de vendas cresceu 4,6% frente a julho de 2020. Nos últimos 12 meses, o comércio varejista acumula alta de 0,5%.

Com informações da Agência IBGE

Compartilhe:
Relacionadas
Economia e Finanças

“Às vezes só rearranjo financeiro resolve, não é necessário investimento”, diz Camila Farani

Considerada uma das maiores investidoras-anjo do país, a empresária recomenda que empreendedores busquem organização financeira e fiquem de olho nas tendências de futuro Compartilhe:
Economia e Finanças

Consumo nos Lares Brasileiros cresceu 1,97% em novembro

Dados da ABRAS apontam que de janeiro a novembro de 2021 o consumo se manteve positivo, acumulando 2,88%. Compartilhe:
Economia e Finanças

IPCA de 10,06% em 2021 abre nova margem no teto de gastos do governo

Inflação oficial é a mais alta em seis anos Compartilhe:

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.