Movimento Varejo

Como a locomoção dos brasileiros impacta o varejo?

Confira algumas ideias para incrementar a sua loja e aumentar as vendas, com base nos dados da Pesquisa de Mobilidade Urbana 2022, da CNDL e SPC BrasilSPC

Os meios de transporte usados pelo seu cliente impactam o seu negócio? Será que ter estacionamento ou um bicicletário na porta da loja faz diferença na hora de conquistar o consumidor? E pode ser uma boa medida disponibilizar um bebedouro para os bichinhos de estimação da clientela?

Dados da Pesquisa Mobilidade Urbana 2022, realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com o Sebrae, mostram que, dependendo do negócio, faz toda a diferença para a loja ter um estacionamento, um bicicletário ou até um espaço para pet, na hora de conquistar a clientela e criar uma experiência de consumo positiva.

Segundo o levantamento, o carro é o meio de transporte mais usado no deslocamento para o lazer (39%), supermercado (38%) e compras longe de casa (41%). Já nas compras perto de casa tem destaque o deslocamento a pé (63%). Nas viagens a lazer, os apps de transporte também se destacam, mencionados por 28% dos entrevistados.

Isso significa que bares, restaurantes, padarias, supermercados e até mercearias devem contar com estacionamento e uma boa oferta de vagas, levando em consideração a região onde o negócio funciona. Estes estabelecimentos – especialmente os dois primeiros – também podem ter um recuo na sua entrada para os carros pararem e os clientes descerem em segurança dos veículos, seja próprio, seja de aplicativo.

Pacotes compactos e sacolas reforçadas
Outro dado interessante, 49% dos entrevistados não possuem carro ou moto própria, enquanto 34% têm apenas carro e 9% possuem apenas moto. Para se locomover no dia a dia, o ônibus é o meio de transporte utilizado com maior frequência por 50% dos respondentes, seguido do carro (32%) e do deslocamento a pé (22%). O ônibus é ainda o mais citado quando se trata do deslocamento para o trabalho (36%) e para a escola (14%).

Pessoas a pé ou de transporte coletivo precisam de embalagens compactas e sacolas reforçadas. Lojas de bairros e próximas a pontos de ônibus ou estações de trem ou metrô podem ainda investir em produtos que sejam facilmente carregados a mão.

Estrutura externa da loja
A pesquisa identificou um percentual que se locomove majoritariamente a pé ou de bicicleta – o principal motivo, mencionado por 59%, é a proximidade entre a casa e o trabalho. Mas os deslocamentos a pé requerem algumas condições, como iluminação das vias e segurança. O levantamento mostra que 79% concordam com a afirmação de que a presença de iluminação pública afeta a decisão de fazer trajetos andando. Além disso, 89% reconheceram que a presença de lojas e serviços de saúde e educação próximos de casa favorecem os deslocamentos a pé.

Neste sentido, manter a fachada da loja bem iluminada e a calçada bem cuidada e limpa são essenciais para fazer o cliente passar com frequência na frente do negócio, criando mais oportunidades de vender para este consumidor.

Para negócios de bairro, pode ainda ser uma boa medida contar com bicicletário na porta – para o comprador ter onde deixar sua bicicleta naquela paradinha estratégica entre o trabalho e casa – e até bebedouro e local para o cliente deixar o seu pet seguro. Como as pessoas costumam fazer compras a pé perto de casa, aproveitam esta ida à panificadora ou à farmácia, por exemplo, para também levar o cachorro para passear.

Relacionadas
Movimento Varejo

Entender comportamento do consumidor impulsiona estratégias de SEO

State of Search 2023 auxilia empresas a compreenderem tendências de pesquisa e otimizarem suas estratégias de marketing digital
Movimento Varejo

Consumidor compra menos itens no supermercado no primeiro trimestre de 2023

Panorama do Consumo da Neogrid constata que o brasileiro mudou alguns hábitos de consumo para driblar a alta dos preços.
Movimento Varejo

Mais de 1,3 milhão de empresas foram abertas de janeiro a abril

Mais de 1,3 milhão de empresas foram abertas de janeiro a abril. Tempo médio de abertura foi de um dia e seis horas, segundo ministério

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.