Economia e Finanças

Copa do Mundo deve impulsionar e-commerce no segundo semestre

De acordo com levantamento da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, houve crescimento de 5% em relação ao mesmo período do ano passado; já no segundo semestre, a expectativa é que o setor fature R$ 91,5 bilhões

O setor de comércio eletrônico no Brasil deve se beneficiar da Copa do Mundo no segundo semestre de 2022, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

A associação projeta faturamento de R$ 91,5 bilhões na segunda metade do ano, fechando 2022 com um total de R$ 165 bilhões em vendas. O número está abaixo dos R$ 169,6 bilhões estimados no início do ano, mas, segundo Alexandre Crivellaro, diretor de inteligência de mercado da associação, o evento deve impulsionar as compras on-line e o faturamento pode ser revisto e ficar bem próximo dos R$ 170 bilhões.

“Esse ano teremos a Copa do Mundo, que deve alavancar bastante a venda de artigos esportivos e eletrônicos, como TVs. Além disso, outros fatores que estamos levando em conta são a leve queda no desemprego e também os auxílios que o governo está disponibilizando para população, que devem gerar uma boa injeção de dinheiro no mercado”, diz.

Os números da associação mostram que o faturamento do primeiro semestre de 2022 é dobro do que foi no mesmo período de 2019. Para Crivellaro, a pandemia acelerou em cerca de três anos o crescimento do setor.

“Antes da pandemia, um faturamento como esse era esperado para daqui a dois, três anos. Nos primeiros oito meses de 2020, na comparação com o mesmo período de 2019, os ganhos explodiram, cresceram quase 60%. E agora, a perspectiva ainda é otimista, projetamos crescimento de 12% esse ano, e em média, 10% ao ano nos próximos 5 anos”, diz ele.

No primeiro semestre de 2022, o setor teve um faturamento de R$ 73,5 bilhões, segundo o levantamento produzido pela ABComm e obtido com exclusividade pela CNN. A associação aponta que os ganhos do setor cresceram 5% em relação ao mesmo período de 2021.

Segundo a ABComm, as compras on-line foram potencializadas durante a pandemia e passaram a fazer parte dos hábitos dos consumidores. Alexandre Crivellaro, diretor de inteligência de mercado da associação, afirma que o crescimento está próximo das previsões, mas deve ser ainda maior no segundo semestre.

“No primeiro semestre, temos datas como Dia das Mães e Dia dos Namorados, só que as famílias já têm muitos gastos na primeira parte do ano e acabam não gastando tanto, por isso tivemos um crescimento tímido. Já no segundo semestre, com Dia dos Pais, Dia das Crianças, Black Friday e Natal, esperamos uma alta ainda maior”, diz Crivellaro.

Veja o faturamento anual do setor nos últimos anos, segundo a ABComm (em bilhões):

  • 2016 – 53,5
  • 2017 – 60,1
  • 2018 – 69,8
  • 2019 – 89,9
  • 2020 – 126,4
  • 2021 – 150,8

Fonte: CNN Brasil

Relacionadas
Economia e Finanças

Consumo nos Lares Brasileiros encerra o ano em alta de 3,89%

Resultado é o maior dos últimos 15 meses e foi puxado pelo pagamento de benefícios sociais AbrasMercado: carne bovina, açúcar, óleo de soja, leite longa vida registram deflação no período.
Economia e Finanças

61% dos donos de MPEs recorreram a empréstimos pessoais para financiar a própria empresa

Segundo levantamento do Sebrae, o porte do empreendimento e o nível de escolaridade do empresário são fatores que influenciam na hora de solicitar crédito aos bancos.
Economia e Finanças

Compras online atingem quase R$ 170 bilhões no Brasil em 2022

Pesquisa da ABComm confirma previsão de crescimento de 5% em relação a 2021 e atribui o equilíbrio ao retorno dos consumidores às ruas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.