Movimento Varejo

Estratégias de produtos para o seu e-commerce

Flores e chocolates são uma tradição de décadas, mas hoje é possível vender flores com pelúcias, bebidas, semijoias, cesta de café da manhã, bolachas e até brinquedos

*Por Clóvis Souza

Foto: Divulgação

Sempre avaliei que, para se destacar no cenário de e-commerce, uma empresa precisa fazer o algo a mais. Vender flores pode ser commoditie, mas vender flores de um jeito que agregue valor é uma arte, não para poucos, mas para quem enxerga isso. Todos os produtos podem ser vendidos de uma forma diferente, que encante o consumidor, pois no fim do dia, seja o produto que for, consumidor sem encantamento é apenas mais uma pessoa que passou pela sua loja e provavelmente nunca mais voltará.

Um varejo existe justamente para servir à clientela com qualidade. Caso o consumidor visite o ponto de venda, mas não se depare com o que estava procurando, certamente migrará para a concorrência – ou escolherá o produto da marca concorrente. Com um mix maldefinido, varejo e indústria perdem vendas.

Precisa estar, primeiro de tudo, no DNA da empresa fazer diferente. Isso não vem da alta gestão apenas, é preciso que todos sejam ouvidos. É preciso também ter a cabeça aberta para saber que nem todas as ideias vão dar certo, mas ficar parado é muito pior.

Vender flores, muitos fazem, mas quais empresas pensaram em agregar outros produtos e criar kits exclusivos para quem compra? Flor é um ato de amor e carinho, comprada normalmente para celebrar um aniversário, uma conquista, uma data especial, um momento único. Flores e chocolates são uma tradição de décadas, mas será que é apenas com chocolate que flores combinam? O poder de conhecer a fundo o consumidor, e a internet permitiu expandir isso, é fundamental para ampliar a mente e pensar que é possível vender flores com pelúcias, bebidas, semijoias, cesta de café da manhã, bolachas e até brinquedos. E por quê? Bem a pergunta é: e por que não?

Julio Ribeiro, um dos maiores publicitários da história da propaganda nacional, fundador de uma das mais tradicionais agência de propaganda, a Talent, dizia que “mais empresas fecharam por não inovar do que as que tentaram inovar”. Julio, que faleceu em 2018, tinha razão. O mix de produto tem tudo a ver com essa frase, pois inovar não é criar o novo iPhone, mas sim fazer algo de uma forma diferente. O e-commerce, ainda hoje, é uma inovação.

Ter um grande leque de opções deve ser o foco das marcas. A teoria da Cauda Longa, de Chris Anderson, mostra que há os produtos hit, os mais buscados, e os de nicho, menos buscados. Entretanto, há sempre alguém que busque o que você vende, claro. Os seus produtos hit, como rosas em uma floricultura, por exemplo, terão mais buscas do que produtos muito segmentados.

Sua empresa precisa ter um processo de curadoria de produtos, buscando marcas que possam somar e agregar valor, como Havanna, Ofner e Amor aos Pedaços, por exemplo, consolidadas em seus mercados, que agregam valor a qualquer outro. Uma flor com chocolate é uma coisa, uma flor com um chocolate do Amor aos Pedaços é outra, concorda?

No marketplace, as marcas poderão ter mais espaço para esse mix variado de produtos, pois há uma grande tendência de, em breve, todas as lojas serem markeplace no Brasil, ampliando o leque de produtos e consequentemente a busca pela sua loja, atingindo quem procura tanto os produtos hit como os de nicho, porém ter algo que diferencie seu site da concorrência é fundamental, por isso é preciso estar sempre atento ao que pode ser oferecido nas lojas.

*Clóvis Souza é CEO e fundador da Giuliana Flores.

Compartilhe:
Relacionadas
Movimento Varejo

NRF 2022: Conceitos inovadores, comércio alternativo e metaverso no varejo

O varejo e consumo no metaverso, que começam a ser testados, serão muito mais desenvolvidos num futuro próximo. Estima-se que até 2030, as gerações digitais vão representar 50% do total. Compartilhe:
Movimento Varejo

MEI: 150 alternativas para quem quer empreender em 2022

Sebrae produz guia para quem busca uma atividade empreendedora rentável em 2022 Compartilhe:
Movimento Varejo

Bem-estar e autocuidado seguem pautando o mercado

A indústria de moda e beleza está cada vez mais ligada à ideia de bem-estar e autocuidado. Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.