Movimento Varejo

Flexibilização muda hábitos de compra on-line

Foto: Ilderson Casu/Pixabay

Com a pandemia de coronavírus, as compras on-line ganharam mais força. Segundo uma pesquisa da Corebiz, empresa especializada em negócios digitais, o varejo cresceu 78% em 2020. Mas em 2021, com o início das campanhas de vacinação e uma retomada, mesmo que lenta, da “vida normal”, houve algumas mudanças nos segmentos preferidos do e-commerce. Enquanto os setores de moda e alimentação caem, cosméticos e casa seguem em alta.

No setor de casa e construção, beneficiado pelo fato de as pessoas precisarem ficar mais em casa, o aumento nas vendas foi de 22% em maio de 2021 ante o mesmo mês de 2020. O faturamento no mês de maio chegou a R$ 14 milhões, contra R$ 12 milhões do ano anterior.

A alta também foi vista no setor de cosméticos, com 16% de valorização na comparação anual. Segundo a Corebiz, o segmento se consolidou como um dos mais vendidos na internet. O faturamento em maio deste ano foi de R$ 50 milhões, contra R$ 43 milhões no mesmo período de 2020. Dados da Forbes mostram que o Brasil ocupa a quarta posição do ranking mundial da compra de cosméticos.

Fonte: Valor Investe

Relacionadas
Movimento Varejo

Movimento em bares e restaurantes deve crescer 30% na Copa, diz associação

Abrasel avaliou que alguns fatores contribuem, como temperaturas mais quentes, liberação do 13º salário e horários dos jogos à tarde
Movimento Varejo

Meta e TikTok lançam iniciativas para ajudar MPEs a venderem mais no final do ano

Desde insights sobre o comportamento dos consumidores nesse mesmo período dos anos anteriores, até créditos para anúncios, Meta e TikTok criaram uma…
Movimento Varejo

Conheça o passo a passo para abrir um pequeno negócio

Apesar das recentes conquistas para quem deseja ingressar no empreendedorismo, o ambiente de negócios no Brasil, que engloba o custo e a burocracia envolvida na abertura e gestão de uma empresa, é apontado como um dos mais adversos do mundo. Um relatório do Banco Mundial, de 2019, mostrou que para abrir um negócio o empreendedor levava, naquele ano, 17 dias em média. Além disso, eram necessários 11 procedimentos que envolviam instâncias federais, estaduais e municipais. A boa notícia é que essa situação tem mudado nos últimos anos. O balanço feito pela Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim) indica que, em junho passado, o país alcançou o tempo médio de 1 dia e 7 horas para abertura de um novo negócio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.