Tendências e Inovação

HSM Expo debate perspectivas de futuro

Um dos maiores eventos de gestão da América Latina, HSM Expo apresentou conceitos, cases, ferramentas e soluções para os mais variados cenários e desafios do mundo dos negócios

Mais de 130 palestras e uma grande exposição atraíram quatro mil pessoas para o Transamérica Expo Center, em São Paulo. De 5 a 7 de novembro, a HSM Expo 2018 trouxe os principais nomes da gestão na atualidade,que passaram por temas como metodologias ágeis, inteligência artificial,liderança de alto impacto, empreendedorismo, formação executiva e saúde nas organizações.

O presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), José César da Costa, acompanhado dos presidentes das Federações das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDLs) de Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais, Ivan Tauffer, Maurício Stainoff e Frank Sinatra, respectivamente, prestigiaram o evento da HSM, parceira estratégica do Sistema CNDL. Entre os destaques da programação, os dirigentes ressaltaram o modelo de transmissão via satélite apresentado no evento e a palestra do fundador e presidente da X Prize Foundation, Peter Diamandis, com o tema “Ousadia e oportunidades exponenciais:como crescer, criar riqueza e impactar o mundo”.

Em um bate-papo sobre empreendedorismo, educação e gestão, Guilherme Soárez, CEO da HSM, recebeu José Salibi Neto, cofundador da empresa, que deixou alguns conselhos à plateia, destacando, por exemplo, a importância de jornadas educacionais para executivos e líderes. “Se você não aprende, você não inova.Muitas empresas e pessoas param de aprender, pois se acomodam com o sucesso que já têm. Quando você para de aprender, o mundo passa rápido”, afirmou.

Ele reforçou, ainda, a necessidade de tais jornadas estarem alinhadas às configurações do mundo atual, pontuando que não é possível aprender de forma linear, uma vez que estamos inseridos em um mundo exponencial. “O conhecimento não está mais dentro das universidades, mas em visitas, leituras, conversas. Não é mais estruturado. As pessoas são responsáveis cada vez mais pelo seu próprio aprendizado”, resumiu.

O conceito foi reforçado em outra palestra, ministrada por David Blake, cofundador da Dregreed e autor do livro The expertise economy. De acordo com o executivo, as organizações precisam entender que o aprendizado deve acontecer de forma holística. “Para isso, as empresas precisam aderir ao formato moderno de aprendizagem, que pode seguir três passos básicos: identificar quais são as habilidades, interesses e metas do funcionário; checar em qual estágio ele está nessa jornada e aonde ele quer chegar; e descobrir qual é a distância mais curta entre esses dois pontos.Não existe uma fórmula que se adapta a todos. Deve ser um processo customizado”,apontou.

Exemplo no varejo

Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza, e Frederico Trajano, CEO da rede varejista,lideraram um painel especial. Em sua fala, Luiza relembrou a trajetória de criação da sua empresa, na década de 1970, e alertou os executivos da plateia:“As empresas precisam desenvolver capacidade de aprender e consciência deformar seus colaboradores”. Ressaltou, ainda, a importância da governança corporativa e da formalização para empresas que querem crescer.

Trajano, por sua vez, apresentou ao público sua missão desde que assumiu o cargo: transformar a empresa em uma plataforma digital com ponto físico e calor humano. Ele persegue tal objetivo a partir de cinco pilares:multicanalidade, inclusão digital, digitalização das lojas físicas, cultura digital e plataforma digital. Otimista, Luiza encerrou o painel reforçando a necessidade de aprender, se reciclar e se reinventar. “A loja física não irá acabar, não se preocupem. O que vai acontecer é a mudança, a reinvenção dessa plataforma. E nós, como empreendedores, devemos acompanhar esse processo”,completou a executiva.

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

Os segredos para ser um líder de sucesso

Para entender as habilidades que um líder precisa para realizar uma boa gestão, a Revista Varejo S.A. conversou com Caio Cunha. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Três aplicações eficientes e modernas que podem melhorar a competitividade do varejo

A tecnologia é capaz de tornar o modelo de varejo mais competitivo e lucrativo, além de garantir que os negócios se atualizem e não sejam excluídos do mercado por falta de inovação. Não à toa, sua aplicação em torno da automação de processos em busca de mais eficiência foi batizada como Quarta Revolução Industrial. E, após tantos avanços, ainda há o que ela pode contribuir para melhorar a competitividade das empresas que compõem o ecossistema do consumo e, também, o setor como um todo. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Brasileiros querem comprar mais do comércio local

Levantamento da Plataforma Gente, da Globo, aponta que 71% dos consumidores brasileiros pretendem comprar mais de negócios locais porque querem que eles permaneçam abertos. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.