Tendências e Inovação

Métricas virtuais para a loja física

Conheça a história da start-up que oferece soluções de inteligência artificial para melhorar as vendas

Em um mundo em constante transformação, as lojas físicas precisam se reinventar e ferramentas tecnológicas podem ajudar nesse processo. Os principais indicadores utilizados nas lojas geralmente se restringem a uma venda efetuada. Já no mundo virtual, é possível entender melhor a jornada do consumidor, saber o que acontece antes, durante e depois de uma compra, mesmo que ela não seja finalizada.

Pensando em como trazer para o varejo físico métricas de desempenho que estão cada vez mais sofisticadas no mundo virtual, surgiu a Decision6. “A ideia era criar uma forma para contar as pessoas que estavam próximas às lojas e entender quantas passavam perto das vitrines, quantas entravam nas lojas, quantas compravam ou não, quanto tempo ficavam na loja e quantas vezes retornavam. O objetivo é oferecer a compreensão do que acontece antes e durante uma venda”, explica o CEO da start-up, João Paulo Couto.

Nos últimos 18 meses, a Decision6 teve um crescimento de 600% e já conta com uma rica cartela de clientes, entre eles, O Boticário, Osklen, Arezzo e Farm. O produto principal é uma plataforma integrada baseada em algoritmos criados para analisar o comportamento do consumidor, comparar a performance de lojas e acompanhar o resultado de campanhas de marketing, ajudando a melhorar o desempenho geral da loja. Na prática, a solução monitora o fluxo dos consumidores nos pontos de venda para, a partir dos dados coletados, identificar melhor os hábitos dos consumidores, por dia e hora, cruzar com a conversão de vendas e estabelecer uma estratégia mais certeira para fisgar o cliente.

“Hoje, os cuidados na hora de abrir uma loja física devem ser cada vez maiores. A tecnologia pode ajudar muito. Desde a definição do ponto, mostrando os horários de maior ou menor conversão para otimizar o staff, como ser mais assertivo em qualquer evento ou campanha de marketing, entendendo quais ações de retenção do cliente no ponto de venda aumentam o ticket médio, se há pessoas tempo suficiente na loja para converter ou se há problema de sortimento; essas informações são muito ricas para a gestão de qualquer loja física”, avalia Couto.

Analisar a jornada e a motivação do consumidor já faz parte das estratégias de e-commerce. Não é novidade que o cliente está cada vez mais exigente e em busca de uma experiência única na hora de interagir com as marcas. “Já somos mais do que um ‘termômetro’ para saber se uma experiência proporcionada no ponto de venda funciona ou não. Estamos mergulhando cada vez mais no entendimento do comportamento dos consumidores e essa estruturação de dados começa a se transformar em um repositório muito rico de informações que vai ajudar a marca no relacionamento mais assertivo com seu público”, analisa o CEO.

Um dos segredos do sucesso da Decision6 é a simplicidade das soluções. Além de falar a linguagem do varejista, seu custo-benefício é atrativo, sendo indicada para lojistas de qualquer tamanho.A comunicação da marca com seus clientes precisa ser cada vez mais relevante e assertiva, transmitindo uma mensagem que cause impacto e oferecendo experiência personalizada de compra.

“Enxergo uma procura cada vez maior do mercado varejista por tecnologias que deem subsídios para uma gestão mais eficaz, não simplesmente ferramentas de análise ou inteligência, mas soluções que consigam predizer com bons fundamentos determinada tendência. Muitos gestores já estão alertas e entendem a necessidade de aliar números à intuição e os investimentos devem aumentar nos próximos anos. Nunca tivemos um consumidor tão exigente e os que criarem as experiências certas e conseguirem se comunicar de forma assertiva serão os vencedores”, finaliza.

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

Os segredos para ser um líder de sucesso

Para entender as habilidades que um líder precisa para realizar uma boa gestão, a Revista Varejo S.A. conversou com Caio Cunha. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Três aplicações eficientes e modernas que podem melhorar a competitividade do varejo

A tecnologia é capaz de tornar o modelo de varejo mais competitivo e lucrativo, além de garantir que os negócios se atualizem e não sejam excluídos do mercado por falta de inovação. Não à toa, sua aplicação em torno da automação de processos em busca de mais eficiência foi batizada como Quarta Revolução Industrial. E, após tantos avanços, ainda há o que ela pode contribuir para melhorar a competitividade das empresas que compõem o ecossistema do consumo e, também, o setor como um todo. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Brasileiros querem comprar mais do comércio local

Levantamento da Plataforma Gente, da Globo, aponta que 71% dos consumidores brasileiros pretendem comprar mais de negócios locais porque querem que eles permaneçam abertos. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.