Economia e Finanças

Pix e BNPL avançam na Black Friday como preferência de lojistas do e-commerce

Estudo analisa impacto da data promocional na aceitação de meios de pagamento pelas lojas online

A Black Friday 2022 confirmou o avanço de novas formas de pagamento na aceitação dos principais lojistas online no país. Pix e BNPL se aproximam do final do ano em viés de alta e encabeçam transformações importantes nesse mercado.

A edição de novembro do Estudo de Pagamentos Gmattos mostra que o Pix acelerou ainda mais sua escalada no ranking de meios de pagamento aceitos pelo e-commerce no Brasil. A modalidade saltou dos 81,4% verificados na edição de setembro do estudo para 91,5% de aceitação no levantamento de novembro.

Essa alta de 11,1 pontos percentuais do Pix o consolida no segundo lugar entre as preferências dos lojistas e o aproxima ainda mais do crédito, que lidera o ranking desde a primeira edição do estudo, realizada em janeiro de 2021. O primeiro lugar no histórico também marca um recorde.

Em todos as edições anteriores, o crédito havia somado a aceitação de 98,5%. Na Black Friday, pela primeira vez a modalidade foi aceita em todas as 59 lojas pesquisadas, obtendo 100% de adesão no universo das maiores lojas online do Brasil.

A data marcou ainda uma sensível elevação da oferta de pagamento sem juros no cartão em um número maior de parcelas, em razão do caráter promocional da ocasião. O plano em 10 vezes foi o mais frequente (42,4%), mas o de 12 vezes também ganhou destaque.

A subida abrupta do Pix, na avaliação da Gmattos, esteve também relacionada às características promocionais mais agressivas da Black Friday. Houve no período, inclusive, muitas concessões de descontos para essa forma de pagar. Cerca de 30% das lojas online que aceitaram Pix ofereceram abatimentos de 5% a 15% para o pagamento com esse meio.

Outro que se beneficiou das estratégias dos lojistas para a data foi o BNPL. Sua aceitação cresceu de 13,6% em setembro para 22% em novembro. “O período promocional da Black Friday é um motivador das lojas para a melhoria de conversão, e o BNPL é uma forma de inclusão importante para a oferta de parcelamento para quem não tem cartão de crédito, ou para aqueles que até o possuem, mas não têm limite disponível para novas compras parceladas”, afirma Gastão Mattos, cofundador e CEO da Gmattos.

Modalidades em queda
Por sua vez, duas modalidades foram afetadas negativamente pela Black Friday. A aceitação das wallets no geral caiu de 47,5%, em setembro, para 40,7%, em novembro, uma vez que seu custo maior para o lojista pela taxa de desconto é desestimulante em um período em que as lojas procuram maximizar sua lucratividade.

A BF também contribuiu para o decréscimo dos boletos em relação a setembro, de 75,8% para 69,5%, seu pior resultado em todo o histórico de Estudos Gmattos. “Parte dessa diminuição pode ser atribuída ao período porque essa forma de pagamento é bastante negativa por ‘prender’ o item de estoque, aguardando uma confirmação do pagamento que pode demorar até três dias após a venda”, explica Gastão Mattos. “Não será surpresa se, na próxima medição, pós-período promocional, os boletos retornem ao patamar anterior de aceitação.”

O Estudo de Pagamentos Gmattos Especial Black Friday identificou ainda uma oscilação negativa da modalidade débito, de 30,5% para 28,8%.

Fonte: Mercado e Consumo

Relacionadas
Economia e Finanças

Copom reduz juros básicos da economia para 12,75% ao ano

O comportamento dos preços fez o Banco Central (BC) cortar os juros pela segunda vez no semestre. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa Selic, juros básicos da economia, em 0,5 ponto percentual, para 12,75% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.
Economia e Finanças

Campanha pelo parcelado sem juros ganha mais adesão

A Abad, Abrasel, Afrac, Anamaco e CNDL se uniram em defesa da modalidade de pagamento.
Economia e Finanças

Ignorados pelos bancos, 4 em cada 10 pequenos negócios usam o cartão de crédito para financiar a empresa

Modalidade com juros estratosféricos é utilizada atualmente por cerca de 40% do segmento, ante 7% que apontam empréstimos nos bancos privados e 4% nos públicos como formas de financiamento