Tendências e Inovação

Retailtechs de pagamentos melhoram processamento das transações

Startups voltadas a soluções no varejo também se dispõem a resolver problemas de pagamentos. Uma espécie de fusão entre retailtechs e techfins (e fintechs), elas proliferam no ecossistema dos marketplaces e setor varejista como um todo com a proposta de dinamizar os negócios, tornando-se aos negócios uma promissora solução de fidelização do consumidor. São as retailtechs de pagamentos.

O mais interessante dessas empresas nascentes é o protagonismo que elas ganharam no complexo ambiente que é o varejo on e offline no contexto do Open Banking. Elas são a promessa de resolução do gargalo nos processamentos das transações, além de serem importantes via para a fidelização. É o que mostra o Inside Retailtech Report do Distrito, que no mês de junho traz um foco especial nas nascentes que solucionam pagamentos entre suas quase 800 startaps de varejo mapeadas.

De acordo com o relatório, as retailtechs de pagamento têm maturidade superior à média em relação às de outras categorias no setor. Isso acontece porque o ambiente de pagamentos é complexo, e no Brasil já conta com uma estrutura de nível global ao mesmo tempo que a população se digitaliza. A concorrência e a qualidade dos serviços são elevadas, sob o desafio de operar dinheiro, cartões, WhatsApp Pay, tecnologias sem contato, QR Code, PIX e links de pagamentos.

Para o Distrito, a maturidade das startups do nicho se justifica também pela quantidade de funcionários. No caso das retailtechs de pagamentos, mais de 20% delas têm mais de 100 empregados. Enquanto cerca de 40% são micro, quase 25% são grandes. isso se dá, em parte, pelo fato da maioria dos modelos de negócios ter sido fundada entre 2011 e 2015, observa o estudo.

Benefícios ao varejo
Os benefícios do desenvolvimento de retailtechs de pagamentos no Brasil são enormes aos varejistas. Os custos diminuem, a eficiência aumenta e o consumidor fica mais satisfeito com a pluralidade de métodos. E é na satisfação que a fidelidade pode se consolidar. Como lembra o relatório, são as soluções de pagamento que trazem tecnologias possíveis para incentivos como o cashback mediante fornecimento (e segurança) de dados.

Desafios das restailtechs de pagamentos
Enquanto os anos passados de consolidação e maturação das empresas de solução ao varejo exigiam um profundo entendimento do mercado e a cultura do varejo local por parte das equipes de desenvolvimento, o presente é de conhecimento sobre o consumidor. Em seus comentários no relatório, a líder comercial e de parcerias da Adyen, Adriana Mesquita, pontua o quão dinâmico e cheio de possibilidades o mercado se tornou diante de um consumidor de perfil mais early adopter.

“O consumidor brasileiro é vanguardista na adoção de novas tecnologias e o Banco Central tem uma agenda forte de inovação. Nosso desafio hoje é acelerar ainda mais essa transformação e munir os varejistas com a tecnologia necessária para oferecer a experiência do varejo do futuro”, diz a executiva.

Grupos de soluções
Diante da sede de aprimoramento dos métodos de pagamento, busca de fidelização e obtenção de dados, as retailtechs de pagamentos se subdividem em três grupos maiores: soluções de PdV (ponto de venda) para varejo físico (incluindo soluções de biometria facial), processamento das transações e pagamentos por celular. Também há, claro, subgrupos de atuação menores como antifraude, contas digitais, pré-pagos, etc.

Nestes grupos maiores, os principais maiores players resolvem dores com processamento de transações financeiras com foco no e-commerce. Conforme lembra o relatório, essa questão é nefrálgica para o mercado como um todo, já que soluções um dia criadas por players como Alipay (Alibaba) e Mercado Pago (Mercado Livre) para resolver seus próprios ecossistemas hoje transcendem e atual de forma independente, ao ponto de transformar concorrentes em clientes.

Vias de crescimento
De acordo com o relatório, dentro do universo de retailtechs, o problema de processamento de transações é o grande gargalo. Por isso, não é de se espantar que seja nessa categoria que a maior parte das startups de pagamento esteja. Grandes marketplaces e varejistas buscam solidificar suas estratégias em serviços financeiros, tanto da ponta B2B para os sellers e parceiros quanto para B2C no intuito de gerar mais recorrência. A partir disso, segundo o relatório, eles desenvolvem soluções internas ou vão às compras dessas startups. Ao mesmo tempo, outros players de tecnologia financeira buscam expandir seus modelos de negócios para as plataformas e ecossistemas iniciando um marketplace.

“Vemos um mercado de pagamentos para o varejo tech em constante transformação e, apesar de já estar em um patamar relevante de maturidade, o crescimento e a expansão desses novos modelos de negócios ainda têm muito a nos mostrar”, aponta o estudo.

As promissoras da promessa
Atualmente, o ecossistema de retailtechs supera com folga o volume investido em 2020, batendo os US$ 888 milhões até o momento, e hoje emprega mais de 55 mil pessoas.

Entre as startups de solução de pagamento, os maiores aportes estão concentrados nos maiores players concentram, como cloudwalk e conductor. Pelas métricas do estudo do Distrito, que pondera crescimento no número de funcionários, número de funcionários, total de aportes e seguidores no LinkedIn, o Top 10 das promissoras é: PicPay, Clearsale, Conductor, Ebanx, Zoop, Asaas, Iugu, Vindi, Acqio e Cloudwalk.

Fonte: Consumidor Moderno

Compartilhe:
Relacionadas
Tendências e Inovação

APAS Show: IoT e soluções conectadas diminuem perdas e melhoram experiência do shoppper

Dar inteligência aos dispositivos é a proposta da Inwave para revolucionar o setor trazendo mais segurança e atuando diretamente na redução de perdas e melhora da experiência do consumidor Compartilhe:
Tendências e Inovação

Índice de competitividade: importância e desafios do frete

A velocidade de entrega é um benefício percebido pelos clientes e, por causa disso, deve ser explorada ao máximo para maximizar os resultados. Compartilhe:
Tendências e Inovação

Indústrias relacionadas ao metaverso devem movimentar R$ 4 tri até 2024

Muito além do conceito, as indústrias que se formaram em torno do metaverso já movimentam números expressivos. De acordo com dados da Bloomberg Inteligence, segmentos como RV (Realidade Virtual) e de RA (Realidade Aumentada), games, cloud e outros, devem movimentar mais de R$ 4 trilhões até 2024. Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.